Dependência de Internet e o desempenho ocupacional de estudantes/Internet addiction and the occupational performance of students

Leonardo Lucas de Sousa, Nicolle Barros da Silva, Laiana Soeiro Ferreira, Elson Ferreira Costa

Resumo


Com o crescente avanço tecnológico, há que se atentar para o uso negativo da internet, o que pode ocasionar prejuízos nas diversas ocupações do ser humano. O objetivo deste estudo é analisar, na literatura científica, as principais repercussões que a dependência de internet pode causar no desempenho ocupacional de estudantes. E, identificar quais as principais ocupações que são afetadas pela dependência de internet no desempenho ocupacional de estudantes. Trata-se de uma revisão sistemática da literatura, a qual adotou o protocolo PRISMA. Os descritores usados para a busca foram: dependência de internet/internet addiction; ocupações/occupation e estudantes/students, através das bases de dados eletrônicas PubMed, Medline e Scielo. A amostra foi composta por 13 estudos. Os resultados indicaram que as ocupações participação social, educação, descanso e sono e trabalho foram as mais afetadas pela dependência de internet. O desempenho de tais ocupações pode ocorrer de forma negligenciada com intuito de aumento do tempo de permanência online. Ressalta-se a ausência de publicações construídas a partir da ótica do Terapeuta Ocupacional e com ênfase no ser humano como sujeito em essência ocupacional, o qual interage com seu ambiente de inserção a partir de suas ocupações.

 

Abstract

 

To the increasing technological advance, it is necessary to watch for the excessive use of the internet, this can generate damages in the occupations of the human being. The objective of this study is to analyze, in the scientific literature, the main repercussions that the internet addiction can cause in the occupational performance of students. And, identify which major occupations are affected by internet dependence on student occupational performance. It is an integrative literature review, which used PRISMA protocol. The descriptors used in the research were: dependência de internet/internet addiction; ocupações/occupation e estudantes/student, through the electronic databases PubMed/Medline and Scielo. The sample consisted of 13 studies. The results indicated that occupations social participation, education, rest and sleep and work were most affected by internet addiction. The performance of occupations can occur in a neglected way to increase online time. The absence of publications of occupational therapist and of the human being as occupational being, which interacts with its environment, from its occupations.

Keywords: Dependency; Students; Internet; Social Media; Occupational Therapy.


Palavras-chave


Dependência; Estudantes; Internet; Mídias Sociais; Terapia Ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Young K, Abreu CN. Dependência de internet – Manual e guia de avaliações e tratamento. 1. Ed. São Paulo: Artemed Editora; 2011.

Pirocca C. Dependência de internet, definição e tratamentos: revisão sistemática da literatura. [Monografia]. Porto Alegre. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS; 2012.

Torres-Trindade M. Jovens online: práticas parentais, conflitos familiars e dependência de internet. [Dissertação]. São Leopoldo. Universidade do Vale do Rio dos Sinos; 2014.

Picon F, Karam R, Breda V, Restano A, Silveira A, Spritzer D. Precisamos falar sobre tecnologia: caracterizando clinicamente os subtipos de dependência de tecnologia. Rev Bras de Psicot. 2015; 17(2):44-66.

Oliveira YC. Terapia Ocupacional em saúde mental: uma abordagem psicodinâmica. Rev do Centro de Ciências da Saúde. 1995; 9(8):40-46.

Rueda L. ¿Por qué uma ciencia de la ocupación? Rev Terap Ocup Galícia. 2007; (6):12.

Associação Americana de Terapia Ocupacional - Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo 3ª ed. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. São Paulo, 2015, 1-49.

Simões L, Gouveia L. Geração Net, Freitas E, Tuna S. Web 2.0 e ensino superior. 2. Ed. São Paulo: FTD editora; 2014.

Pontes H. A dependência à internet: fundamentação empírica, teórica e clínica: da psicologia e psicometria à ciber-psicologia. [Dissertação]. Lisboa, Portugal. Instituto Universitário de Ciências Psicológicas, Sociais e da Vida; 2013.

Young K. Caught in the net: How to recongize the signs of internet addiction and a winning strategy for recovery. Nova York, EUA; 1998.

Lemos IL, Diniz PR, Peres JF, SOUGEY P, Botelho E. Neuroimagem na dependência de jogos eletrônicos: uma revisão sistemática. Jornal Brasileiro de Psiquiatria.2014; 63(1):57-71.

Moher D, Liberati A, Tetzaff J, Altman D. Preferred Reporting Items for Systematic Reviews and Meta-Analyses: The PRISMA Statement. The PRISMA Group. Traduzido por: Taís Freire Galvão e Thais de Souza Andrade Pansani. Rev Epidemil Serv Saúde. 2015; 24(2).

Azevedo RS. Sobrecarga do cuidador informal da pessoa idosa frágil: uma revisão sistemática. [Dissertação]. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG; 2010.

Ferraro G, Caci B, D’amico A, Blasi MDI. Internet Addiction disorder: an italian study. Journal cyberpsychlogy & behavior. 2007; 10(2):170-175.

Abreu CN, Karan RG, Góes DS, Spritzer DT. Dependência de Internet e de jogos eletrônicos: uma revisão. Rev Bras. de Psiq. 2008; 30 (2):156-167.

Tornioni F, Alessandris L, Lai C, Martinelli D, Covino S, Versale M, et al. Internet addiction: hours spent online, behaviors and psychological symptoms. General Hospital Psychiatry. 2012; 32:80-87.

Conti MA, Jardim AP, Hearts N, Cordás TA, Tavares H, Abreu CND. Avaliação da equivalência semântica e consistência interna de uma versão em português do Internet Addiction Test (IAT). Ver Psiq Clín. 2012; 39 (3):106-10.

Gencer SL, KOC M. Internet abuse among and its relations to internet usage patterns and demographics. Journal of Ed Tech & Soc. 2012; 15(2):25-36.

Kalkan M. Predictiveness of interpersonal cognitive distortions on university students & problematic Internet use. Journal Children and Youth Services Review. 2012; 34:1305-1308.

Dalbudak E, Evren C, Topcu M, Aldemir S, Coskun KS, Bozkurt M, et al. Relationshop of internet addiction with impulsivity and severity of psychopathology among Turkish university students. Ver Psy Res. 2013; 210:1086-1091.

Pejmankhah S, Karamzaie T. Evaluation level of internet addiction among nursing and midwifery students in iran. Advances in Enviromental Biology. 6(8):1601-1606.

Bozoglan B, Demirer V, Sahin I. Problematic internet use: functions of use, cognitive absorption and depression. Journal of cyber therapy & rehab. 2014; 37:117-123.

Lam L. Risk Factors of Internet Addiction and the Health Effect of Internet Addiction on Adolescents: A Systematic Review of Longitudinal and Prospective Studies. Journal Topical Collection on Psychiatry in the Digital. 16:508-517.

Zhou Y, Li D, Li X, Wang Y, Zhao L. Big five personality and adolescent Internet addiction: The mediating role of coping style. Rev Addictive Behaviors. 2017; 64:42-48.

Ferreira C, Ferreira H, Vieira M, Costeira M, Branco L, Dias A, Macedo L. Epidemiologia do uso de internet numa população adolescente e sua relação com hábitos de sono. Ver. Cient. da Ordem dos Médicos de Portugal. 2017. n. 7-8, v. 30, p. 524-533.

Servidio R. Assessing the psychometric properties of the internet addiction test: a study on a sample of italian university students. Computers in human behavior. 2017; 68:17-29.

Wright J, Whight A, Salmon P, Beck A, Kuykendall J, Goldsmith J, et al. Development and

Initial Testing of a Multimedia Program for Computer-assisted Cognitive Therapy. American Journal of Psychotherapy. 2002; 1(56):76-86.

Martinelli S. A importância de atividades de lazer na Terapia Ocupacional. Cad. de Ter. Ocup. Da Univ. Fed. São Carlos. 2011. v. 19, n. 01, p. 111-118.

Souza M, Helal D, Paiva K. Bournout e jovens trabalhadores. Rev. Cad. de Terapia Ocupacional da UFSCAR. 2017. n. 04, v. 25, p. 751-763.

Lussi IAO, Ricci TE, Pinho RJ. Percepções sobre trabalho: análise de concepções de pessoas em situação de rua. Rev Cad de Terap Ocup da UFSCar. 2017; 4(25):779-793.

Rodrigues AZ, Costa JB. As tecnologias de informação e comunicação na era da informação. In: Anais Seminário Nacional de Sociologia da UFS, 2016; Sergipe. Sergipe: 2016. p. 640-657.

De Carlo M, Bartalotti C. Terapia Ocupacional no Brasil. 2001. São Paulo.

Ide MG, Yamamoto BT, Silva CCB. Identificando possibilidades de atuação da Terapia Ocupacional na inclusão escolar. Rev de Terap Ocup da UFSCar. 2011; 19(03):323-332.

Martinez D. Como vai seu sono?. 1. ed. Porto Alegre: AGE Editora; 2000.

Furlani R, Ceolim MF. Padrões de sono de estudantes ingressantes na graduação em Enfermagem. Ver Bra Enferm. 2005; 58(03):320-324.

Almeida JOS, Siqueira PPS, Lima AMJ, Brasileiro-Santos MS, Filho VCG. Sonolência diurna e qualidade do sono em estudantes universitários de fisioterapia. Rev ConScientia Saúde. 2011; 10 (4):201-209.

Müller M, Guimarães SS. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Rev Estudos de Psicologia. 2007; 4(24):519-528.

Oliveira BLC, Filha MOF, Monteiro CH, Monteiro RVP, Cunha CLF. Estresse entre graduandos de enfermagem de uma universidade pública federal: um estudo epidemiológico. Journal of Menagement & Primary Health Care. 2012; 03(2).

Costa VCA, Oliveira AO. Estudo comparativo dos indicadores de sintomas de estresse e ansiedade entre estudantes entrantes e concluintes do curso de psicologia. In: Anais SIMPAC – Univiçosa, 2012; 4(1):457-465.

Sarriera JC, Tatimb D, Coelho RS, Bückerc J. Uso do Tempo Livre por Adolescentes de Classe Popular. Rev Psicologia: Reflexão e Crítica. 2007; 3(20):361-367.

Benetton J. O encontro do cotidiano na Terapia Ocupacional para a construção de significados. Rev Ceto. 2010; 12. 2012.

Martins S, Gotijo D. Tempo de engajamento nas áreas de ocupação de adolescentes inseridos em escola pública. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2011. v. 22, n. 2, p. 162-171, maio/ago.

Baturay M, Toker S. An investigation of the impact of demographics on cyberloafing from an educational setting angle. Computers in human behavior journal. 2015.

Chen J, Chen H, Yang H. Industrial management e data systems an empirical evaluation of kay factors contributing to internet abuse in the workplace. Emerald insight. 2015.

Lee Y, Han D, Kim S, Renshaw P. Substance abuse precedes internet addiction. Acction Behav. 2013. n. 04, v. 38, p. 2022-25.

Cantelmi T, Massimo T. Trapped in web: The psychopathology of cyberspace. Journal of Cyber therapy & rehabilitation. 2009; 2 (4):337-350.

Weinstein A, Lejoyeux M. New Developments on the Neurobiological and Pharmaco‐Genetic Mechanisms Underlying Internet and Videogame Addiction. The American Journal on Addictions. 2013; 20:1-9.

Ferigato, SH, Silva, CR. Terapia Ocupacional e Cibercultura. Anais do XIV Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional/2015. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. Rio de Janeiro; ATOERJ, 2016; 518.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB