O PERCURSO DA IDENTIDADE NACIONAL EM MIA COUTO

Maria Geralda de Miranda, Ricardo do Carmo, Aneliza Ambrósio

Resumo


Este estudo busca verificar o modo pelo qual o escritor moçambicano Mia Couto elabora a
problemática da identidade nacional em duas de suas narrativas curtas: “O cachimbo de Felizbento”
e “As flores de Novidade”. Ambas as narrativas fazem parte do livro Estórias abensonhadas,
publicado pela primeira vez em 1994. Primeiramente, o ensaio faz uma rápida historização da
literatura em Moçambique, passa por algumas teorizações atinentes à problemática das identidades
e chega à questão do mitológico, pano de fundo necessário ao projeto estético do autor, já que o
mito retroalimenta a identidade, em razão do contato com a tradição. Em seguida, à luz dos
pressupostos abordados, as duas “estórias” passam a ser discutidas.

PALAVRAS-CHAVE: memória, história, terra, mito, identidade


Palavras-chave


memória, história, terra, mito, identidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35520/mulemba.2012.v4n6a4898

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Mulemba

Indexadores e bases bibliográfcias:
Periódicos Capes Latindex Diadorim EZB Google Acadêmico  DRJI  Livre Base  Sudoc Worldcat HNU  InfoGuide 


Licença Creative Commons
A Revista Mulemba utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.