MATILDE VAN DUN E O DESEJO QUE ALIMENTA A VISÃO

Vanessa Ribeiro Teixeira

Resumo


Matilde Van Dum, através dos seus poderes de pitonisa, dialoga constamente com a possibilidade de criação de novas formas de compreensão dos meandros da história e do desejo feminino. As visões de futuro da bela filha de Baltazar Van Dum propiciam uma articulação diferenciada da memória que, a partir desse momento, não se sustentará apenas sobre os pilares do passado, antes pautar-se-á, com base em realidades diversas, projetadas no vir a ser. A visão especial de Matilde, alimentada pelo desejo, ilustra bem o fato de que tanto a história quanto a memória estão longe de serem construídas somente a partir dos fatos, pois dependem diretamente de uma instância subjetiva que pode carregar consigo não só a verdade que foi, mas também aquela que poderia ter sido.

PALAVRAS-CHAVE: crítica literária, Pepetela, romance angolano, sentidos físicos.


Palavras-chave


crítica literária, Pepetela, romance angolano, sentidos físicos.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35520/mulemba.2010.v2n2a4684

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Mulemba

Indexadores e bases bibliográfcias:
Periódicos Capes Latindex Diadorim EZB Google Acadêmico  DRJI  Livre Base  Sudoc Worldcat HNU  InfoGuide 


Licença Creative Commons
A Revista Mulemba utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.