Do juiz herói ao tribunal democrático

Beatriz Nunes Diógenes, Diane Espíndola

Resumo


RESUMO:

O objetivo deste artigo foi refletir sobre o atual papel do Poder Judiciário como porta-voz do texto constitucional e ator político em constante relação conflituosa com o legislativo. Discutiu-se sobre o ativismo judicial e a atuação do Supremo Tribunal Federal como legislador moral (superego da sociedade), a ideia do juiz herói e seus desdobramentos democráticos, principalmente quanto ao sistema de freios e contrapesos. Observou-se a existência de um movimento de hiperjudicialização de questões éticas e políticas, que acarreta o desequilíbrio da dinâmica institucional do modelo democrático. Conclui-se que a atuação do Poder Judiciário não deve ser marcada pelo decisionismo disfarçado de ordem de valores, nem tampouco deve atuar como legislador moral e nem permitir a ausência de vinculação ao padrão normativo. Foi sugerido, para tanto, o aperfeiçoamento da dinâmica institucional brasileira através da interação permanente entre o judiciário e o legislativo, em busca da formação de uma teoria normativa da separação de poderes que promova um debate qualitativo consubstanciado na razão pública, que resguarde direitos e tonifique a dimensão deliberativa do modelo político em vigor. Utilizou-se, para tal reflexão, do método de pesquisa bibliográfico.

ABSTRACT:

The purpose of this article was to reflect on the current role of the judiciary as a spokesperson for the constitutional text and political actor in constant conflicting relationship with the legislative. It was discussed about judicial activism and the performance of the Supreme Court as moral legislator (society’s superego), the idea of the judge hero and its democratic repercussions, especially regarding the system of checks and balances. The existence of a movement of hyperjudicialization of ethical and political issues was observed, which causes the imbalance of the institutional dynamics of the democratic model. It is concluded that the performance of the judiciary should not be marked by decisionism disguised as an order of values, nor should it act as a moral legislator or allow the absence of binding to the normative standard. To this end, it was suggested that the Brazilian institutional dynamics be improved through the permanent interaction between the judiciary and the legislature, seeking the formation of a normative theory of the separation of powers that promotes a qualitative debate embodied in public reason that safeguards rights and tones the deliberative dimension of the current political model. For such reflection, the bibliographic research method was used 


Palavras-chave


Separação de Poderes; Interpretação Constitucional; Democracia Deliberativa; Separation of Powers; Constitutional Interpretation; Deliberative Democracy

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Felipe Braga. Direito e política: pressupostos para a análise de questões políticas pelo judiciário à luz do princípio democrático. Florianópolis: Conceito, 2013.

BARCELLOS, Ana Paula de; BARROSO, Luís Roberto. O começo da história: a nova hermenêutica constitucional e o papel dos princípios no direito brasileiro. Revista da EMERJ, v. 6, n. 23, 2003.

BARROSO, Luís Roberto. Neoconstitucionalismo e constitucionalização do direito: o triunfo tardio do direito constitucional no Brasil. Revista de Direito Constitucional e Internacional, vol. 58, p. 129 – 173, 2007.

BARROSO, Luís Roberto Judicialização, Ativismo Judicial e Legitimidade democrática. Anuário Iberoamericano de Justicia Constitucional, Madrid, n. 13, p. 17-32, 2009.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. Habeas corpus 936, 1897.

BRASIL, Supremo Tribunal Federal. ADI nº 4277; ADPF n° 132. Relator: Ministro Ayres Brito. DJ: 13/10/2011. Disponível em: < http://redir.stf.jus.br/paginadorpub/paginador.jsp?docTP=AC&docID=628633>. Acesso em: 22 fev 2019.

CAMPOS, Juliana Cristine Diniz; ALBUQUERQUE, Felipe Braga. Nova hermenêutica constitucional e (in)segurança jurídica: características e crítica da virada linguística no interpretar da constituição. Quaestio Iuris, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 774-792, 2015.

DWORKIN, Ronald. A matter of principle. Cambridge: Harvard University Press, 1985.

DWORKIN, Ronald. Constitutionalism and Democracy, European Journal of Philosophy, v. 3, 1995.

KELSEN, Hans. Teoria Pura do Direito. João Baptista Machado (trad.), São Paulo: Martins Fontes, 1999.

KOERNER, Andrei. A Ordem Constitucional da República: uma análise política da jurisdição constitucional no Brasil. Campinas, São Paulo: 2015.

MAUS, Ingeborg. O Judiciário como Superego da Sociedade: O papel da atividade jurisprudencial na sociedade “órfã”. Martonio Lima (trad.), São Paulo: 2000.

MENDES, Conrado Hubner. Direitos Fundamentais, Separação de Poderes e Deliberação. São Paulo: Saraiva, 2011.

RAWLS, John. A Theory of Justice. Cambridge: Harvard University Press, 1971.

______. Political Liberalism. New York: Columbia University Press, 2005.

SHAPIRO, Ian. The State of Democratic Theory. Princeton: Princeton University Press, 2006.

TATE, Nael. Why the Expansion of Judicial Power? In: C. N. V. Tate, Torbjorn (Ed.). The Global Expansion of Judicial Power. New York.: New York University Press, 1995.

WALDRON, Jeremy. Law and Disagreement. Oxford: Oxford University Press, 1999.




DOI: https://doi.org/10.21875/tjc.v4i1.24369

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Beatriz Nunes Diógenes, Diane Espíndola



ISSN 2526-0464

Indexada em: / Indexed by: