Eros e Thanatos

Susana de Castro

Resumo


O objetivo deste artigo é o de mostrar que não há uma unidade absoluta entre os diálogos platônicos. Platão foi um autor metafísico em alguns temas e não metafísico em outros. No diálogo Fédon defende uma explicação metafísica acerca da morte e da imortalidade da alma, enquanto no diálogo Fedro defende a importância da paixão, do amor carnal.

Palavras-chave


morte; amor; imortalidade da alma; orfismo

Texto completo:

PDF

Referências


BERNABÉ, Alberto. Platão e o orfismo: diálogos entre religião e filosofia. Trad. Denys Garcia Xavier. São Paulo: Annablume, 2011.

PLATÃO. Fedro. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: ed.UFPA, 2011

. Fédon. Trad. Carlos Alberto Nunes. Belém: ed.UFPA, 2011

RORTY, Richard. “A world without substances or essences”. Philosophy and Social Hope. Londres: Penguin, 1999.

. “Ethics without principles”. Philosophy and Social Hope. Londres: Penguin, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Anais de Filosofia Clássica

Creative Commons License esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons.