Dentro de nós floresceram os prados: representações da violência em Paulina Chiziane

Maria do Carmo Cardoso Mendes

Resumo


A obra literária da escritora moçambicana Paulina Chiziane representa a violência exercida sobre mulheres em contextos opressivos e em relações desiguais de géneros. Ao mesmo tempo, a ficção narrativa de Paulina Chiziane mostra os mecanismos procurados por mulheres oprimidas: o intimismo, a natureza e o esforço inabalável de reconhecimento da identidade feminina. O ensaio, centrado no romance Balada de Amor ao Vento (1990), tem assim como principais propósitos: 1) Identificar os papeis femininos; 2) Reconstruir os percursos de mulheres; 3) Destacar o contributo muito significativo de Chiziane sobre a afirmação da vozes das mulheres africanas.


Texto completo:

PDF

Referências


CHABAL, Patrick. Vozes moçambicanas. Literatura e nacionalidade. Lisboa: Vega, p. 292-301, 1994.

CHIZIANE, Paulina. Balada de Amor ao Vento. Lisboa: Caminho, 2003 [1990].

CHIZIANE, Paulina. Eu mulher, por uma nova visão do mundo…, Afonso, Ana Elisa de Santana (org.). Eu mulher em Moçambique. Moçambique: AEMO, p. 11-18, 1994.

GALVÁN, Enrique y GALVÁN, Fernando. El discurso colonial en Balada de Amor ao Vento de Paulina Chiziane. Rapsoda. Revista de Literatura, nº 1, p. 25-38, 2009.

MATA, Inocência. Paulina Chiziane. Uma coletora de memórias imaginadas. Metamorfoses, nº 1, p. 135-142, 2000.

OWEN, Hilary. A língua da serpente: a auto-etnografia no feminino em Balada de Amor ao Vento de Paulina Chiziane. Ribeiro, Margarida Calafate e Menezes, Maria Paula (orgs.). Moçambique. Das palavras escritas. Porto: Edições Afrontamento, p. 161-175, 2008.




DOI: https://doi.org/10.35520/mulemba.2021.v13nEsp.a51064

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Revista Mulemba

Indexadores e bases bibliográfcias:
Periódicos Capes Latindex Diadorim EZB Google Acadêmico  DRJI  Livre Base  Sudoc Worldcat HNU  InfoGuide 


Licença Creative Commons
A Revista Mulemba utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.