Ser e estar criança em um grupo terapêutico a partir do movimento vital expressivo (MVE): um relato de experiência/Being a child in a therapeutic group as of the vital expressive movement (vem): an experience report

Aline Zacchi Farias, Mayara Soler Ramos Mazak, Raissa Cristina Viaro, Laura Pozzana de Barros

Resumo


Contextualização: Atualmente, há uma demanda significativa de encaminhamentos médicos aos serviços terapêuticos quanto às hipóteses diagnósticas de crianças com Transtorno do Déficit de Atenção com Hiperatividade (TDAH). Contudo, identificam-se outros vislumbres de compreensão e cuidado à infância. Processo de intervenção: Assim, este artigo busca descrever e analisar a prática da terapia ocupacional em um grupo de Movimento Vital Expressivo, com crianças, em um dispositivo de cuidado no interior de São Paulo. Síntese das considerações: A partir da descrição dos encontros realizados, à luz do Sistema Rio Aberto e do arcabouço teórico da Terapia Ocupacional, considera-se que práticas de cuidado que respeitam as formas de ser e fazer das crianças corroboram na construção de possibilidades de produção de vida.

Palavras-chave: Terpia Ocupacional. Saúde Mental. Criança a


Abstract
Contextualization: Currently, there is a significant demand for medical referrals to therapeutic services regarding the diagnostic hypotheses of children with Attention Deficit Hyperactivity Disorder (ADHD). However, other glimpses of understanding and care for children are identified. Intervention/Follow-up process: Thus, this article seeks to describe and analyze the practice of occupational therapy in a group of Vital Expressive Movement with children in a care device in the interior of São Paulo. Synthesis of Consideration: Based on the description of the meetings held in the light of the Río Abierto System and the theoretical framework of occupational therapy, it is considered that experiences like this corroborate the construction of practices that respect the ways of being and doing of children..

Keywords: Occupational Therapy. Mental Health. Child

 

Resumen

Contextualización: Actualmente, existe una importante demanda de derivaciones médicas a servicios terapéuticos en relación con las hipótesis diagnósticas de los niños con trastorno por déficit de atención e hiperactividad (TDAH). Sin embargo, se identifican otros destellos de comprensión y cuidado de los niños. Intervención / Proceso de seguimiento: Así, este artículo busca describir y analizar la práctica de la terapia ocupacional en un grupo de Movimiento Expresivo Vital con niños en un dispositivo de cuidado en el interior de São Paulo. Síntese de consideraciones: A partir de la descripción de los encuentros realizados a la luz del Sistema Río Abierto y el marco teórico de la terapia ocupacional, se considera que experiencias como esta corroboran la construcción de prácticas que respetan las formas de ser y hacer de los niños.

Palabras clave: Terapia Ocupacional. Salud Mental. Niño


Palavras-chave


Terapia Ocupacional, Saúde Mental, Criança, Movimento Vital Expressivo.

Texto completo:

PDF

Referências


American Academy of Pediatrics. (2016). Mind-Body Therapies in Children and Youth. Pediatrics, 138(3), e20161896. https://doi.org/10.1542/peds.2016-1896

Brasil. Portaria nº 2.488, de 21 de outubro de (2011). Política Nacional de Atenção Básica (PNAB). https://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2011/prt2488_21_10_2011.html

Brasil. Portaria Ministerial nº 971, em 03 de maio de (2006). Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS (PNPIC). https://saude.mg.gov.br/index.php?option=com_gmg&controller=document&id=874

Caliman, L. V., César, J. M., & Kastrup, V. (2020). Práticas de cuidado e cultivo da atenção com crianças. Revista Educação, Artes e Inclusão, 16(4), 166-195. https://doi.org/10.5965/198431781642020166

Ferigato, S. H. (2008). O Agir Criativo em Terapia Ocupacional: Uma Reflexão Filosófica a partir dos paradoxos da contemporaneidade. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 15(2), 131-137. http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/142/99

Fernandes, A. D. S. A (2019). Cuidado em Saúde Mental Infantojuvenil na Atenção Básica à Saúde: Práticas, Desafios e Perspectivas. [Tese de Doutorado, Universidade Federal de São Carlos]. https://repositorio.ufscar.br/handle/ufscar/11798

Furlan, P. G. et al. (2021). Práticas integrativas para o cuidado em saúde e o suporte social no ambiente universitário: Yoga, meditação e Reiki. Cadernos da Pedagogia, 15(31), 150-161.http://www.cadernosdapedagogia.ufscar.br/index.php/cp/article/view/1543/587

Liberman, F. & Maximino, V. (2015). Planos grupais e experiência estética: friccionando ideias, emoções e conceitos. In V. Maximino, & F. Liberman. (Org.). Grupos e terapia ocupacional, formação, pesquisa e ações (pp. 115-127). Summus Editorial.

Lima, E. M. F. A. (2006). A saúde mental nos caminhos da terapia ocupacional. O mundo da Saúde, 30(1), 117-122. http://www.saocamilo-sp.br/pdf/mundo_saude/34/saude_mental.pdf

Lima, E. M. F. A., Inforsato, E. A., Quarentei, M. S., Dorneles, P. S. & Castro, E. D. (2011). PACTO: 10 anos de ações na interface arte e saúde e suas ressonâncias no campo profissional. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 19(3), 369-380. http://doi.editoracubo.com.br/10.4322/cto.2011.010.

Matsukura, T. S. & Salles, M. M. (2016). Conceitos de Ocupação e atividade: Caminhos percorridos pela literatura nacional e de língua inglesa. In T.S. Matsukura & M.M. Salles (Orgs.), Cotidiano, atividade humana e ocupação: perspectivas da terapia ocupacional no campo da saúde mental (pp. 13-37). EdUFSCar.

Pastore, M. N. & Barros, D. D (2015). A cultura do brincar e a socialização infantil: percepções sobre o ser criança numa comunidade moçambicana. Cadernos Brasileiros de Terapia Ocupacional, 23(3), 599-609. https://doi.org/10.4322/0104-4931.ctoAO1172

Pastore, M. D. N. (2020). O tempo do brincar: narrativas visuais a partir de experiência etnográfica (Ensaio Fotográfico). Revista da Fundarte, 42(42), 1-11. http://dx.doi.org/10.19179%2F2319-0868.831

Pozzana, L. (2008). O Corpo em conexão: Sistema Rio Aberto. Niterói.




DOI: https://doi.org/10.47222/2526-3544.rbto42335

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

   

           

   Resultado de imagem para REDIB