A CONCEPÇÃO DE UNIVERSIDADE PÚBLICA E A INTERFACE COM O PROCESSO DE FORMAÇÃO DOS GESTORES UNIVERSITÁRIOS

Monica Feitosa de Carvalho Pedrozo Gonçalves, Carla Cristina Dutra Búrigo, Alexandra Gabriela Zen de Andrade

Resumo


O presente artigo busca compreender a concepção de universidade e o processo de formação dos gestores universitários. É um ensaio reflexivo sobre a relevância de termos gestores formados para as funções que ocupam. Que universidade estamos construindo, e que universidade desejamos construir, perpassa pela essência que concebemos de universidade, como uma instituição milenar, responsável pelo desenvolvimento social.  E neste contexto, a gestão universitária tem um papel fundamental na concepção e materialidade da universidade no seu papel social. Partimos da concepção de universidade contextualizada a partir do seu processo histórico, apresentamos as primeiras concepções de universidade desde sua origem e as variações que ocorreram ao longo dos séculos, apresentando, nesse contexto, a interface com o processo de formação dos gestores universitários. O estudo apresenta as concepções de universidade, e aponta para a concepção de universidade pública como instituição social. Aborda a gestão universitária com foco no processo de formação dos gestores no contexto universitário e contribui para a reflexão sobre os desafios da gestão da universidade pública. Trata-se de uma pesquisa descritiva, de abordagem qualitativa, realizada por meio de pesquisa bibliográfica. Concluímos que o processo formativo dos gestores deve estar alicerçado na prática da reflexão, da crítica e da investigação, visando a participação democrática, e o fortalecimento do caráter social da instituição universitária.


Palavras-chave


Universidade; Gestão Universitária; Formação de Gestores.

Texto completo:

PDF

Referências


BAUMAN, Zygmunt. Capitalismo Parasitário. Rio de Janeiro: Zahar, 2010.

BERNHEIM, Carlos Tunnerman; CHAUÍ, Marilena de Souza. Desafios da universidade na sociedade do conhecimento: cinco anos depois da conferência mundial sobre educação superior. Brasília: UNESCO, 2008.

BIANCHETTI, Lucídio; SGUISSARDI, Valdemar. Da Universidade à Commoditycidade: ou de como e quando, se a educação/formação é sacrificada no altar do mercado, o futuro da universidade se situaria em algum lugar do passado. São Paulo: Mercado das Letras, 2017.

BRASIL. Constituição de 1934. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil de 1934. 1934. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/consti/1930-1939/constituicao-1934-16-julho-1934-365196-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 12 fev. 2021.

BRASIL. Lei 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. 1961. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1960-1969/lei-4024-20-dezembro-1961-353722-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 12 maio 2021.

BÚRIGO, Carla Cristina Dutra; PERARDT, Susany. A concepção de universidade e a inter-relação com o processo da gestão universitária. Revista da FAE, v. 19, p. 80-93, 2016.

BURIGO, Carla Cristina Dutra. O trabalho acadêmico do professor universitário no processo de desenvolvimento do espaço público na universidade federal: um estudo de caso na Universidade Federal de Santa Catarina e na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. 2003. 347f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003.

BÚRIGO. A formação de professores de educação básica nos sistemas educacionais da Argentina, do Brasil e do Uruguai. 2009.122f. Relatório de Pós-Doutorado. – Programa de Pós-Graduação em Educação, Faculdade de Educação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

CHAUÍ, Marilena de Souza. A universidade Pública sob nova perspectiva. In: Revista Brasileira de Educação. São Paulo. Set/Out/Nov/Dez, 2003.

CUNHA, Luiz Antônio. A universidade temporã: o ensino superior, da Colônia à Era Vargas. 3. ed. São Paulo: UNESP, 2007.

DIAS SOBRINHO, José. Concepções de universidade e avaliação institucional. In: TRINDADE Hélgio (Org.).Universidades em ruínas: na república dos professores. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 149-169.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

FREITAG, Barbara. Escola, estado e sociedade. 7.ed. rev. São Paulo: Centauro, 2005.

HAN, Byung-chul. Sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2017.

HOUAISS, Antonio; VILLAR, Mauro de Salles; FRANCO, Francisco Manoel de Mello. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. 1. ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

MELO, Pedro Antônio de. Prefácio. Gestão universitária: um desafio para profissionais. In: STALLIVIERI, Luciane. Gestão e liderança universitária. Sorocaba: EdUniso, 2013. p. 5-12.

MEYER, Bernardo; MEYER JR., Victor. “Managerialism” na gestão universitária: uma análise de suas manifestações em uma instituição empresarial. Revista Gual, 6 (3), 2013.

MEYER Jr., Victor; LOPES, Maria Cecilia Barbosa. Administrando o imensurável: uma crítica às organizações acadêmicas. Cad.EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 13, n. 1, artigo 3, jan./mar. 2015.

MINOGUE, Kenneth R. O conceito de universidade. Brasília, DF: Editora Universidade de Brasília, 1981. 171 p.

MORHY, Lauro. Brasil – Universidade e Educação Superior. In: MORHY, Lauro (org.). Universidade no Mundo: universidade em questão. Vol. 2. Brasília: Universidade de Brasília, 2004.

PAULA, Ana Paula P. de. Por uma nova gestão pública: limites e potencialidades da experiência contemporânea. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

SANTOS, Boaventura de Sousa; ALMEIDA FILHO, Naomar. A Universidade no século XXI: para uma universidade nova. Coimbra: Almedina, 2008.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A universidade do século XXI: para uma reforma democrática e emancipatória da universidade. São Paulo: Cortez, 2005.

SIMÕES, Mara Leite. Revista Temas em Educação, João Pessoa, v.22, n.2, p. 136-152, jul.- dez. 2013.

SOUZA, Irineu Manoel de. Gestão das Universidades Brasileiras: uma abordagem fundamentada na gestão do conhecimento. 2009. 01 v. Tese (Doutorado) -Curso de Engenharia do Conhecimento, Departamento de Engenharia e Gestão do Conhecimento, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2009.

TEIXEIRA, Anísio. Autonomia Universitária. In: TEIXEIRA, Anísio. Educação e universidade. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 1988.

TENÓRIO, Fernando Guilherme. (Re)visitando o conceito de gestão social. In:Revista Desenvolvimento em Questão, Ijuí: Ed. Unijuí, v. 3, n. 5, p. 101-124, jan./jul.2005.

TENÓRIO, Fernando Guilherme. Gestão Social: uma perspectiva conceitual. In: Um espectro ronda o terceiro setor, o espectro do mercado: ensaios de gestão social. Ijuí: Unijuí. 2008.

VERGARA, Sylvia Constant. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. São Paulo: Atlas, 1998.

WANDERLEY, Luiz Eduardo W. O que é universidade. São Paulo: Editora Brasiliense, 2017.

WOLFF, Robert Paul. O ideal da universidade. São Paulo: Editora da Unesp, 1993.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2022 Práticas em Gestão Pública Universitária

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

INDEXADORES E DIRETÓRIOS

Google Acadêmico | sumários.org  | LivRe! | Diadorim | Latindex | DOAJ | Miguilim