Terapia Ocupacional na atenção primária à saúde do escolar visando a inclusão escolar de crianças com dificuldades de aprendizagem/ Occupational Therapy in primary health at school seeking inclusion of students with learning difficulties

Débora Ribeiro da Silva Campos Folha, Gláucia de Souza Monteiro

Resumo


A saúde do escolar tem sido estratégia de ação nas políticas de atenção básica, porém ainda representa vasto campo inexplorado para atuação de terapeutas ocupacionais na perspectiva da educação para todos. Este estudo pretendeu analisar repercussões de ações de prevenção e promoção na saúde do escolar com dificuldade de aprendizagem pelo terapeuta ocupacional, por meio da consultoria colaborativa com professores. Estudo de ancoragem qualitativa, do tipo exploratório, descritivo e de intervenção. Foi desenvolvido em uma Unidade de Educação Infantil na cidade de Belém (PA). A coleta de dados foi realizada no período de agosto à setembro de 2015 e os participantes foram 5 alunos que apresentavam queixas escolares e 3 professoras que acompanhavam esses alunos. Foi realizada observação direta do desempenho dos alunos e posterior intervenção junto às professoras, ancorada na abordagem de consultoria colaborativa. A partir das demandas identificadas em sala de aula e referidas pelas professoras, o processo de consultoria colaborativa resultou no provimento de recursos e estratégias de suporte a fim de minimizar os impactos das dificuldades de aprendizagem no desempenho escolar dos alunos, contribuindo assim para a promoção da saúde do escolar bem como prevenindo possíveis agravos. Observamos que a parceria entre terapeuta ocupacional e escola, por meio da consultoria colaborativa, potencializou processos educacionais inclusivos, no sentido da promoção e prevenção de agravos à saúde do escolar.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Educação Infantil; Terapia Ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Saúde na escola. Brasília: Ministério da Saúde, 2009. Disponível em: Acesso em: 22 de outubro de 2015.

Mazer, S; Dal Bello, A; Bazon, M. Dificuldades de aprendizagem: revisão de literatura sobre os fatores de risco associados. Psic. da Ed. São Paulo. 2009; 28: 7-21.

Costa, FS; Silva, JLL; Diniz, MIG. A importância da interface educaçãosaúde no ambiente escolar como prática de promoção da saúde. Informes em promoção da saúde. 2008; 4 (2): 30-33.

Fonseca, V. Dificuldades de aprendizagem: abordagem neuropsicológica e psicopedagógica ao insucesso escolar. Lisboa: Editora Âncora; 2008.

Gómez, AM; Terán, NE. Dificuldades de aprendizagem: detecção e estratégias de ajuda. São Paulo: Editora Cultural; 2009.

Smith, C; Strick, L. Dificuldades de aprendizagem de A-Z: Guia completo para educadores e pais. São Paulo: Penso; 2012.

Oliveira, C; Castanharo, R. O terapeuta ocupacional como facilitador do processo educacional de crianças com dificuldades de aprendizagem. Cadernos de Terapia Ocupacional da Ufscar. 2008; 16 (2): 91-99.

Antônio, MA; Mendes, R. Saúde Escolar e Saúde do Escolar. Campinas: UNICAMP; 2009.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/publicacoes/geral/pnab.pdf Acesso em: 27 de janeiro de 2017.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Instrutivo PSE. Brasília: Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: Acesso em: 16 de setembro de 2015.

Brasil. Ministério da Saúde. Escolas promotoras de saúde: experiências do Brasil. Brasília :Ministério da Saúde, 2007. Disponível em: < http://www.sbp.com.br/img/cadernosbpfinal.pdf> Acesso em: 27 de setembro de 2015.

Clark, F; Laylor, M. A elaboração e o significado da Ciência Ocupacional. In: Crepeau, E; Cohn, E; Schell, B. Willard & Spackman Terapia Ocupacional. 11 ed. Rio de Janeiro. Guanabara Koogan; 2011, p. 02-14.

Nunes, F; Figueiredo, M; Dela Barba, P; Emmel, ML. Retratos do cotidiano de meninos de cinco e seis anos: a atividade de brincar. Cad. Ter. Ocup. UFSCar. 2013; 21 (2): 275-287.

Cavalcanti, A; Dutra, FCMS; Elui, VMC. Estrutura da prática da Terapia Ocupacional: domínio & processo 3ª ed. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2015; 26(ed. esp.):1-49.

Lourenço, GF; Cid, MF. Possibilidades de ação do terapeuta ocupacional na Educação infantil: congruência com a proposta da Educação inclusiva. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. 2010; 18 (2): 169-179.

Assis, F. Tdah no espaço escolar: atendimento de alunos por meio da mediação dos professores. [Trabalho de Conclusão de Curso]. Maringá: Universidade Estadual de Maringá; 2014.

Gebrael, T; Martinez, C. Consultoria colaborativa em terapia ocupacional para professores de crianças pré-escolares com baixa visão. Revista Brasileira de Educação Especial. 2011; 17 (1): 101-120.

Trevisan, J; Della Barba, P. Reflexões acerca da atuação do terapeuta ocupacional no processo de inclusão escolar de crianças com necessidades educacionais especiais. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. 2012; 20 (1): 89-94.

Gil, AC. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2008.

Damiani, M. Sobre pesquisas do tipo intervenção. Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino. Campinas: UNICAMP, 2012. Disponível em: http://www.infoteca.inf.br/endipe/smarty/templates/arquivos_template/upload_arquivos/acervo/docs/2345b.pdf

SOUZA, Sirlene V. Consultoria colaborativa: possibilidades e limites para a prática pedagógica do professor da sala regular com alunos surdo. [Dissertação]. Maceió: Universidade Federal de Alagoas; 2011.

Mendes, EG. Colaboração entre ensino regular especial: o caminho do desenvolvimento pessoal para a inclusão escolar. In: MANZINI, E. J. (org.). Inclusão e acessibilidade. Marília: ABPEE, 2006. p. 29-41.

Machado, A, Almeida, M. Efeitos de uma Proposta de Consultoria Colaborativa na Perspectiva dos Professores. Revistas Cesgranrio. 2014; 6 (18): 222-239.

Freitas, O. Equipamentos e materiais didáticos. Brasília: Universidade de Brasília, 2007. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seb/arquivos/pdf/profunc/equip_mat_dit.pdf Acesso em: 16 de setembro de 2015.

Santos, E; Oliveira, E; Borba, L. A importância da relação professor/aluno na educação infantil. Revista Científica Eletrônica de Ciências Sociais Aplicadas da EDUVALE. 2011; s.n.

Coppede, AC. Motricidade Fina na criança: um estudo bibliométrico da literatura nacional e internacional. [Dissertação]. São Carlos: Universidade Federal de São Carlos; 2012.

Ferreira, TL.; Martinez, AB; Ciasca, SM. Avaliação Psicomotora de escolares do 1º ano do ensino fundamental. Revista Psicopedagogia. 2010; 27 (83): 223-235.

Nascimento, VCS; Leite WS; Magalhães LC. Coordenação motora fina em crianças na idade escolar: demandas da sala de aula. Temas sobre desenvolvimento. 2003; 12(69):33-39.

Lobo, JC. A importância do brincar na Educação Infantil para as crianças de três a quatro anos. [Monografia]. Lins: Centro Universitário Católico Salesiano Auxilium -- UNISALESIANO; 2013.

Malaquias, M; Ribeiro, S. A importância do Lúdico no processo ensino-aprendizagem no desenvolvimento da infância. 2013. Disponível em: . Acesso em: 03 de agosto de 2015.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB