Adesão ao tratamento e rotina ocupacional de pacientes com hipertensão arterial atendidos em uma unidade básica de saúde em Belém – Pará / Adherence to the treatment and occupational routine of patients with arterial hypertension care in a basic health unit in Belém – Pará

Karoline Vitória Silva Rodrigues, Enise Cássia Abdo Najjar, Yarima Silva Gomes de Castro

Resumo


Introdução: Estima-se que a adesão ao tratamento da Hipertensão Arterial Sistêmica em todo o mundo seja em torno de 8% a 50%. O terapeuta ocupacional busca analisar a rotina ocupacional do sujeito a fim de favorecer a adaptação às mudanças necessárias para a manutenção adequada do tratamento de saúde.  Objetivo: Identificar a adesão ao tratamento e a rotina ocupacional relatada por indivíduos com Hipertensão Arterial Sistêmica atendidos em uma Unidade Básica de Saúde em Belém/PA. Método: Pesquisa descritiva, transversal, com abordagem quanti-qualitativa, realizada com 47 indivíduos hipertensos cadastrados no programa HIPERDIA. Realizou-se a coleta dos dados de identificação, fatores de risco cardiovasculares, adesão ao tratamento e rotina ocupacional. Resultados/Discussão: Todos os indivíduos apresentaram pelo menos um fator de risco cardiovascular. Os níveis de adesão ao tratamento encontraram-se entre médios (42,5%) e altos (44,7%). Entretanto, grande parte relatou dificuldades na adesão aos cuidados relacionados à alimentação (66%), prática de atividade física (61,7%) e controle de estresse (59,6%). Sobre a rotina ocupacional, 72,3% relataram não se sentir sobrecarregados de atividades e 53,2% relataram que a rotina interfere na adesão aos cuidados em saúde. Conclusão: O estudo fomenta a discussão acerca da relação condicionante entre adesão ao tratamento de uma doença crônica e rotina ocupacional. Aponta para a necessidade do desenvolvimento de programas terapêuticos ocupacionais junto a indivíduos com doenças crônicas e para a importância do terapeuta ocupacional na equipe da Atenção Primária à Saúde.

Palavras-Chave: Hipertensão Arterial. Cooperação do Paciente. Terapia Ocupacional.

 

Abstract

Introduction: It is estimated that adherence to the treatment of Systemic Arterial Hypertension worldwide is around 8% to 50%. The occupational therapist seeks to analyze the subject's occupational routine in order to favor the adaptation to the changes necessary for the proper maintenance of health treatment. Objective: To identify treatment adherence and the occupational routine reported by individuals with Systemic Arterial Hypertension treated at a Basic Health Unit in Belém/PA. Method: This is a descriptive, cross-sectional study with a quantitative and qualitative approach, carried out with 47 hipertensive individuals registered in the HIPERDIA program. Identification data, cardiovascular risk factors, treatment adherence and occupational routine were collected. Results/Discussion: All individuals had at least one cardiovascular risk factor. The levels of treatment adherence were found to be medium (42.5%) and high (44.7%). However, most of them reported difficulties in adhering to care related to food (66%), physical activity (61.7%) and stress control (59.6%). Regarding the occupational routine, 72.3% reported not feeling overwhelmed with activities and 53.2% reported that the routine interferes with adherence to health care. Conclusion: The study encourages discussion about the conditioning relationship between adherence to the treatment of a chronic disease and occupational routine. It points to the need to develop occupational therapeutic programs with individuals with chronic diseases and the importance of the occupational therapist in the Primary Health Care team.

Keywords: Hypertension. Patient Cooperation. Occupational therapy.

 

Resumen

Introducción: Se estima que la adherencia al tratamiento de la hipertensión arterial sistémica en todo el mundo es de alrededor del 8% al 50%. El terapeuta ocupacional busca analizar la rutina ocupacional del sujeto para favorecer la adaptación a los cambios necesarios para el mantenimiento adecuado del tratamiento de la salud. Objetivo: Identificar la adherencia al tratamiento y la rutina ocupacional informada por individuos con hipertensión arterial sistémica tratados en una Unidad Básica de Salud en Belém/PA. Método: Estudio descriptivo, transversal, con enfoque cuantitativo y cualitativo, realizado con 47 individuos hipertensos registrados en el programa HIPERDIA. Se recopilaron datos de identificación, factores de riesgo cardiovascular, adherencia al tratamiento y rutina ocupacional. Resultados/Discusión: Todos los individuos tenían al menos un factor de riesgo cardiovascular. Se encontró que los niveles de adherencia al tratamiento eran medios (42.5%) y altos (44.7%). Sin embargo, la mayoría de ellos informaron dificultades para cumplir con la atención relacionada con los alimentos (66%), la actividad física (61.7%) y el control del estrés (59.6%). Con respecto a la rutina ocupacional, el 72.3% informó no sentirse abrumado con las actividades y el 53.2% informó que la rutina interfiere con el cumplimiento de la atención médica. Conclusión: El estudio fomenta la discusión sobre la relación de condicionamiento entre la adherencia al tratamiento de una enfermedad crónica y una rutina ocupacional. Señala la necesidad de desarrollar programas terapéuticos ocupacionales con individuos con enfermedades crónicas y la importancia del terapeuta ocupacional en el equipo de Atención Primaria de Salud.

Palabras clave: Hipertensión. Cooperación con el paciente. Terapia ocupacional.


Palavras-chave


Hipertensão Arterial; Cooperação do Paciente; Terapia Ocupacional

Texto completo:

PDF

Referências


American Occupational Therapy Association [AOTA]. (2014). The role of occupational therapy in primary care. American Journal of Occupational Therapy. 68, 25–33.

American Heart Association. American Stroke Association. (2017) Heart disease and stroke statistics 2017 At-a-Glance. Recuperado em 25 dezembro, 2018, de https://healthmetrics.heart.org/wp-content/uploads/2017/06/Heart-Disease-and-Stroke-Statistics-2017-ucm_491265.pdf.

Aragão, E. I. S, Portugal, F. B, Campos, M. R., Lopes, C. S., & Fortes, S. L. C. L. (2017). Distintos padrões de apoio social percebido e sua associação com doenças físicas (hipertensão, diabetes) ou mentais no contexto da atenção primária. Ciência & Saúde Coletiva. 23(7), 2367-2374.

Assis, L. C., Simões, M. O. S., & Cavalcanti, A. L. (2012). Políticas públicas para monitoramento de hipertensos e diabéticos na atenção básica, Brasil. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde. 14(2), 65-70.

Bardin, L. (2011). Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Barreto, M. S., & Marcon, S. S. (2014). Participação familiar no tratamento da Hipertensão Arterial na perspectiva do doente. Texto Contexto Enfermagem. Florianópoles. 23(1), 38-46.

Beigi, M. A. B., Zibaeenezhada, M. J., Aghasadeghi, K., Jokar, A., Shekarforoush, S., & Khazraei, H. (2014). The effect of educational programs on hypertension managment. International Cardiovascular Research Journal. 8(4), 94-98.

Bezerra, A. S. M., Lopes, J. L., & Barros, A. L. B. L. (2014) Adesão de pacientes hipertensos ao tratamento medicamentoso. Revista Brasileira de Enfermagem. 67(4), 550-55.

Cesarino, E. J., Sigoli, P. B. O., Lourenço, V. C., Cesarino, F. T., & Andrade, R. C. G. (2017). Fatores influentes na adesão ao tratamento anti-hipertensivo em pacientes hipertensos. Arquivos de Ciências da Saúde. 24(1), 110-115.

Feijó, A. L. (2016). Implantação do programa HIPERDIA na comunidade da Unidade Básica de Saúde José Medeiros de Matriz de Camaragibe – Alagoas. Trabalho de Conclusão de Curso, Universidade Federal de Minas Gerais, Pampulha, BH, Brasil.

Gewehr, D. M., Bandeira, V. A. C., Gelatti, G. T., Colet, C. F., & Oliveira, K. R. (2018). Adesão ao tratamento farmacológico da Hipertensão Arterial na Atenção Primária à Saúde. Saúde em Debate. 42(16), 179-190.

Houtum, L. V., Rijken, M., & Groenwegen, P. (2015). Do everyday problems of people with chronic illness interfere with their disease management. BMC Public Health. 15, 1-9.

Lindemann, I. L., Oliveira, R. R., Mendoza-Sassi, R. A. (2016). Dificuldades para alimentação saudável entre usuários da atenção básica em saúde e fatores associados. Ciência & Saúde Coletiva. 21(2), 599-610.

Lopez-Benavente, Y., Arnau-Sánchez, J., Lidón-Cerezuela, M. B., Serran-Nogueira, A., & Medina-Abellán, M. D. (2018). Dificuldades e motivação para o exercício físico em mulheres idosas. Um estudo qualitativo. Rev Latino-Americana de Enfermagem. 26, e2989.

Malta, D. C., Bernal, R. T. I., Andrade, S. S. C. A., Silva, M. M. A., & Velasquez-Melendez, G. (2017). Prevalência e fatores associados com Hipertensão Arterial autorreferida em adultos brasileiros. Revista de Saúde Pública. 51, 1s-11s.

Mazzuchello, F. R., Tuon, L., Simões, P. W., Mazon, J., Dagostin, V. S., Tomasi, C. D., Hoepers, N., Birolo, I. V. B., & Ceretta, L. B. (2016) Knowledge, attitudes and adherence to treatment in individuals with hypertension and diabetes mellitus. O Mundo da Saúde. 40(4), 418-432.

Mainetti, A. C., & Wanderbroocke, A. C. N. S. (2013). Avós que assumem a criação de netos. Pensando famílias. 17(1), 87-98.

New Zeland Association of Occupational Therapists [NZAOT]. (2009). Occupational Therapy and Primary Health Care 2009: position statement. Recuperado em 12 fevereiro, 2019, de http://www.caot.ca/default.asp?pageid=4.

Ministério da Saúde. (2018). Vigilância de Doenças Crônicas Não Transmissíveis (DCNT). Recurado em 10 outubro, 2019, de http://www.saude.gov.br/vigilancia-em-saude/vigilancia-de-doencas-cronicas-nao-transmissiveis-dcnt.

Organização Pan-Americana de Saúde [OPAS]. (2018). Determinantes sociais e riscos para a saúde, Doenças Crônicas Não Transmissíceis e Saúde Mental. Recuperado em 10 outubro, 2019, em https://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5691:comissao-da-oms-pede-acao-urgente-contra-doencas-cronicas-nao-transmissiveis&Itemid=839.

Panatto, C., Kühl, A. M., Vieira, D. G., Bennemann, G. D., Melhem, A. R. F., Queiroga, M. R., & Carvalhaes, M. F. M. (2019). Efeitos da prática de atividade física e acompanhamento nutricional para adultos: um estudo de caso-controle. Revista Brasileira de Obesidade, Nutrição e Emagrecimento. 13(78), 329-336.

Polia, A. A., & Castro, D. H. (2007) A lesão medular e suas sequelas de acordo com o Modelo da Ocupação Humana. Cadernos de Terapia Ocupacional. 15(1), 19-29.

Rodrigues, K. V. S. (2019). Intervenção terapêutica ocupacional com hipertensos e diabéticos: desenvolvimento e aplicação de um manual de hábitos de vida e rotina ocupacional. Dissertação de mestrado, Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.

Radovanovic, C. A. T., Santos, L. A. Carvalho, M. D. B., & Marcon, S. S. (2014). Hipertensão Arterial e outros fatores de risco associados às doenças cardiovasculares em adultos. Revista Latino-Americana de Enfermagem. 22(4), 547-553.

Silocchi, C., & Junges, J. R. (2017). Equipes de Atenção Primária: dificuldades no cuidado de pessoas com Doenças Crônicas Não Transmissíveis. Trabalho, Educação e Saúde. 15(2), 599-615.

Silva, F.S., Araújo, N. C. S., Campos, E. A. D. Perfil dos hipertensos e diabéticos atendidos na Atenção Básica. Revista de Enfermagem da FACIPLAC. 2(2), 1-11.

Sociedade Brasileira de Cardiologia. (2016). 7ª Diretriz Brasileira de Hipertensão Arterial. Arquivos Brasileiros de Cardiologia. 107(3 sup. 3), 1-104.

Sousa, N. F. S., Lima, M. G., Cesar, C. L. G., & Barros, M. B. A. (2018). Envelhecimento ativo: prevalência e diferenças de gênero e idade em estudo de base populacional. Cadernos de Saúde Pública. 34(11), e00173317.

Toledo, M. T. T., Abreu, M. N., & Lopes, A. C. S. (2013). Adesão a modos saudáveis de vida mediante aconselhamento por profissionais de saúde. Revista de Saúde Pública. 47(3), 540-548.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto36422

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB