Investigação sobre barreiras ao uso da tecnologia assistiva na prática do esporte paralímpico/ Investigation about barriers to use of assistive technology in paralympic sports practices

Dienne da Costa Zacarias, Ana Cristina de Jesus Alves

Resumo


Introdução: As pessoas com deficiência podem possuir limitações para realização de atividades cotidianas, atividades de lazer e participação social. A tecnologia assistiva (TA) tem como propósito minimizar as limitações funcionais e promover a funcionalidade e autonomia de seus usuários. A TA pode estar presente na vida da pessoa com deficiência inclusive nas atividades de lazer e na prática esportiva. O objetivo dessa pesquisa foi identificar as barreiras relacionadas à satisfação dos atletas com o uso de tecnologia assistiva no paraesporte. Método: Trata-se de estudo de caso com abordagem qualitativa, com 2 paratletas que praticavam vela, halterofilismo e tiro com arco. Como critério de seleção dos participantes teve-se a detecção de baixos escores de satisfação com a tecnologia assistiva utilizada e a coleta de dados foi a partir de entrevista semiestruturada, analisadas por meio da “Análise de Conteúdo” de Bardin. Resultados e Discussão: Foram criadas 3 categorias de discurso relacionadas aos fatores ambientais como: pouco acesso e conhecimento sobre tecnologia assistiva; políticas públicas relacionadas e barreiras arquitetônicas e, os fatores ligados ao dispositivo como: não receber orientações e acompanhamento adequados. Tais fatores podem ter contribuído para a insatisfação. Os fatores psicossociais se mostraram elementos favoráveis ao uso do dispositivo no paraesporte como a promoção da autonomia, da prática do esporte e da socialização.

Palavras Chave: Equipamentos de autoajuda, Terapia Ocupacional, Pessoas com Deficiência; Psicologia do esporte, Participação Social

Abstract

Introduction: People with disabilities may have limitations for carrying out daily activities, leisure activities and social participation. Assistive Technology (TA) aims to minimize functional limitations and increase the functionality and autonomy of its users. AT can be present in the life of the person with disabilities, including leisure and sports activities. The objective of this research was to identify the factors that may be associated to the low satisfaction with the use of the assistive technology device in the Paralympic sports practices. Method: A case report with a qualitative approach with 2 parathletes who practiced sailing, weightlifting and archery. The selection was made based on the low satisfaction scores with the assistive technology, and data collection was done from the semi-structured interview, analyzed through the Bardin Content Analysis. Results and Discussion: Three categories of discourse were created related environmental factors such as poor access and knowledge about assistive technology, public policies related to it and architectural barriers and, the factors related to the device such as: not receiving adequate guidance and follow up may have contributed to dissatisfaction. The psychosocial factors were positive elements to the use of the device in the sport as the promotion of the autonomy, the practice of the sport and the socialization.

Keywords: Self-Help Devices, Occupational Therapy, Disabled Persons; Psychology Sports, Social Participation

Resumen

Introducción: Las personas con discapacidad pueden tener limitaciones para realizar actividades diarias, actividades de ocio y participación social. La tecnología de asistencia (TA) tiene como objetivo minimizar las limitaciones funcionales y promover la funcionalidad y la autonomía de sus usuarios. AT puede estar presente en la vida de la persona con discapacidad, incluidas las actividades deportivas y de ocio. El objetivo de esta investigación fue identificar las barreras relacionadas con la satisfacción de los atletas con el uso del dispositivo de autoayuda en para-deportes. Método: Este es un estudio de caso con un enfoque cualitativo, con 2 paratletas que practicaban vela, levantamiento de pesas y tiro con arco. La selección se realizó en base a puntajes de baja satisfacción con tecnología de asistencia y recolección de datos de la entrevista semiestructurada, analizada mediante el Análisis de contenido de Bardin. Resultados y discusión: Se crearon tres categorías de discurso relacionadas con factores ambientales, tales como: poco acceso y conocimiento sobre tecnología de asistencia, políticas públicas relacionadas y barreras arquitectónicas, y factores relacionados con el dispositivo, tales como: no recibir orientación y monitoreo adecuados, pueden haber contribuido a insatisfacción. Los factores psicosociales demostraron ser elementos favorables para el uso del dispositivo en para-deportes, como la promoción de la autonomía, la práctica del deporte y la socialización.

Palabras clave: Dispositivos de Autoayuda, terapia ocupacional, personas con discapacidad, Psicología del Deporte, Participación social


Palavras-chave


Tecnologia Assistiva, Terapia Ocupacional, Pessoas com Deficiência; Psicologia do ESporte, Participação Social.

Texto completo:

PDF

Referências


Nubila HBV. Uma introdução à CIF-Classificação Internacional de Funcionalidade, Incapacidade e Saúde. Rev. Bras. Saúde Ocup. 2010; 35(121):122-123.

Brasil. Lei nº. 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). [Internet] Brasília, DF, 6 jul. 2015.[acesso em

nov 2016] Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm.

Medola FO; Busto RM; Marçal AF; Junior AA; Dourado AC. O esporte na qualidade de vida de indivíduos com lesão da medula espinhal: série de casos. Rev. Bras. Med. Esporte. São Paulo

Jul-Ago. 2011; 17(4): 254-256.

Brasil. Tecnologia Assistiva: Comitê de Ajudas Técnicas; Comitê de Ajudas Técnicas: 2009. Disponível em:

dehttp://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/publicacoes/livro-tecnologiaassistiva.pdf.

Costa e Silva AA; Marques RFR; Pena LGS; Molchasnky S; Borges M; Campos LFCC; Gorla JI. Esporte adaptado: abordagem sobre os fatores que influenciam a prática do esporte coletivo em

cadeira de rodas. Rev Bras Educ Fis Esporte. Apr 16. 2013; 27(4): 679-687.

Scherer MJ; Federici S. Why people use and don’t use technologies: Introduction to the special issue on assistive technologies for cognition/cognitive support technologies. NeuroRehabilitation.

; 37(3): 315-319.

Alves ACJ. Avaliação de Tecnologia Assistiva Predisposição ao uso ATD PA Br versão brasileira. Brasília: Editora Universidade de Brasília: 2017. Disponível em:

http://repositorio.unb.br/bitstream/10482/31065/1/RELATORIO_Avaliacaodetecnologiaassistiva

ATDPA.pdf.

Gailey RS; Cooper RA. Sports – medicine for the disabled. The time for specialization in prosthetics and orthotics is now. Prosthetics and Orthotics International. Sep. 2009; 33(3): 187-191.

Freitas WRS; Jabbour CJC. Utilizando estudo de caso(s) como estratégia de pesquisa qualitativa:boas práticas e sugestões. Estudo & debate, Lajeado. 2011; 18(2): 07-22.

Centro de Treinamento de Educação Física Especial [CETEFE] (2017). Brasília: Associação de Centro de Treinamento de Educação Física Especial. Disponível em: http://www.cetefe.org.

Carvalho KEC; Junior GMB; Sá KN. Tradução e validação do Quebec user evaluation of satisfaction with assistive technology (QUEST 2.0) para o idioma português do Brasil. Rev Bras

Reumatol. 2014; 54(4): 260-267.

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2009.

Scherer MJ; Sax C; Vanbiervliet A; Cushman LA; Scherer JV. Predictors of assistive technology use: The importance of personal and psychosocial factors. Disabil Rehabi. 2005; 27 (21): 1321-

Yeung KT; Lin CH; Teng YL; Chen FF; Lou SZ; Chen CL. Use of and self-perceived need for assistive devices in individuals with disabilities in Taiwan. PLoS ONE. 2016; 11(3): e0152707.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência. Brasília: Editora do Ministério da Saúde, 2010.

Brasil, Ministério da Saúde, Portaria nº 793, de 24 de abril de 2012, Rede de Cuidados à Pessoa com Deficiência no âmbito do Sistema Único de Saúde. 2012. Disponivel em:

http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2012/prt0793_24_04_2012.html

Brasil, Departamento de Gestão e Incorporação de Tecnologias em Saúde da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos [DGITS/SCTIE]. Brasília: Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no SUS (CONITEC) - Relatório n° 52: 2013. Disponivel em:

http://conitec.gov.br/images/Incorporados/Implantes_Cocleares-FINAL.pdf

Brasil, Presidência da República. Casa Civil. Lei nº10. 891, de 9 de julho de 2004. Brasília: Subchefia para Assuntos Jurídicos: 2004. Disponível em:

http://www.cpb.org.br/documents/20181/32403/Lei+n%C2%BA+10.891+de+09+de+Julho+de

+2004+%E2%80%93+Institui+a+Bolsa+Atleta/c8d020c6-3e8c-4964-9b00-cd52e8960441

Brasil, Presidência da República. Casa Civil. Lei no 10.098 de 19 de dezembro de Brasília:Subchefia para Assuntos Jurídicos: 2000. Retirado de http://www.planalto.gov.br/CCIVIL_03/Leis/L10098.htm.

Medola FO; Elui VMC; Santana CS. A lesão medular e o esporte adaptado em cadeira de rodas. Revista Digital - Buenos Aires. 2010;15(43).

Moraes GFG; Candido CRC; Faquin BS; Gorgatti T; Marques I; Okazaki VHA. O efeito da prescrição de cadeira de rodas de basquetebol sobre o desempenho esportivo. Rev Bras Ciênc

Esporte. 2011; 33(4): 991-1006.

Costa VSP; Melo MRAC; Garanhani ML; Fujisawa DS. Representações sociais da cadeira de rodas para a pessoa com lesão da medula espinhal. Rev Latino-Ame Enfer. 2010; 18(4): 1-8.

Alves ACJ; Matsukura TS. Modelos teóricos para indicação e implementação de Tecnologia Assistiva. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2016; 24 (3): 591-599.

Alves ACJ; Matsukura TS. Revisão sobre avaliações para indicação. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2014; 25(2):199-207.

Alves ACJ, Martins EF. Confiabilidade da Avaliação de Tecnologia Assistiva. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2018; 29(2):144-54.

Conselho Federal de Fisioterapia e Terapia Ocupacional – COFFITO. Resolução nº 495, de 18 de dezembro de 2017 – Disciplina a Atuação Profissional da Terapia Ocupacional no Desporto e Paradesporto e dá outras providências. Disponível em:

https://www.coffito.gov.br/nsite/?p=8781.

Campana MB; Gorla JI; Duarte E; Scaglia AJ; Tavares MCGCF; Barros JF. Rugby em Cadeira de Rodas: aspectos técnicos e táticos e diretrizes para seu desenvolvimento. Motriz: rev. educ. fis.

;17(4): 748-757.

Martin JK; Martin LG; Stumbo NJ. The impact of consumer involvement on satisfaction with and use of assistive technology. Disabil Rehabil Assist Technol. 2011; 6(3): 225-242.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto34301

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB