DITONGAÇÃO VARIÁVEL DIANTE DE /S/ EM CODA SILÁBICA NA FRONTEIRA BRASIL/PARAGUAI

Valeska Gracioso Carlos, Márcia Cristina do Carmo

Resumo


Este trabalho objetiva analisar a ditongação diante de /S/ em coda silábica em vocábulos como paz, três, dez e cruz. A pesquisa foi realizada na fronteira entre o estado do Paraná-Brasil e departamento de Alto Paraná-Paraguai, buscando apurar a interinfluência da variedade linguística de migrantes do Sul do Brasil (variante sulista), contrastando com os que vieram das outras regiões, como Sudeste e Nordeste (variante nortista). O estudo segue os pressupostos teóricos da Dialetologia Pluridimensional e Relacional, que busca aliar a variação diatópica (horizontal) com a variação diastrática (vertical), convertendo o estudo tradicional da superfície bidimensional em estudo do espaço tridimensional da variação linguística (RADTKE; THUN, 1996; THUN, 1998; 2000; 2009; 2010). Os dados foram coletados por meio de entrevista in loco, com informantes brasileiros e paraguaios, totalizando 40 gravações. Para a seleção dos informantes; consideramos as dimensões diassexual, diastrática, diageracional, diatópico-cinética e dialingual. Os resultados foram cartografados em cartas linguísticas pluridimensionais, as quais nos revelaram que as variantes utilizadas pelos entrevistados estão diretamente relacionadas às recentes migrações e ao povoamento das cidades de pesquisa. Verificamos que a ocorrência de ditongação nos monossílabos com sibilantes é característica mais acentuada do falar nortista, enquanto que, no falar sulista, está pouco presente.

Palavras-chave


Variação linguística; fonética; fonologia, fronteira; ditongação

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, J. L. C. Fronteiras em movimento e identidades nacionais. A imigração brasileira no Paraguai. Fortaleza, 2005, 265 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Sociologia, Universidade Federal do Ceará, 2005.

ALTENHOFEN, C. V.; KLASSMANN, M. S. (Org.). Atlas Linguístico-etnográfico da Região Sul do Brasil – ALERS: cartas fonéticas e morfossintáticas. 2. ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS; Florianópolis: Ed. UFSC, 2011a.

______. Atlas Linguístico-etnográfico da Região Sul do Brasil – ALERS: cartas semântico-lexicais. Porto Alegre: Editora da UFRGS; Florianópolis: Ed. UFSC, 2011b.

ALTINO, F. C. ALPR II - Atlas linguístico do Paraná II. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem), Universidade Estadual de Londrina/UEL, 2007, 2v.

ARAGÃO, M. S.; MENEZES, C. Atlas Linguístico da Paraíba. Brasília: UFPB/CNPq, Coordenação Editorial, 1984.

BESSA, J. R. F. Atlas Linguístico do Ceará. V. I – Introdução, v. II – Cartogramas. Universidade Federal do Ceará. Fortaleza: UFC, 2010.

BRANDÃO, S. F. A geografia lingüística no Brasil. São Paulo: Ática, 1991.

BUSSE, S. Um Estudo Geossociolinguístico da Fala do Oeste do Paraná. 2010. 2.v. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem) Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

CALLOU, D. Um perfil da fala carioca. In: RIBEIRO, S. S. C.; COSTA, S. B. B.; CARDOSO, S. A. M. (Org.). Dos sons às palavras: nas trilhas da Língua Portuguesa. Salvador: EDUFBA, 2009, p. 145-146.

CARDOSO, S. A. Atlas Linguístico de Sergipe II. Salvador: EDUFBA, 2005.

AUTORA. 2015.

COLODEL, J. A. Cinco séculos de História. In: SILVA, G. H.; BUHÕES, R.; PERIS, A. F. (Org.). Mesorregião Oeste Paranaense: diagnóstico e perspectivas. Cascavel: Edunioeste, 2002.

COMITÊ NACIONAL DO PROJETO ALIB. Atlas Linguístico do Brasil. Questionários. Londrina: Editora da Universidade Estadual de Londrina, 2001.

DEITOS, N. J. Presença da igreja no oeste do Paraná: a construção do imaginário católico (1930-1990). 2004. Tese (Doutorado em História) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

FERREIRA, C. et al. Atlas Linguístico de Sergipe. Salvador: Universidade Federal da Bahia, Fundação Estadual de Cultura de Sergipe, 1987.

FIGUEIREDO, C. R. S. Topodinâmica da variação do português gaúcho em áreas de contato intervarietal no Mato Grosso. 2014, 299 f. Tese (Doutorado em Letras). Programa de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRG), Porto Alegre, 2014.

GREGORY, V. Os Eurobrasileiros e o Espaço Colonial: migrações no Oeste do Paraná (1940/70). Cascavel: EDUNIOESTE, 2002.

LABOV, W. Padrões sociolinguísticos. Tradução de Marcos Bagno, Maria Marta Pereira Scherre e Caroline Rodrigues Cardoso. São Paulo: Parábola, 2008. (Primeira edição em 1972).

LEIRIA, L. L. A ditongação variável em sílabas tônicas finais travadas por /S/. Organon. v. 14. n. 28-29. Porto Alegre: UFRS, p. 133-141, 2000.

MILLER, L. M. Um estudo sociolinguístico da comunidade de imigrantes brasileiros em Santa Rosa del Monday-Paraguai. 1996, 366 f. Dissertação (Mestrado) - Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, 1996.

MOTA, J. A.; SILVA, A. R. O vertical e o horizontal no português falado nas capitais das Regiões Sul e Sudeste do Brasil: a ditongação diante de /S/. In: CARDOSO, S. A. M.; MOTA, J. A.; PAIM, M. M. T. Documentos 3: projeto Atlas linguístico do Brasil. Salvador: Vento Leste, 2012.

PEIXOTO, C. S. Características acústicas do processo de epêntese do glide [j] diante de [s] não palatalizado. Revista do GEL, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 156-171, 2011.

RADTKE, E.; THUN, H. (Ed.). Neue Wege der romanischen Geolinguistik: Akten des Symposiums zur empirischen Dialektologie. Kiel: Westensee-Verl, 1996.

ROCHA, P. G.; PEREIRA, R. A. O processo de ditongação sob a perspectiva da fonología gerativa: aspectos sob variação linguística. Revista Língua e Literatura. v. 9, n. 13, p. 69-92, 2007.

ROSSI, N. et al. Atlas prévio dos falares baianos. Rio de Janeiro: MEC/INL, 1963.

SEARA, I. C.; NUNES, V. G.; LAZZAROTTO-VOLCÃO, C. Para conhecer: Fonética e Fonologia do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2015.

SILVA, A. R. Contribuições da Geolinguística nordestina ao estudo de um fato em variação: a ditongação diante de /S/. Entrepalavras. Fortaleza. Ano 3, v.3, n.1, p. 230-250, jan/jul 2013.

SILVA, T. C. Dicionário de Fonética e Fonologia. São Paulo: Contexto, 2011.

THUN, H. Movilidad demográfica y dimensión topodinámica. Los montevideanos en Rivera. In: RADTKE, E.; THUN, H. (Org.). Neue Wege der romanischen Geolinguistik: Akten des Symposiums zur empirischen Dialektologie. Kiel: Westensee-Verl., 1996. p. 210-269.

______. La géographie linguistique romane à la fin du XX e siècle. In. ENGLEBERT, A. et al. (Org.). Actes do XXII e Congrès International de Linquistique et de Philologie Romanes. Bruxelas: Max Niemeyer Verlag, 1998. p. 367-388.

______. O português americano fora do Brasil. In: GÄRTNER, E.; HUNDT, C.; SCHÖNBERGER, A. (Ed.). Estudos de geolingüística do português americano. Frankfurt a M.: TFM, p. 185-227, 2000.

______. A Geolinguística pluridimensional, a história social e a história das línguas. In: AGUILERA, V. A. (Org.). Para uma história do português brasileiro. Vol. VII: vozes, veredas, voragens. Londrina: EDUEL. Tomo II, 2009. p. 531-558.

_____. Variety Complexes in Contact: a Study on Uruguayan and Brazilian Fronterizo. In: AUER, P.; SCHMIDT, E. (Org.). Language and space: An International Handbook of Linguistic Variation. v. 1: Theories and Methods. Berlin, De Gruyter Mouton, 2010. p. 706-723.

ULIANO, C. G.; et al. A ditongação das sílabas tônicas finais travadas nos falares blumenauense e porto-alegrense: uma análise preliminar. Revista Acadêmica de Letras Português-UOX, n. 2, p. 94-104, 2014/1.




DOI: https://doi.org/10.35520/diadorim.2018.v20n2a18310

Apontamentos

  • Não há apontamentos.



Indexadores e bases bibliográfcias:
Google Scholar  LivRe  DRJI Base EZB  WorldCat Kubikat InfoGuide HNU 


Licença Creative Commons
A Revista Diadorim utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.