O projeto “italianando a san paolo” e o professor como intelectual à luz da condição pós-método e da pedagogia da autonomia

Luciana Duarte Baraldi, Juliana Hass

Resumo


Neste artigo, percorreremos as etapas do projeto “Italianando a San Paolo”, realizado com base na condição pós-método (Kumaravadivelu, 2003, 2006) e na pedagogia da autonomia (Paulo Freire, 1996) em uma turma multisseriada de língua italiana do CEL, para dinamizar as ações de ensino-aprendizagem, ajudar os alunos a adquirir autonomia na aprendizagem, integrar seus conhecimentos prévios com aqueles conquistados no curso, desenvolver capacidade de trabalhar em grupo, entender a importância de se inter-relacionar e enfrentar as dificuldades desse contexto de ensino. Cada aluno escolheu um tema, realizou pesquisa e apresentou ao grupo; nós, mediadoras, os orientamos na construção dos conhecimentos. Foram realizadas atividades individuais e/ou em grupo, apresentação oral e debates. Os discentes participaram ativamente, associaram conceitos e informações, compreenderam a importância da comunicação, refletiram sobre a construção do conhecimento, interagiram com os colegas, lidaram com adversidades e desenvolveram postura autônoma nesse processo. Os resultados foram positivos para os alunos, a comunidade escolar e a academia, materializando-se na reflexão sobre problemas de ensino. O projeto foi transformado em pesquisa e promoveu mudanças para os envolvidos.

Palavras-chave


Centros de Estudos de Línguas (cel); Ensino de italiano; Turmas multisseriadas; Condição pós-método; Pedagogia da autonomia

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA FILHO, José Carlos Paes de. (1993) Dimensões comunicativas no ensino de línguas. 6. ed. Campinas: Pontes, 2010.

ARAÚJO SILVA, Gisvaldo. A era pós-método: o professor como um intelectual. [s.l.]: [s.d]. Disponível em: . Acesso em: 29.10.2016.

BOSETTI, Anna. Adolescenti e insegnanti: quale relazione. In: ______. Adolescenza e compiti di sviluppo. Milano: Unicopli, 2002. [O site tesionline publicou amplo resumo do texto original. Nossa pesquisa foi realizada nos conteúdos disponíveis em: . Acesso em: 29.10.2016]

BROWN, Steven; MENASCHE, Lionel. Defining Authenticity. [s.l.]: [s.d]. CALTABIANO, Maria Aparecida Magalhães Borges da Silva. É verdade ou faz de conta? Observando a sala de aula de língua estrangeira. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, 1999.

CERICATO, Itale Luciane. A profissão docente em análise no Brasil: uma revisão bibliográfica. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 97, n. 246, p. 273-289, maio-agosto 2016.

FREIRE, Paulo. (1996) Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 51. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2015.

GODOY, Lilian Paula Martins. Juntar ou separar? Reflexões sobre o contexto multisserial de ensino de FLE (Francês Língua Estrangeira) nos CEL (Centros de Estudos de Línguas).Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, 2013.

KUMARAVADIVELU, B. Beyond methods: macrostrategies for language teaching. New Haven: Yale University Press, 2003.

________________. Understanding language teaching: from method to posmethod. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 2006.

MAURO, Luciana Rita. Material autêntico e tarefas no ensino-aprendizagem do italiano como língua estrangeira: entre teoria e prática didática. Dissertação (Mestrado Língua Literatura e Cultura Italianas) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, 2013.

PEZZOLA, Ilaria. Il ruolo della creatività nell’apprendimento linguistico: teorie e applicazioni Supplemento alla rivista EL.LE. Laboratorio ITALS: Italiano come Lingua Straniera, novembre 2012. Disponível em: . Acesso em: 29.10.2016.

PROGRAMA DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA FACULDADE DE EDUCAÇÃO DA

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (PFP-FE-USP). Manual do estagiário: orientações para

o estágio curricular nas escolas públicas. São Paulo: PFP-FE-USP, 2015.

SÃO PAULO (Estado). Secretaria da Educação. Resolução SE nº 44, de 13 agosto de 2014. Dispõe sobre a organização e o funcionamento dos Centros de Estudos de Línguas – CEL, e dá providências correlatas. São Paulo, 2014.

SCHULTZ, Janine. Projetos educacionais. São Paulo: Senac, 2014.

VIEIRA, Daniela Aparecida. O uso de materiais autênticos nas aulas de italiano como língua estrangeira: teorias e práticas. São Paulo: Nova Alexandria, 2012. (Estudos Italianos – Série Didática)

VIEIRA ABRAHÃO, Maria Helena. A prática de sala de aula, a formação e o desenvolvimento do professor de línguas. São José do Rio Preto: UNESP, 2009. Texto-base de conferência proferida no VII Seminário de Línguas Estrangeiras da UFG e publicado nos Anais do referido congresso.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 interFACES