O cotidiano de jovens com deficiência: um olhar da terapia ocupacional a partir do método photovoice/The daily life of young people with disabilities: a occupational therapy view by the Photovoice method

Natasha Reis Ferreira, Fátima Corrêa Oliver

Resumo


O cotidiano compreende as atividades laborais, de lazer, de estudo, de autocuidado, de convívio social, entre outras, sendo também considerado como uma perspectiva de análise e intervenção orientadora da prática do terapeuta ocupacional. A condição de deficiência pode, muitas vezes, afetar a realização dessas atividades. O artigo tem como objetivo apresentar as dificuldades e possibilidades de realização de atividades cotidianas de jovens com deficiência. Com base no método Photovoice, que prioriza o ponto de vista do pesquisado, quatro jovens realizaram fotografias de atividades, locais, ou objetos relevantes em seu dia-a-dia, em uma semana típica de suas rotinas. Uma segunda rodada de fotografias referentes aos obstáculos enfrentados cotidianamente foi realizada, e apenas dois jovens participaram. A análise das fotografias ocorreu em conjunto com os participantes, quando relataram individualmente para a pesquisadora o contexto e motivos de realização das fotos. No texto comparou-se os registros de dois jovens, identificando diferenças extremas em seus cotidianos. O relato e reflexão sobre as fotos foi considerado significativo para um dos participantes que afirmou ter gostado de realizar os registros fotográficos. Pelas imagens, registradas pode-se observar que um dos participantes tem menos oportunidades de participação social, uma vez que seus registros foram todos realizados dentro de sua casa. Ambos participantes registraram limitações voltadas sobretudo às condições de acessibilidade arquitetônica e geográfica, seja dentro de casa ou em espaços de uso coletivo, revelando a grande interferência desses impedimentos para sua vida cotidiana.

 

Abstract

 

The daily life is marked by work, leisure, study, self-care, social interation, also considered as a perspective and analysis of the occupational therapist's practice. The disability condition can often affect the performance of these activities. The article aims to present the difficulties and possibilities of carrying out daily activities of young people with disabilities. Based on the Photovoice method, which prioritizes from the subject's point of view, the youngsters took photographs of relevant activities, places, or objects in their daily life in a typical week of their routines. A second round of photographs regarding the obstacles faced daily was held, and only two young people participated.. The analysis of the photographs occurred together with the participants, when they individually reported to the researcher the context and reasons for the photos. In the text, the records of the two young people were compared, identifying extreme differences in their daily lives. The report and reflection on the photos was considered significant for one of the participants, who liked to carry out the photographic records. From the recorded images, it can be observed that one of the participants has fewer opportunities for social participation, since their records were all carried out inside their house. Both participants registered limitations mainly on the architectural and geographical accessibility conditions, either indoors or in spaces of collective use, revealing the great interference of these impediments to their daily life.

Keywords: Daily life; Photography; Young with disabilities; Occupational therapy.


Palavras-chave


Cotidiano; Fotografias; Jovens com deficiência; Terapia ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Galheigo SM. O cotidiano na terapia ocupacional: cultura, subjetividade e contexto histórico-social. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. São Paulo. 2003; 14(3):104-109.

Heller A. Estrutura da Vida Cotidiana. In: Heller, A. O Cotidiano e a história. Tradução de Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. 3ª Edição. Rio de Janeiro. Paz e Terra; 1989. p. 17-42.

Salles MM, Matsukura TS. Estudo de revisão sistemática sobre o uso do conceito de cotidiano no campo da terapia ocupacional no Brasil. Cadernos de Terapia Ocupacional UFSCar, 2013; 21(2):265-273.

Diniz D, Barbosa L, Santos W. Deficiência, direitos humanos e justiça. In: Diniz D., Santos W. (Orgs.) Deficiência e discriminação. Brasília. LetrasLivres: EdUnB; 2010. p. 97-115.

Organização Mundial da Saúde. Secretariado Nacional de Reabilitação. Classificação Internacional das Deficiências, Incapacidades e Desvantagens (Handicaps): Um manual de classificação das consequências das doenças (CIDID). Lisboa: SNR/OMS; 1989.

Brasil. Lei Federal nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: . Acesso em 10 de maio de 2018.

Ferreira MAV. La construcción social de la discapacidad: habitus, estereotipos y exclusión social. Nómadas. Revista Crítica de Ciencias Sociales y Juridicas. 2008; 17(1):1-12.

Hartman LR, Mandich A, Magalhães L, Orchard T. How Do We ‘See’ Occupations? An Examination of Visual Research Methodologies in the Study of Human Occupation. Journal of Occupational Science, 2011; 18(4):292-305.

Hergenrather KC, Rhodes SD, Cowan CA, Bardhoshi G, Pula S. Photovoice as Community-based Participatory Research: a qualitative review. American Journal Health Behavior, 2009; 33(6): 686-698.

Reis S; Santos BLM; Mello ED; Wilhems DM. Cartografando territórios: oficinas de fotografia pinhole como dispositivo de ação em saúde. Interface. Botucatu. 2012; 16(42):855-862.

Maurente V; Tittoni J. Imagens como estratégia metodológica em pesquisa: a fotocomposição e outros caminhos possíveis. Psicologia e Sociedade, 2007; 19(3):33-38.

Marques BG; Miranda MLJ. Photovoice: implicações do método colaborativo para as pesquisas em Educação Física e Saúde. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde, 2015; 20(6):545-558.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. Lisboa, Portugal: Edições 70, 2002. 225 p.

Gonçalves TFC. Particularidades da análise fotográfica. Discursos fotográficos, Londrina. 2009; 5(6): 229-244.

Smit JWA. A representação da imagem. INFORMARE. Cadernos do Programa de Pós-Graduação em Ciência da Informação, Rio de Janeiro. 1996; 2(2): 28-36.

Lorenzo T, Cramm JM. Acess to livelihood assets among youth with and without disabilities in South Africa: Implications for health professional education. South African Medicine Journal, 2012; 102(6): 578-581.

Sattoe JN, Hilberink SR, van Staa A, Bal R. Lagging Behind or Not? Four Distinctive Social Participation Patterns Among Young Adults With Chronic Conditions. Journal of Adolescent Health. 2014; 54(4): 397-403.

Verhoof E, Maurice-Stam H, Heymans H, Grootenhuis M. Growing into disability benefits? Psychosocial course of life of young adults with a chronic somatic disease or disability. Acta Pediatrica, 2012; 101(1): 19–26.

American Occupational Therapy Association. Occupational Therapy Practice. Framework: Domain & Process. 2nd. The American Journal of Occupational Therapy. 2008; 63(6):625-688.

Organização Mundial da Saúde. Direção geral da saúde. Classificação internacional de funcionalidade, incapacidade e Saúde. Trad. Amélia Leitão. Lisboa: OMS, 2004.

Santos MP. Deficiência e Eficiência: Quem é o sujeito? In: Santos MP, Ferreira CAM; Ramos MIB. (Orgs.) Psicomotricidade: educação especial e inclusão social. Rio de janeiro: Wak editora; 2007. p. 17-26.

Organização Mundial da Saúde. The World Bank. Relatório Mundial sobre a Deficiência. Trad: Lexicus Serviços Linguísticos. São Paulo: SEDPcD. 2012.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto17791

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB