Concepções da equipe de saúde da família sobre a atenção prestada aos usuários de álcool e outras drogas/ Conceptions of the Family Health Team about the attention provided to alcohol and other drug users

Mayelle Tayana Marinho, Márcia Maria Mont' Alverne de Barros

Resumo


Introdução: A Atenção Básica se configura um cenário fértil para ofertar cuidado em saúde mental às pessoas que fazem uso prejudicial de álcool e outras drogas. Os cuidados prestados pela equipe da Unidade Básica de Saúde acontecem próximos à realidade dos sujeitos que devem ser enxergados de maneira singular. Objetivo: A pesquisa teve como objetivo conhecer as concepções da equipe da UBS de um município do estado da Paraíba em relação à atenção em saúde prestada aos usuários de álcool e outras drogas. Método: Trata-se de um estudo descritivo-exploratório, com abordagem qualitativa, utilizou-se para a coleta dos dados uma entrevista semiestruturada. Seguiram-se os passos metodológicos da análise de conteúdo temática. A coleta aconteceu em novembro de 2016. Os participantes foram: um médico, uma enfermeira, uma técnica em enfermagem, uma auxiliar de saúde bucal, uma auxiliar de farmácia e uma agente comunitária de saúde. Resultados: Os achados do estudo elucidaram que os trabalhadores veem o usuário de álcool e outras drogas como uma pessoa dependente, doente, viciada, que necessita de ajuda, assistência, acompanhamento e tratamento. Eles consideram o uso de drogas um problema com repercussões negativas amplas para os usuários, sua vida familiar, esfera social, configurando-se também um problema de saúde pública. Conclusão: Dessa forma, compreende-se que a atenção prestada aos usuários de álcool e outras drogas, no âmbito da Atenção Básica, deve ser priorizada no cerne das políticas públicas.


Palavras-chave


Atenção Básica; Drogas; Saúde mental

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas. (2010). Glossário de álcool e drogas (J. M. Bertolote, Trad.). Brasília DF: Autor.

Peres S, Rodrigues W, Rodrigo S. Concepções sobre álcool e outras drogas na Atenção Básica: o Pacto Denegativo dos Profissionais de Saúde. Psicologia: ciência e profissão, 2014, 34 (2). p. 474-487.

Brasil. Ministério da Saúde. Lei nº. 10.216, de 6 de abril de 2001. Dispõe sobre a proteção e os direitos das pessoas portadoras de transtornos mentais e redireciona o modelo assistencial em saúde mental [internet] Brasília, DF,6 abril 2001. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/LEIS_2001/L10216.htm. Acesso em: 05 de agosto 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde Mental. Cadernos de Atenção Básica, n. 34. Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Brasília, DF, 2013. 176 p.

Brasil. Portal da Saúde. RAPS - Rede de Atenção Psicossocial. Disponível em: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/803-sas-raiz/daet-raiz/saude-mental/l2-saude-mental/12588-raps-rede-de-atencao-psicossocial. Acesso em: 27 de setembro de 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Básica. Série E. Legislação em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Brasília, DF. 2012.110 p. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/pnab.php. Acesso em: 12 de agosto de 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria nº 3.088, de 23 de dezembro de 2011. Institui a Rede de Atenção Psicossocial para pessoas com sofrimento ou transtorno mental e com necessidades decorrentes do uso de crack, álcool e outras drogas, no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Brasília: Ministério da Saúde, 23 dezembro 2011.

Brasil. Portal da Saúde. Equipe de Saúde da Família. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/smp_como_funciona.php?conteudo=esf. Acesso em: 27 de setembro de 2017.

Brasil. Núcleos de Apoio à Saúde da Família - Conceitos e Diretrizes. Brasília. 2013.

Brasil. Portal da Saúde. Núcleo de Apoio à Saúde da Família (NASF). Brasília, DF. 2012. Disponível em: http://dab.saude.gov.br/portaldab/nasf_perguntas_frequentes.php. Acesso em: 27 de setembro de 2017.

Fernandes AFC, Guimarães FJ, Lopes MVO, Mangueira JO, Mangueira SOM. Promoção da saúde e políticas públicas do álcool no Brasil: revisão integrativa da literatura. Psicol. Soc. 2015 Jan./Apr. V.27(1): p, 157-168.

Caixeta LMM, Haas VJ, Pedrosa LAK. Análise das atitudes de profissionais da Atenção Primária a Saúde frente a pessoas com transtornos relacionados ao uso de álcool. SMAD, Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drogas. 2016 Abr.-Jun. V.12(2): p. 84-91.

Barros MA, Pillon SC. Atitudes dos profissionais do Programa Saúde da Família diante do uso e abuso de drogas. Esc Anna Nery. [Internet]. 2007 [Acesso 10 dez 2013]; 11(4):655-62. Disponível em: http://www. scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414- 81452007000400016&lng=en. http://dx.doi.org/10. 1590/ S1414-81452007000400016.

Moretti-Pires RO, Corradi-Webster CM, Furtado EF. Consumo de álcool e atenção primária no interior da Amazônia: sobre a formação de médicos e enfermeiros para assistência integral. Rev Bras Educ Med. [Internet]. abr-jun. 2011. V.35(2):219-28. Disponível emhttp://www.scielo.br/scielo. Php?script=sci_ arttext&pid=s0100-55022011000200011&lng=en&nrm=i sso. Acesso em: 05 de outubro de 2017.

Minayo, MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

Conselho Nacional de Saúde (Brasil). Resolução n o 466, de 12 de dezembro de 2012. Brasília, 2012 [citado 2014 Mar 11]. Disponível em: http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 06 de junho 2016.

Morais M. O modelo de atenção integral à saúde para tratamento de problemas decorrentes do uso de álcool e outras drogas: percepções de usuários, acompanhantes e profissionais. Ciência & Saúde Coletiva. 2008. 13(1). p. 121-133.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. A Política do Ministério da Saúde para a Atenção Integral a Usuários de Álcool e Outras Drogas. Brasília, DF, 2003.

Capistrano FC, Ferreira ACZ, Maftum MA, NimtzI MA, Tavares AMF. Impactos legais e no trabalho na vida do dependente químico. Rev. Eletrônica Saúde Mental Álcool Drog. (Ed. port.). jun. 2016. V.12(2), p. 68-74. Disponível em: http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1806-69762016000200002&lng=pt&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 05 de outubro de 2017.

Costa PHA, Laport TJ, Mota DCB, Ronzani TM. Percepções e práticas dos profissionais da Atenção Primária à Saúde na abordagem sobre drogas. Psicologia: teoria e pesquisa. Jan-Mar. 2016. V.32(1): pp. 143-150.

Campos EA. As representações sobre o alcoolismo em uma associação de ex-bebedores: os Alcoólicos Anônimos. Cad. Saúde Pública. 2004. V.20(5): pp. 1379-1387.

Medeiros KT, Maciel SC, Sousa PFS, Souza FMT, Dias CCV. Representações sociais do uso e abuso de drogas entre familiares de usuário. Psicol. estud. Apr./ June. 2013. V.18 (2). Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-73722013000200008 Acesso em: 10 de novembro de 2017

Zambenedetti G, Silva RAN. A noção de rede nas reformas sanitária e psiquiátrica no Brasil. Psicologia em Revista. Belo Horizonte. V.14(1), p.131-150, Junho, 2008.

Ferreira TPS, Costa CT. Saúde e redes vivas de cuidado: articulando ações estratégicas no território com vista ao cuidado integral na atenção básica. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. Rio de Janeiro. abr./jun. 2017. V.1(3): 269-281.

Costa PHA, Laport TJ, Mota DCB, Ronzani TM. Percepções e Práticas dos Profissionais da Atenção Primária à Saúde na Abordagem sobre Drogas. Psic.: Teor. e Pesq.. Brasília. V.32(1). Jan/ Mar. 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-37722016000100143 Acesso em: 05 de outubro de 2017.

Albuquerque RA, Jorge MSB, Vasconcelos MGF, Paula ML. Assistência ao usuário de drogas na atenção primária à saúde. Psicologia em Estudo. abr./jun. 2014. V.19(2). p. 223-233.

Monteiro CFS, Silva MDF, Varela DSS. Dificuldades de enfermeiros no trabalho com usuários de álcool e outras drogas: revisão integrativa. Rev.enferm UFPE online. out. 2015. V. 9(10). p.9576-83.

Lopes GT, Pessanha HL. Concepções de professores de Enfermagem sobre drogas. Esc Anna Nery, RevEnferm [Internet]. 2008 Sept [cited 2014 Jan 25]; V. 12(3): p. 465-72.

Costa PHA, Mota DCB, Laport TJ, Ronzani TM. Percepções e práticas dos profissionais da Atenção Primária à Saúde na abordagem sobre drogas. Psicologia: teoria e pesquisa. Jan-Mar. 2016. V.32(1). p. 143-150.

Ceccim RB. Educação permanente em saúde: desafio ambicioso e necessário. Interface - Comunic, Saúde, Educ. 2004.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB