Los ídolos de Nietzsche

Raúl Gabás Pallás

Resumo


Resumo: Esta conferência toma como pontos de partida as ideias de iconoclastia e idolatria para mostrar o movimento feito por Nietzsche desde sua veneração das figuras de Schiller e H¶lderlin na juventude até a destruição destas e outras, especialmente Wagner, que realizou na idade madura. Estas considerações tendem a dar importância à conexão de Nietzsche com o idealismo alemão, aspecto pouco ressaltado em função da tendência de ver em seu pensamento exclusivamente o rompimento com tudo o que lhe é anterior. São analisados detalhadamente tanto o impacto de H¶lderlin, Schiller e Schopenhauer sobre o jovem filósofo quanto a sua relação turbulenta com Wagner, sempre tendo como foco principal a relação do filósofo com a Grécia, uma Grécia em que se realiza plenamente o mundo como fenômeno estético. Ao final, procura-se demonstrar como Nietzsche não constrói, com este movimento, novos ídolos e sim que produz com seu martelo filosófico uma intensa destruição, a única que pode tornar a alma humana a mais amorosa, compreensiva e ampla possível.

Palavras-chave: Nietzsche, ídolos, Idealismo alemão.

Abstract: This conference takes as its starting points the concepts of idolatry and iconoclastic rejection so as to show the philosophical movement that Nietzsche realizes since his veneration of figures such as Schiller and H¶lderlin in his youth until the destruction of these and other figures, especially Wagner during his later years. These considerations tend to give more importance to the connection between Nietzsche and the German Idealism, which is a rarely emphasized connection, given the general tendency of seeing Nietzsche's thoughts exclusively as rupture with all that came before. Here are thoroughly analyzed the influence of Schiller, H¶lderlin and Schopenhauer over the young philosopher and his turbulent relationship with Wagner, always keeping as a focus his relationship with an idea of the Antique Greece as a place where the world is fully realized as an aesthetic phenomenon. At the end, it is demonstrated that Nietzsche does not build, inside this movement, new idols, but actually destroys all idols with his philosophical hammer. This destruction is the only that can lead the human soul to its most lovely, comprehensible and vast possibilities.

Keywords: Nietzsche, Idols, German Idealism.


Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Revista Ítaca - Periódico acadêmico administrado e editado por discentes de pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

ISSN (1519-9002 | 1679-6799) 

 

Última atualização: Agosto/2019

Last update: Agust/2019