A DIMENSÃO RELIGIOSA DAS PRÁTICAS FUNERÁRIAS: O “CASO” DE ATENAS

Autores

  • Marta Mega de Andrade

Palavras-chave:

contextos funerários, religião, política, pólis, espaço social.

Resumo

Ao abordar o tema das práticas funerárias em uma pólis como Atenas, precisamos estar atentos para a pluralidade de assuntos que lhe dizem respeito. Da disposição dos espaços de sepultamento à performance ritual propriamente dita, dos funerais públicos aos mortos em guerra à imbricação entre o teatro trágico e a morte, aquilo que podemos chamar de “contextos funerários” se desdobra em aspectos que trespassam o lugar daquilo que costumamos denominar religião. Isto significa que, na lida com a morte, os atenienses fizeram muito mais do que cercar as fronteiras do impuro e definir o espaço do sagrado, de modo que falamos de uma dimensão religiosa das práticas funerárias e, ao mesmo tempo, elas têm dimensões políticas, sociais, culturais;
e, se quiséssemos definir qual dessas instâncias predomina, não seria certamente a religião tal como a concebemos. Viso discutir aqui a relação entre o espaço de sepultamento e a dimensão religiosa que constitui, no mundo grego daquele período, o lugar de compreensão da morte como evento que “dispara” mecanismos rituais, crenças e o diálogo entre homens e deuses, ao mesmo tempo que se lida com o diálogo entre cotidiano e “além”, quer dizer, com a “vida após a morte” mas ainda com uma dimensão mais vasta do que aquela das interações materiais no cotidiano. Em que medida os mecanismos da religião e da política interferem, produzem e são produzidos nos espaços funerários, eis o tema central deste artigo.

Biografia do Autor

Marta Mega de Andrade

Professora adjunta de História Antiga do Departamento de História e do Programa de Pós-graduação em História Comparada da UFRJ. Pesquisa apoiada pelo CNPq.

Downloads

Publicado

2020-07-24

Como Citar

DE ANDRADE, Marta Mega. A DIMENSÃO RELIGIOSA DAS PRÁTICAS FUNERÁRIAS: O “CASO” DE ATENAS. PHOÎNIX, [S. l.], v. 14, n. 1, p. 291–305, 2020. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/phoinix/article/view/33131. Acesso em: 22 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigos