A pessoa com deficiência física e a inclusão escolar: uma visão comparada a dos seus pais/responsáveis

Viviane Dutra Piber, Daniela Tonús

Resumo


A deficiência é um tema de grande discussão e investigação há muito tempo. Apesar de estudos, avanços científicos e tecnológicos, ainda se observa um número significativo de pessoas com deficiência, seja ela adquirida ou congênita. Diante disso, salienta-se a necessidade constante de atenção, cuidado e planejamento por parte da sociedade e dos órgãos responsáveis, no que se refere aos direitos e deveres da população principalmente quanto ao processo de inclusão. Diante disso, buscou-se desenvolver uma pesquisa com o intuito de investigar a percepção do deficiente físico e de seus pais ou responsáveis sobre a inclusão escolar e como este processo está ocorrendo. Desenvolveu-se um estudo qualitativo que utilizou para a coleta de dados a realização de um grupo focal, com a participação de oito pessoas.   Por meio desta pesquisa foi possível verificar inúmeras fragilidades relacionadas ao ambiente escolar e a sociedade de forma geral. Dentre elas, destaca-se a falta de recursos, preconceito, pouca qualificação por parte dos professores e exclusão. Considera-se que, de forma geral a sociedade necessita repensar e promover momentos de discussões e reflexões acerca das estratégias e ações realizadas.  Ainda, observa-se certa urgência no que se refere às leis e decretos para que, de fato sejam cumpridos, já que esta não é a realidade atual.


Palavras-chave


Inclusão Educacional; Pessoas com deficiência; Educação

Texto completo:

PDF

Referências


Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Disponível em: Acessado em: 20 set. 2015.

SQUINCA, F. Deficiência em questão. 4ºedição. São Paulo: Editora Brasiliense, 2008.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988: atualizada até a Emenda Constitucional n. 20, de 15-12-1998. 21. ed. São Paulo: Saraiva, 1999

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Lei nº 9394, 1996. Disponível em: .Acessado em: 20 agost. 2015

BRASIL. Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão. O acesso de alunos com deficiência ás escolas e classes comuns da rede regular. Brasília (BR), 2004 Disponível em: Acessado em: 29 ago. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Politica Nacional de educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília (DF), 2008. Disponível em: .Acessado em: 22 agost.2015

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação: legislação educação especial. Resolução nº 2, de 11 de setembro de 2001. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília (DF), 2011. Disponível em: . Acessado em 10 set. 2015

ARAÚJO, P L; MELO, W P. Grupo focal na pesquisa em educação. Dissertação (Mestrado em Educação)- Universidade Federal do Piauí. Piauí, 2012. Disponível em Acessado em: 20 set. 2015.

SILVA; R.C.C. Inclusão escolar: entre o discurso e a prática. Dissertação. (Licenciatura em Pedagogia)- Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

GRIGOL, M; GARBIN, M. Os Paradigmas da inclusão escolar na sociedade atual. 2007. EBAH: Compartilhamento de arquivos acadêmicos. Paraná, UFPR, 2007. Disponível em: .Acessado em: 4 set.2015.

SALLES, L. M. F et al Jovens, violência e escola: um desafio contemporâneo. São Paulo: Editora UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

ZAFANI; M. D. Percepção de pais e professores acerca do desempenho de crianças com deficiência física em atividades no contexto escolar. Dissertação (Pós-graduação em Filosofia)-Universidade Estadual Paulista. Marília, 2013

TONÚS, D. WAGNER, L.C. Inclusão em escolas regulares: percepção de pais e professores de crianças e adolescentes com deficiência. Ciência em Movimento, Ano XV, Nº 31, 2013/2 Disponível: .Acessado em: 5 set.2015

BATISTA, C P. A percepção dos alunos com deficiência sobre a inclusão escolar: o que revelam as pesquisas. In: VII Encontro da Associação Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial. Anais.: São Carlos,2013. Disponível em: .Acessado em: 03 maio 2015

KAMIMURA, A.L.M. Os princípios da inclusão e exclusão: uma relação sutil. Interfaces: cultural e comunidade. vol.2 nº2. 2007. Disponível em: .Acessado em: 21 ago. 2015.

BRASIL. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Resolução nº 4. Institui diretrizes operacionais para o Atendimento Educacional Especializado, na modalidade Educação Especial. CNE/CEB. 2009. Disponível em: .Acessado em: 05 agost. 2015

PINOLA; A.R. et al. Inclusão escolar, Formação de professores e a assessoria baseada em habilidades sociais educativas. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 20, n. 3, p. 341-356, Jul.-Set., 2014.

ALMEIDA, K M. et al. O espaço físico como barreira á inclusão escolar. Cad. Ter. Ocup. UFSCar, São Carlos, v. 23, n. 1, p. 75-84, 2015

BRANDÃO, S. B. et al Ambientes inclusivos na educação infantil: possibilidades e impedimentos. Psicologia em estudo, Maringá, v.15, n.01, p.117- 126, 2010.

MONTEIRO; E.C.B.V. A interação lúdica com os pares, aceitação social e amizades reciprocas em contexto pré-escolar. Dissertação ( Mestrado em Psicologia Educacional)- Instituto Universitário Ciências Psicológicas, Sociais e da vida. Cidade. 2012.

ALVES, T P .et al. Inclusão de alunos com surdez na educação física escolar. Revista Eletrônica de Educação, v. 7, n. 3, p.192-204, 2013. Disponível em: . Acessado em: 05 maio 2015

SILVEIRA; K. A. et al Concepções de professores sobre inclusão escolar e interações em ambientes inclusivo: uma revisão de literatura. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 18, n. 4, p. 695-708, out.-dez., 2012

RIBEIRO; M.L.F. Acessibilidade arquitetônica nas escolas públicas da cidade de Ipóragoias. Monografia (Licenciatura em Educação Física). Universidade Federal de Goiás. Iporá, Goiás, 2013


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO

Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO
Departamento de Terapia Ocupacional - Faculdade de Medicina - UFRJ
Prédio do CCS - Bloco K, Sala 17
Rua Prof. Rodolpho Paulo Rocco, s/n - Cidade Universitária - Ilha do Fundão - Rio de Janeiro – RJ, Brasil. CEP: 21910-590
Tel: 55 (21) 3938-6506

Contato: revisbrato@gmail.com