Espaços de violência na narrativa moçambicana contemporânea

Fátima Mendonça

Resumo


Em 2003, João Paulo Borges Coelho publica o seu primeiro romance, As duas sombras do rio, tendo por base acontecimentos verídicos ocorridos nas margens do Zambeze, entre 1985 e 1989. Sendo historiador, especializado em questões de segurança e defesa, o autor tem uma posição privilegiada no acesso à informação, o que levaria a supor tratar-se de uma narrativa histórica ou documental. Contudo, a acumulação de significações em suspenso faz escapar o romance à leitura unívoca de um relato e remete a percepção da violência trazida à superfície para um campo de incerteza e de questionamento que o autor desenvolveu em Campo de Trânsito, cuja ação decorre num campo de prisioneiros. Podem-se estabelecer analogias entre as duas narrativas ligadas por perspectivas filosóficas de Emmanuel Levinas.


Palavras-chave


João Paulo Borges Coelho, Ficção, História, literatura moçambicana, violência.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35520/mulemba.2018.v10n18a15996

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Mulemba

Indexadores e bases bibliográfcias:
Periódicos Capes Latindex Diadorim EZB Google Acadêmico  DRJI  Livre Base  Sudoc Worldcat HNU  InfoGuide 


Licença Creative Commons
A Revista Mulemba utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.