Riscos de adoecimento e qualidade de vida de profissionais atuantes na área de reabilitação de um hospital escola no interior do Rio Grande do Sul /Quality of life of professionals working in the area of rehabilitation of a school hospital in the interior of Rio Grande do Sul state

Mariana Couto Lopes, Miriam Cabrera Corvelo Delboni, Mithielle Araújo Machado, Aline Sarturi Ponte

Resumo


Introdução: O trabalho é uma das atividades que compõem o cotidiano das pessoas, sendo assim, este conceito mantém uma relação com as discussões sobre processo saúde-doença e a qualidade de vida dos trabalhadores. Objetivo: Mensurar a qualidade de vida e riscos de adoecimento que podem incidir sobre fisioterapeutas, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais de um Hospital Escola do interior do Rio Grande do Sul. Método: Este estudo caracteriza-se como quantitativo, descritivo, utilizou-se o WHOQOL-bref e um questionário sociodemográfico como instrumentos para a coleta de dados. Resultados: O Hospital Escola conta com 38 fisioterapeutas, 11 fonoaudiólogos e três terapeutas ocupacionais, totalizando 52 profissionais da área da reabilitação, mas deste total aceitaram participar do estudo 24 profissionais, sendo 18 (75%) fisioterapeutas, quatro (16,6%) fonoaudiólogos e dois (8,4%) terapeutas ocupacionais. Observou-se a prevalência de profissionais do sexo feminino (22 [91,6%]), a média de idade foi de 34,1 anos, a maioria dos participantes eram celetistas (23 [95,8%]). Quanto aos afastamentos do trabalho, 10 (41,6%) se afastaram; 10 (41,6%) sofreram acidentes de trabalho; e 13 (54,1%) apresentaram algum tipo de doença osteomuscular. Quanto à qualidade de vida, a média do escore final do WHOQOL-bref foi de 70,2, sendo que os domínios físicos (60,2) e ambientais (67,5) apresentaram as médias mais baixas. Considerações Finais: Pode-se compreender as condições de saúde e trabalho de profissionais da área da reabilitação, bem como, a interferência destes na qualidade de vida dos profissionais.

 

Abstract

Introduction: Work is one of the activities that make up people's daily lives, thus, this concept maintains a relationship with discussions on the health-disease process and the quality of life of workers. Objective: To measure the quality of life and risks of illness that may affect physiotherapists, speech therapists and occupational therapists of a School Hospital in a municipality in the state of Rio Grande do Sul. Method: This study is characterized as quantitative, descriptive, the WHOQOL-bref and a sociodemographic questionnaire were used as instruments for data collection. Results: School Hospital has 38 physiotherapists, 11 speech therapists and three occupational therapists, totaling 52 professionals in the area of rehabilitation, but of this total they agreed to participate in the study 24 professionals, 18 (75%) physiotherapists, four (16.6%) speech therapists and two (8.4%) occupational therapists. It was observed the prevalence of female professionals (22 [91.6%]), the mean age was 34.1 years, the majority of participants were regulated by the CLT (23 [95.8%]). As for absence from work, 10 (41.6%) were away; 10 (41.6%) suffered work accidents; and 13 (54.1%) had some type of musculoskeletal disease. Regarding quality of life, the mean of the WHOQOL-bref final score was 70.2, and the physical (60.2) and environmental (67.5) domains presented the lowest means. Final Considerations: It is possible to understand the health and work conditions of rehabilitation professionals, as well as their interference in the quality of life of professionals.

Keywords: Physical Therapy, Occupational Therapy, Speech Therapy, Quality of Life, Occupationa Health.

Resumen

Introducción: El trabajo es una de las actividades que conforman la vida cotidiana de las personas, por lo tanto, este concepto mantiene una relación con las discusiones sobre el proceso salud-enfermedad y la calidad de vida de los trabajadores. Objetivo: Medir la calidad de vida y los riesgos de enfermedad que pueden afectar a los fisioterapeutas, logopedas y terapeutas ocupacionales de un Hospital Escuela del interior de Rio Grande do Sul. Método: Se caracteriza por ser cuantitativo, descriptivo, se utilizaron como instrumentos de recolección de datos el cuestionario WHOQOL-bref y un cuestionario sociodemográfico. Resultados: El Hospital Escola cuenta con 38 fisioterapeutas, 11 logopedas y tres terapeutas ocupacionales, totalizando 52 profesionales en el área de rehabilitación, pero de este total aceptaron participar en el estudio 24 profesionales, 18 (75%) fisioterapeutas, cuatro (16,6%) logopedas y dos (8,4%) terapeutas ocupacionales. Se observó la prevalencia de mujeres profesionales (22[91,6%]), la edad media fue de 34,1 años, la mayoría de los participantes fueron celetistas (23[95,8%]). En cuanto a la ausencia del trabajo, 10 (41,6%) estuvieron ausentes; 10 (41,6%) sufrieron accidentes de trabajo; y 13 (54,1%) tuvieron algún tipo de enfermedad musculoesquelética. En cuanto a la calidad de vida, la media de la puntuación final del WHOQOL-bref fue de 70,2, y los dominios físicos (60,2) y ambiental (67,5) presentaron las medias más bajas. Consideraciones finales: Es posible entender las condiciones de salud y de trabajo de los profesionales de la rehabilitación, así como su interferencia en la calidad de vida de los profesionales.

Palabras clave: Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Fonoaudiología, Calidad de Vida, Salud del Trabajador.

 

 


Palavras-chave


Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Fonoaudiologia, Qualidade de Vida, Saúde do Trabalhador.

Texto completo:

PDF

Referências


Oliveira ALA; Gonçalves MA. Breves Considerações Sobre a Centralidade do Trabalho e sua Importância no Contexto Atual de Mundialização da Crise Estrutural do Capital. Revista Pegada. 2013; 14(2):25-48.

Tolfo SR; Piccinini V. Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicologia & Sociedade. 2007; 19(n. esp.):38-46.

Ribeiro CV; Léda, DB. O significado do trabalho em tempos de reestruturação produtiva. Estudos e Pesquisas em Psicologia. 2004; 4(2):76-83.

Fernandes MA; Marziale MH. Riscos ocupacionais e adoecimento de trabalhadores em saúde mental. Acta Paul Enferm. 2014; 27(6):539-47.

Barros VA; Carreteiro AP. Clínicas do Trabalho: contribuições da psicossociologia no Brasil. In: Bendassolli PF; Soboll LA. (orgs.). Clínicas do trabalho: novas perspectivas para compreensão do trabalho na atualidade. São Paulo: Atlas, 2011. p. 208-226.

Organização Mundial da Saúde – OMS. Constituição da Organização Mundial da Saúde. 1946. Disponível em: http://www.direitoshumanos.usp.br/index.php/OMS-Organiza%C3%A7%C3%A3o-Mundial-da-Sa%C3%BAde/constituicao-da-organizacao-mundial-da-saude-omswho.html. Acessado em 26 jun. 2018.

Oliveira MJI; Santos EE. A relação entre os determinantes sociais da saúde e a questão social. Caderno Saúde e Desenvolvimento, Curitiba. 2013; 2(2):7-24.

Pereira EF; Teixeira CF; Dos Santos A. Qualidade de vida: abordagens, conceitos e avaliação. Rev. bras. Educ. Fís. Esporte. 2012; 26(2):241-50.

World Health Organization Instrument to Evaluate Quality of Life Group. Development of the WHOQOL: Rationale and current status. International Journalof Mental Health. 1994; 23(3):24-56.

Ribeiro GO, et al. Insalubridade em fonoaudiologia: breve revisão. Rev. CEFAC. 2017; 19(4):451-4.

Silva CB. et al. Sintomas Osteomusculares em Fisioterapeutas e Enfermeiros no Ambiente Hospitalar. Revista Pesquisa em Fisioterapia. Salvador. 2014; 3(24):174-82.

Silva GJP.; et al. Danos à saúde relacionados ao trabalho de fisioterapeutas que atuam em terapia intensiva. ASSOBRAFIR Ciência. 2016; 7(2):31-44.

Braga MCP; et. al. Qualidade de vida medida pelo WHOQOL-BREF: estudo com idosos residentes em Juiz de Fora/MG. Rev. APS. 2011; 14(1):93-100.

Fleck MPA. Programa de saúde mental: organização mundial da saúde de Genebra. Coordenação do Grupo WHOQOL no Brasil, Porto Alegre – RS, 2000.

Wittmann-Vieira R; Goldim JR. Bioética e Cuidados Paliativos: tomada de decisões e qualidade de vida. Acta Paul Enferm. 2012; 25(3):334-9.

Santos CE; Leite MMJ. O Perfil do aluno ingressante em uma universidade particular da cidade de São Paulo. Rev. Brasileira Enfermagem. 2006; 59(2):154-9.

Haddad AE. et al. Formação de profissionais de saúde no brasil: uma análise de 1991 a 2008. Rev. Saúde Pública. 2009; 44(3):383-93.

Souza CA; Wittkopf PG; Thofehen C. Saúde do trabalhador: cuidados da saúde ocupacional dos servidores da área hospitalar. HU Revista. 2012; 37(3):325-9.

Pretto ADB; Pastore CA; Assuncao MCF. Comportamentos relacionados à saúde entre profissionais de ambulatórios do Sistema Único de Saúde no município de Pelotas-RS. Epidemiol. Serv. Saúde. 2014; 23(4):635-644.

Monteiro JK, et al. Adoecimento Psíquico de Trabalhadores de Unidades de Terapia Intensiva. Psicol. cienc. prof. 2013; 33(2):366-379.

Lelis CM, et al. Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho em profissionais de Enfermagem: revisão integrativa da literatura. Acta Paul Enferm. 2012; 25(3):477-82.

Andrade KO; Andrade PO; Leite LF. Qualidade de Vida dos Trabalhadores da Área de Saúde: Revisão De Literatura. Revista Científica do ITPAC. 2015; 8(1):1-5.

Ferrigolo JP; Fedosse E; Filha VAV. S. Qualidade de vida de profissionais da saúde pública. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2016; 24(3):497-507.

Junqueira T. Trabalho, saúde e Terapia Ocupacional: uma abordagem sistêmica. Anais do 4º Congresso Brasileiro de Sistemas do Centro Universitário de Franca, 2008. Disponível em: http://legacy.unifacef.com.br/quartocbs/artigos/H/H_115.pdf. Acessado em: 25 de jun. 2018.

Mauro MYC, et al. Riscos ocupacionais em saúde. Rev. Enfermagem UERJ. 2004; 12(3):338-45.

Watanabe M; Nicolau SM. A Terapia Ocupacional na interface da saúde e do trabalho. In: De Carlo MMR; Bartalotti CC. (Org.). Terapia Ocupacional no Brasil: fundamentos e perspectivas. São Paulo: Plexus, 2001. p. 155-172.

Silva FMN; Vendrúsculo-Fangel LM; Rodrigues DS. A Terapia Ocupacional e a saúde do trabalhador: panorama de produção bibliográfica. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2016; 24(2):351-61.

Lancman S; Ghirardi MI. G. Pensando novas práticas em terapia ocupacional, saúde e trabalho. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2002;13(2):44-50.

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – COFFITO. Resolução nº 459, de 20 de novembro de 2015. Disponível em: https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=3220. Acessado em 21 de ago. 2019.

Lancman, S. et al. Informar e refletir: uma experiência de terapia ocupacional na prevenção de riscos à saúde do trabalhador. Rev. Ter. Ocup. Univ. São Paulo. 2004; 14(1): 1-9.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto25586

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB