Racionalidade jurídica crítico-libertadora e direitos humanos ante horizontes autoritários contemporâneos

Eliseu Raphael Venturi

Resumo


RESUMO: 

O objeto do artigo consiste na investigação dos elementos de uma possível racionalidade jurídica crítico-libertadora, segundo construção teórica do filósofo do direito paranaense Celso Luiz Ludwig. Recorre-se, para tanto, a alguns pressupostos teóricos da teoria, abrindo-se algumas interfaces, em especial, com o pensamento do filósofo argentino Enrique Dussel, que fundamenta em peso aquela teoria, de modo a se contemporizar compreensões em torno as condições de possibilidade da vida humana com o potencial de construção hermenêutica e argumentativa no Direito. Tal conjunto filosófico expõe uma visão de mundo especificamente urgente em tempos de horizontes autoritários na política e no direito contemporâneos, afirmando-se, assim, posturas democráticas e afins ao Direito Internacional dos Direitos Humanos. Trata-se de pesquisa com metodologia bibliográfica e conceitual, enfocando construções teóricas e suas influências em âmbito hermenêutico e argumentativo.

 

ABSTRACT:

The article focuses on a possible “critical-emancipatory legal rationality”, according to Celso Ludwig’s theoretical construction. Some theoretical relations are made, in particular, with the Enrique Dussel’s life paradigm, in order to temporize understandings around the human’s life conditions with the potential of hermeneutics and argumentative construction in Law. That philosophical set is especially important in times of authoritarian horizons in contemporary politics and law, affirming democratic positions and related to International Human Rights Law. It is a research with bibliographical and conceptual methodology, focusing theoretical constructions and its influences in hermeneutic and argumentative scope. 


Palavras-chave


Autoritarismo; Direitos humanos; Filosofia Jurídica Crítico-Libertadora; Razão jurídica crítico-libertadora; Totalitarismo; Authoritarianism; Critical-Emancipatory Philosophy; Critical-Emancipatory Rationality; Human Rights; Totalitarianism

Texto completo:

PDF

Referências


ABREGÚ, Martín. Direitos Humanos para todos: da luta contra o autoritarismo à construção de uma democracia inclusiva - um olhar a partir da Região Andina e do Cone Sul. SUR, Revista Internacional de Direitos Humanos, São Paulo, v. 5, n. 8, p. 06-41, jun. 2008.

ALVES, José Augusto Lindgren. É preciso salvar os direitos humanos! Lua Nova, São Paulo, n. 86, p. 51-88, 2012.

ANDRADE, Marcelo. A banalidade do mal e as possibilidades da educação moral: contribuições arendtianas. Rev. Bras. Educ., Rio de Janeiro, v. 15, n. 43, p. 109-125, abr. 2010.

ARENDT, Hannah. Origens do totalitarismo. Tradução de Roberto Raposo. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

ARENDT, Hannah. Eichmann em Jerusalém. Um relato sobre a banalidade do mal. Tradução de José Rubens Siqueira. 14.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1999.

BILLIER, Jean-Cassien. História da filosofia do direito. Tradução de Maurício de Andrade. Barueri: Manole, 2005.

BIGOLIN NETO, Pedro; RODRIGUEZ, José Rodrigo. “Quando o fascismo se tornava cada vez mais forte”: Direito e emancipação em Franz Neumann e Boaventura de Sousa Santos. Teoria Jurídica Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 63-96, 2016.

BORTOLOTTO, Benhur. Dura geografia. Bakhtiniana, Revista de Estudos do Discurso, São Paulo, v. 12, n. 3, p. 22-36, dez. 2017.

BOTERO, Adolfo Jerónimo; LEAL GRANOBLES, Yuliana. El mal radical y la banalidad del mal: las dos caras del horror de los regímenes totalitarios desde la perspectiva de Hannah Arendt. Univ. philos., Bogotá, v. 30, n. 60, p. 99-126, jun. 2013.

CABRAL, Muniz Sodré de Araújo. Por um conceito de Minoria. In: Raquel Paiva; Alexandre Barbalho. (Org.). Comunicação e cultura das minorias. São Paulo: Paulus, 2005. p. 11-14.

CANIATO, Angela Maria Pires. A violência do preconceito: a desagregação dos vínculos coletivos e das subjetividades. Arq. bras. psicol., Rio de Janeiro, v. 60, n. 2, p. 20-31, jun. 2008.

CANIATO, Angela Maria Pires. Da violência no ethos cultural autoritário da contemporaneidade e do sofrimento psicossocial. Revista de Psicologia Social e Institucional, Londrina, v. 2, n. 2, p. 197-215, 2000.

DUSSEL, Enrique. Ética da libertação na idade da globalização e da exclusão. 2. ed. Tradução de Ephraim Ferreira Alves, Jaime A. Clasen e Lúcia M. E. Orth. Petrópolis: Vozes, 2002.

DWORKIN, Ronald. O império do Direito. 2.ed. Tradução de Jefferson Ruiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FARALLI, Carla. A filosofia contemporânea do direito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FERNANDES, Valdir. A racionalização da vida como processo histórico: crítica à racionalidade econômica e ao industrialismo. Cad. EBAPE.BR, Rio de Janeiro, v. 6, n. 3, p. 01-20, set. 2008.

LÉVINAS, Emmanuel. Entre nós: ensaios sobre a alteridade. 5. ed. Tradução de Pergentino S. Pivatto [Coord.].; Anisio Meinerz; Jussemar da Silva [et.al.]. Petrópolis: Vozes, 2010.

LUDWIG, Celso Luiz. Para uma filosofia jurídica da libertação. Paradigmas da filosofia, filosofia da libertação e direito alternativo. Florianópolis: Conceito, 2006.

PEREIRA, Paulo Fernando Soares; SANTANA, Ana Claudia Farranha. Poderes, Direito e Dominação: a tomada de consciência e a inclusão de outros sujeitos a partir de questões raciais. Teoria Jurídica Contemporânea, Rio de Janeiro, v. 2, n. 1, p. 56-93, 2017.

MANSILLA, Hugo Celso Felipe. Contra la práctica tan aplaudida de hacer pasar elementos autoritarios como diferencias culturales de origen autóctono. Enfoques, Libertador San Martín, v. 23, n. 1, p. 5-21, jun. 2011a.

MANSILLA, Hugo Celso Felipe. La necesidad de cuestionar prácticas autoritárias consideradas como diferencias culturales. Estud. polít. (Méx.), México, n. 23, p. 179-196, ago. 2011b.

MANSILLA, Hugo Celso Felipe. El desamparo humano en medio de los procesos de modernización. Un breve ensayo de filosofía política en torno al totalitarismo con especial referencia al Tercer Mundo. Sig. Fil, México, v. 18, n. 35, p. 110-139, jun. 2016.

MORRISON, Wayne. Filosofia do direito. Dos gregos ao pós-modernismo. Tradução de Jefferson Luiz Camargo. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

TIBURI, Marcia. Faça amor, não faça guerra. Desejo de democracia. Revista Cult. 11 mar. 2015. Disponível em: . Acesso em: 28 abr. 2018.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. A humanização do direito internacional. Belo Horizonte: Del Rey, 2006.

TRINDADE, Antônio Augusto Cançado. Dilemas e desafios da Proteção Internacional dos Direitos Humanos no limiar do século XXI. Rev. bras. polít. int., Brasília, v. 40, n. 1, p. 167-177, jun. 1997.




DOI: https://doi.org/10.21875/tjc.v3i1.17361

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Eliseu Raphael Venturi



ISSN 2526-0464

Indexada em: / Indexed by: