Incorpar e adolescer: o pulsar de um corpo em metamorfose e suas repercussões ocupacionais / Incorporanting and adolescer: the pulsar of a body in metamorphoses and their occupational repercussions

Débora Ribeiro da Silva Campos Folha, Emmanuelle Vale Araújo, Jéssica Auzier do Carmo

Resumo


O período da adolescência é caracterizado como uma fase de transformações físicas, psíquicas, sociais e ocupacionais. Diante da necessidade de abordar os adolescentes zelando pelo seu desenvolvimento integral e pelo pleno envolvimento deles nas ocupações que estruturam seus cotidianos durante a fase da adolescência, a terapia ocupacional pode ofertar possibilidades promissoras de cuidado a este público. Este estudo objetivou compreender quais as repercussões ocupacionais da vivência da adolescência e como as atividades corporais podem ser um recurso dos terapeutas ocupacionais para favorecer a compreensão destas. Tratou-se de um estudo qualitativo, de natureza exploratória e descritiva, com a participação de 28 adolescentes estudantes de duas instituições educacionais, uma pública e outra privada, na cidade de Belém (PA). A coleta de dados se deu por meio de uma entrevista semiestruturada e de 8 encontros nos quais foram realizadas vivências corporais. Os dados foram analisados a partir de uma análise categorial temática. Os resultados apontaram para a emergência de três categorias: Como os adolescentes compreendem a adolescência?; O que os adolescentes pensam e sabem sobre o corpo e a corporeidade?; Quais as ocupações que estruturam os cotidianos destes adolescentes? Destacamos a necessidade de desenvolver ações que promovam o entendimento das transformações corporais, psíquicas, sociais e ocupacionais as quais eles vivenciam nesta fase da vida. As atividades corporais oportunizaram a criação de um espaço potencial para trocas e construções de saberes e experiências promotoras do desenvolvimento humano e do engajamento em ocupações durante a adolescência.


Abstract

The period of adolescence is characterized as a phase of physical, psychic, social and occupational transformations. Faced with the need to approach adolescents by ensuring their full development and their full involvement in the occupations that structure their daily lives during the adolescence phase, Occupational Therapy can offer promising possibilities of care for this public. This study aimed to understand the occupational repercussions of adolescence and how body activities can be a resource for occupational therapists to promote their understanding. This was a qualitative study, exploratory and descriptive, with the participation of 28 teenagers from two educational institutions, one public and one private, in the city of Belém (PA). The data collection was done through a semi-structured interview and 8 meetings in which corporal experiences were carried out. The data were analyzed from a thematic categorical analysis. The results pointed to the emergence of 3 categories: How do adolescents understand adolescence? What do teenagers think and know about body and body? What occupations structure the daily adolescent? We emphasize the need to develop actions that promote the understanding of the corporal, psychic, social and occupational transformations that they experience in this phase of life. The corporal activities allowed the creation of a potential space for exchanges and constructions of knowledge and experiences that promote human development and engagement in occupations during adolescence.

Keywords: Adolescence; Body activities; Occupations; Occupational therapy.


Palavras-chave


Adolescência; Atividades corporais; Ocupações; Terapia ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Eisenstein E. Adolescência: definições, conceitos e critérios. Adolescência e Saúde. 2005. 2(2): 6-7. Disponível em: http://adolescenciaesaude.com/imagebank/PDF/v2n2a02.pdf?aid2=167&nome_en=v2n2a02.pdf Acessado em: 08 de Abr. de 2016.

Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) et al. O direito de ser adolescente: Oportunidade para reduzir vulnerabilidades e superar desigualdades. Brasília: Unicef, 2011. Disponível em https://www.unicef.org/brazil/pt/br_sabrep11.pdf Acessado em: 02 de maio de 2016.

Saito CM, Castro ED. Práticas corporais como potência da vida. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. São Paulo. 2011, 19(2): 177-188. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/460/325. Acessado em: 05 de Jun. de 2016.

Liberman F. Delicadas coreografias: apontamentos sobre o corpo e procedimentos em uma terapia ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. São Paulo. 2010. 18(1): 67-76. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/334/269 Acessado em: 08 de Abr. de 2016.

BRASIL. Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8069, de 13 de julho de 1990. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial, 1990.

Ouvry O. Corpo e novidade puberal. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica. 2011. 14(2): 209-223. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-14982011000200004

Almeida MVM. Corpo e arte em Terapia Ocupacional. Enelivros, 2004.

Beal SJ, Crockett LJ. Adolescents' occupational and educational goals: a test of reciprocal relations. Journal of Applied Developmental Psychology, 2013, 34: 219-229.

Martinelli SA. A importância de atividades de lazer na terapia ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. São Paulo. 2011. 19(1): 111-118. Disponível em: http://www.cadernosdeto.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/429/317 Acesso em: 05 de Jun. de 2016.

Cavalcanti A, Dutra FCMS, Elui VMC. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo. 3ª ed. Rev Ter Ocup Univ São Paulo; jan.-abr. 2015;26(ed. esp.):1-49. Tradução do original publicado pela American Occupational Therapy Association (2014). Occupational therapy practice framework: Domain and process (3rd ed.). American Journal of Occupational Therapy, 68(Suppl.1). DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v26iespp1-49

Davis J, Polatajko H. Occupational development. In C. Christiansen & E. Townsend (Eds.). Introduction to occupation: The art and science of living. Upper Saddle River, NJ: Pearson Education, Inc. 2004, p. 91-119.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ed. São Paulo: Atlas, 2008.

Fonseca DC, Ozella S. As concepções de adolescência construídas por profissionais da Estratégia de Saúde da Família (ESF). Interface - Comunic., Saude, Educ.. 2010. 14(33): 411-24. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/icse/v14n33/a14v14n33.pdf Acesso em: 09 de agosto de 2016.

Aguiar WMJ, Ozella S. Desmistificando a concepção de adolescência. Cad. Pesqui. 2008. 38(133): 97-124. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-15742008000100005.

Araújo AC et al. Transição da adolescência para a fase adulta na ótica de adolescentes. Rev. enferm. UERJ. 2011. 19(2): 280-285. Disponível em: http://scholar.googleusercontent.com/scholar?q=cache:8eWEZtllzD8J:scholar.google.com/+Ara%C3%BAjo,+Adelita+Campos%3B+Lunardi,+Valeria+Lerch%3B+Silveira,+Rosemary+Silva+da%3B+Thofehrn,+Maira+Buss%3B+Porto,+Adrize+Rutz.&hl=pt-BR&as_sdt=0,5 Acesso em: 26 agosto de 2017.

Luckow HI, Cordeiro AFM. Concepções de Adolescência e Educação na Atuação de Profissionais do CAPSi. Psicologia Ciência e Profissão. 2017. 37(2): 393-403. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1982-3703001432016.

Schoen-Ferreira TH et al. Adolescência através dos séculos. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2010. 26(2): 227-234. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-37722010000200004.

Yaegashi SFR, Gualda MM, Campigotto RMM. A concepção de adolescência segundo os próprios adolescentes. Iniciação Científica Cesumar. 2007. 4(2): 101-112. Disponível em: http://periodicos.unicesumar.edu.br/index.php/iccesumar/article/view/58/24 Acesso em: 26 agosto de 2017.

Braga PD, Molina MDCB, Figueiredo TAM. Representações do corpo: com a palavra um grupo de adolescentes de classes populares. Ciênc. saúde coletiva. Rio de Janeiro. 2010. 15(1): 87-95. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-81232010000100014.

Frois E, Moreira J, Stengel M. Mídias e a imagem corporal na adolescência: o corpo em discussão. Psicologia em estudo. 2011. 16(1): 71-77. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S1413-73722011000100009.

Campagna VN, Souza ASL. Corpo e imagem corporal no início da adolescência feminina. Bol. psicol, São Paulo. 2006. 56(124): 9-35. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0006-59432006000100003 Acessado em: 26 de agosto de 2017.

Lima EMFA, Canguçu DF, Moraes C, Inforsato EA. Pacto adolescentes: arte e corpo na invenção de dispositivos em terapia ocupacional para produção de vida e saúde na adolescência. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. São Paulo. 2009. 20(3): 157-163. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v20i3p157-163

Galheigo SM, Angeli AAC. Terapia Ocupacional e o cuidado integral a saúde de crianças e adolescentes: a construção do Projeto ACCALANTO. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. São Paulo. 2008. 19(3): 137-143. DOI: http://dx.doi.org/10.11606/issn.2238-6149.v19i3p137-143

Pennington V, Sharrott G. The Developmental Tasks of Adolescence and the Role of Occupational Therapy. Occupational Therapy in Health Care. 1985. 2(3):7 - 18. DOI: 10.1080/J003v02n03_03

Drummond AF. Participação de crianças e de adolescentes nas tarefas domésticas. 2014. 125 f. 2014. Tese de Doutorado. Tese (Doutorado em Ciências da Reabilitação)-Universidade Federal de Minas Gerias, Belo Horizonte. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUOS-9JUHQY/tese_adriana_drummond.pdf?sequence=1 Acesso em: 23 Ago. 2017.

Dias CS, Cruz JFA, Danish S. O desporto como contexto para a aprendizagem e ensino de competências de vida: programas de intervenção para crianças e adolescentes. Análise Psicológica. 2001. 19(1): 157-170. Disponível em: < https://repositorium.sdum.uminho.pt/bitstream/1822/18050/1/cruz,%20dias%20danish%20-%202001-%20ANAL%20PSICOL.pdf>. Acesso em: 24 Ago. 2017.

Chaves ES. Significações atribuídas ao cotidiano pelo adolescente pobre. Journal of Human Growth and Development. 2001. 11(1): 68-79. DOI: http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.39671

Oliveira MCSL, Pinto RG, Souza AS. Perspectivas de futuro entre adolescentes: universidade, trabalho e relacionamentos na transição para a vida adulta. Temas em Psicologia. 2003. 11(1): 16-27. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-389X2003000100003 Acesso em: 23 Ago. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB