Mulherismo Africana: proposta enquanto equilíbrio vital a comunidade preta

Aza Njeri Viviane Mendes de Moraes, Kwame Ankh Thiago Henrique Borges Brito, Kulwa Mene Walkiria Gabriele Elias da Costa

Resumo


Resumo: O presente artigo visa refletir e analisar qual tem sido a agência (ASANTE, 2009) enquanto povo negro na diáspora brasileira e propor caminhos teórico-práticos para criação de outras estratégias agregadoras que possam sulear possíveis direções na resolução de problemas como as questões de raça, gênero e classe. Nessa toada o Mulherismo Africana tem sido nossa proposta quanto aporte dentro de uma agenda pan-africana de organização. Nos guiamos a partir do referencial teórico da epistemologia dos Estudos Africana (KARENGA, 2009; MALOMALO, 2017); além delas alinhamos nossa metodologia a partir da afrocentricidade (ASANTE, 2014) e da afroperspectiva (NOGUERA, 2012) para dada produção do conhecimento.


Palavras-chave


gênero, raça e classe; mulherismo africana; movimento negro; feminismo negro; maafa

Texto completo:

PDF

Referências


ANI, Marimba. Yurugu: an African-centered critique of european cultural thought and behavior. New Jersey: Africa World Press, 1994.

ARRETCHE, Marta. Mitos da Descentralização: Maior Democracia e eficiência nas Políticas Públicas? Revista Brasileira de Ciências Sociais, São Paulo, v. 11, n. 31, p. 44-66, 1996. Disponível em: . Acesso em 28 de jul. 2018.

ASANTE, Molefi K. Afrocentricidade como um novo paradigma. In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Afrocentricidade: notas sobre uma posição disciplinar. Tradução Carlos Alberto Medeiros. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 111 – 128.

___________. Afrocentricidade: a teoria de mudança social. Tradução Ana Monteiro, Ama Mizani, Ana Lucia. Philadelphia: Afrocentricity, 2014.

AIYÊ, Ilê. Romance Do Ilê. Salvador: Interra Music Publishing, 2001. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2008.

BA, A. Hampatê. A tradição viva. In: KI-ZERBO, J.. História geral da África, I: Metodologia e pré-história da África. 2.ed.. Brasília: UNESCO, 2010. p.167-212

COLLINS, Patricia Hill. Se perdeu na tradução? Feminismo Negro, interseccionalidade e política emancipatória. Tradução de Bianca Santana. Parágrafo, Vol. 5, No. 1, 2017, p. 6-17. Disponível em: . Acesso em: 02 jan. 2019.

DAVIS, Angela. Mulher, raça e classe. Tradução Heci Candiani. São Paulo: Editora Boitempo, 2016.

DIOP, Cheikh Anta Diop. A unidade cultural da África Negra. Tradução Sílvia Neto. Luanda: Edições Mulemba, 2014.

_____________________. Naciones negras y cu

ltura. Barcelona: Edições Bellaterra, 2012.

_____________________. The african origin of civilization, myth or reality. Chicago: Lawrence Hill, 1974.

DIVA, Moreira; SOBRINHO, Adalberto Batista. Casamentos Inter-Raciais: O homem negro e a rejeição da mulher negra. In COSTA, Albertina de Oliveira; AMADO, Tina (Org.). Alternativas Escassas: Saúde, Sexualidade e Reprodução na América Latina. Rio de Janeiro: Editora 34, 1994, p. 81-108.

DOMINGUES, Petrônio. Movimento negro brasileiro: alguns apontamentos históricos. Tempo. 2007, vol.12, n.23, p.100-122. Disponível em:. Acesso em: 03 abr. 2019.

DOVE, Nah. Mulherismo Africana: uma Teoria Afrocêntrica. Universidade Temple. Tradução de Wellington Agudá. Jornal de estudos negros, v. 28, n. 5, maio 1998.

__________. Definindo uma matriz materno-centrada para definir a condição das mulheres. Tradução de Wellington Agudá, 2015. Disponível em:. Acesso em: 07 fev. 2019

FANON, F. Pele negra, máscaras brancas. Bahia: Editora da Universidade Federal da Bahia, 2008.

__________. Os condenados da terra. Juiz de fora: Editora UFJF, 2005.

FU-KIAU, Kia Bunseki. A visão bântu kôngo da sacralidade do mundo natural. Trad. Valdina O. Pinto. Disponível em: https://estahorareall.files.wordpress.com/2015/07/dr-bunseki-fu-kiau-a-visc3a3o- bantu-kongo-da-sacralidade-do-mundo-natural.pdf . Acesso em 19 de dez. 2019.

________. Kindezi: The Kongo art of babysitting. Baltimore: Inprint Editions, 2000. Disponível em: . Acesso em: 22 nov. de 2019.

GOMES, Nilma Lino. O movimento Negro educador: saberes construídos nas lutas por emancipação. Petrópolis: Vozes, 2018.

GONZALEZ. Lélia. Mulher Negra. In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Guerreiras de Natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2008, p. 29-48.

_________. Primavera para rosas negras. São Paulo: Diáspora Africana UCPA, 2018.

__________. Política é assunto de mulher? Mulherio. São Paulo, v. I, n. 3, p. 02-23, 1981. Disponível em: Acessado: 02 de jan. 2019.

__________. Hasenbalg, Carlos. Lugar de Negro. Rio de Janeiro: Marco Zero Limitada, 1982.

__________. A categoria político-cultural de amefricanidade. In: Tempo Brasileiro. Rio de Janeiro, nº 92/93, 1988b, p.69-82.

TENDER, Sílvio. Globalização Milton Santos: o mundo global visto do lado de cá. Youtube. Disponível em: . Acesso em: 03 dez. 2019.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidade e mediações culturais. Org. Liv Sovik. Tradução Adelaine La Guardiã Resende. Belo Horizonte: Editora UFMG. p. 25-50; 101-130.

__________. Raça, o significante flutuante. Revista Z Cultural, v. X, n. X, 1995.

HOOKS, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática da liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2017.

__________. Vivendo de amor. In: Weneck, Jurema; MENDONÇA, Maisa; WHITE, Evelyn C. O livro da saúde das mulheres negras: nossos passos vêm de longe. Rio de Janeiro, Pallas, 2006. P.188-198.

__________. Escolarizando homens negros. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 23, n. 3, p. 677-689, 2015. Disponível em: . Acesso em: 06 jan. 2019.

HUDSON-WEEMS, Clenora. Africana Womanism: the flip side of a coin. Western Journal of Black Studies, The. FindArticles.com. 30 Jul, 2011.

JESUS, Carolina Maria. Quarto de despejo: diário de uma favelada. São Paulo: Ática. 2014.

KARENGA, Maulana. A função e o futuro dos Estudos Africana: reflexões críticas sobre sua missão, seu significado e sua metodologia. NASCIMENTO, Elisa. L. (Org.) Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. São Paulo: Selo Negro, 2009.p. 333-359.

KASHINDI, Jean-Bosco Kakozi. Ubuntu Como ética africana, humanista e inclusiva. Cadernos IHUideias, v. 15, n 254, p. 03-24, 2003. Disponível em: . Acesso: 08 jan. 2019.

LOPES, Nei. Bantos, malês e identidade negra. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

LUZ, Marco Aurélio. Agadá: dinâmica da Civilização Africano-Brasileira. 4a edição. Salvador: EDUFBA, 2017.

Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias - Mulheres. Disponível em:. Acesso em: 08 de jan. 2019.

Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Disponível em: Acesso em: 08 de jan. 2019.

MALOMALO. Bas ́Ilele. Estudos Africana ou Estudos Africanos: Um campo em processo de consolidação desde a diáspora africana no Brasil. Capoeira – Revista de Humanidades e Letras, v. 3, n. 2, Ano 2017, p. 15-50.

MAZAMA, Ama. Afrocentricidade como um novo paradigma In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovadora. Tradução Carlos Alberto Medeiros. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 111 – 128.

MBEMBE, A. Crítica da Razão Negra. Trad. Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2014.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. São Paulo: N-1 Edições, 2018.

MOURA, Clovis. Rebeliões da Senzala. Porto Alegre: Mercado Aberto, 1988.

Mulherismo Africana: Katiúscia Ribeiro e Aza Njeri - Programa Ciência & Letras. Disponível em: Acessado: 11 de jan. 2019.

NASCIMENTO, Abdias. O quilombismo. Rio de Janeiro: Vozes, 1980.

NASCIMENTO, Gizêlda Melo. Grandes Mães, reais senhoras. In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Guerreiras de Natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 49-64.

NJERI, Aza; SISI, Ayana; AZIZA, Dandara. Psicologia africana como ferramenta de mudança social. In: Congresso Alfepsi. Rio de Janeiro: Alfepsi, 2018.

NJERI, Aza; Ribeiro, Katiúscia. Mulherismo africana: práticas na diáspora brasileira. In: Currículo sem Fronteiras. v. 19. n. 2, p. 595-608, maio/ago. 2019.

NJERI, Aza. Educação afrocêntrica como via de luta antirracista e sobrevivência na maafa. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação. Número 31: mai.-out./2019, p. 4-17.

NKOSI, Deivison Faustino. O pênis sem o falo: algumas reflexões sobre homens negros, masculinidades e racismo In Blay, Eva Alterman. Feminismos e Masculinidades: novos caminhos para enfrentar a violência contra a mulher. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2014, p. 75-104.

OYĚWÙMÍ, Oyèrónké. Conceituando o gênero: os fundamentos eurocêntricos dos conceitos feministas e o desafio das epistemologias africanas. Tradução Juliana Araújo Lopes para uso didático de: OYĚWÙMÍ, __________. Conceptualizing Gender: The Eurocentric Foundations of Feminist Concepts and the challenge of African Epistemologies. African Gender Scholarship: Concepts, Methodologies and Paradigms. CODESRIA Gender Series. v. 1, n. 1, Dakar, CODESRIA, 2004, p. 1-8.

RAMOSE, Mogobe B. A ética do ubuntu. Tradução Éder Carvalho Wen para uso didático de: RAMOSE, __________. The ethics of ubuntu. In: COETZEE, Peter H.; ROUX, Abraham P.J. (eds). The African Philosophy Reader. New York: Routledge, 2002, p. 324-330.

Relatório do Conselho Nacional de Justiça de 2018. Disponível em Acesso em: 08 de jan. 2019.

__________. Sobre a Legitimidade e o Estudo da Filosofia Africana. Tradução: Dirce Eleonora Nigro Solis, Rafael Medina Lopes, Roberta Ribeiro Cassiano. In: Ensaios Filosóficos, vol. IV, outubro/2011. Disponível em: . Acesso: 08 de jan. 2019.

SANTANA, Tiganá. Reverência. Salvador: Selo independente, 2010. Disponível em: . Acesso em: 12 abr. 2008.

SANTOS, B. S. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In SANTOS, B. S.; MENESES, M. P. Epistemologias do Sul. São Paulo: Cortez, 2010b, p. 71-94.

SANTOS, Daniel dos. Ogó: encruzilhadas de uma história das masculinidades e sexualidades negras na diáspora atlântica. Universitas Humanas, v. 11, n. 1, p. 7-20, jan./jun. 2014. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2019.

SIMAS, Luiz Antonio; RUFINO, Luiz. Fogo no mato: as ciências encantadas das macumbas. Rio de Janeiro: Mórula, 2018.

SODRÉ, Muniz. Pensar Nagô. Rio de Janeiro: Vozes, 2017.

SOMÉ, Sobonfu. O espírito da intimidade: ensinamentos ancestrais africanos sobre maneiras de se relacionar. Odysseus, 2003.

SOUZA, Ana Lúcia Silva. Letramentos de reexistência: Poesia, Grafite, Música, Dança: hip-hop. São Paulo: Editora Parábola, 2011.

SOUZA, Jessé de. A elite do atraso: da escravidão a lava jato. Rio de Janeiro: Leya, 2017.

SOUZA, Neusa Santos. Torna-se negro: as vicitudes da Identidade do Negro Brasileiro em Ascensão Social. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1983.

THEODORO, Helena. Mulher Negra, Cultura e Identidade In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Guerreiras de Natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 85-96.

__________. Religiões Afro-Brasileira In NASCIMENTO, Elisa Larkin. Guerreiras de Natureza: mulher negra, religiosidade e ambiente. São Paulo: Selo Negro, 2009, p. 65-84.

TRINDADE, Azoilda Loretto. Valores civilizatórios afro-brasileiros e educação infantil: uma contribuição afro-brasileira. In: BRANDÃO, Ana P.; TRINDADE, Azoilda L. Modos de brincar: caderno de atividades, saberes e fazeres. Rio de Janeiro: Fundação Roberto Marinho, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Revista Ítaca - Periódico acadêmico administrado e editado por discentes de pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal do Rio de Janeiro

ISSN (1519-9002 | 1679-6799) 

 

Última atualização: Agosto/2019

Last update: Agust/2019