História, colonialismo, epistemologia: Aimé Césaire, Frantz Fanon e o pensamento decolonial

Autores

  • Thiago David Stadler Universidade Estadual do Paraná (UEPR)
  • Naiara Krachenski Universidade Estadual do Paraná

Palavras-chave:

Colonialismo, Decolonialismo, Violência, Epistemologia, História

Resumo

Neste artigo, buscamos compreender como a experiência colonial contemporânea foi absolutamente necessária para a construção e o desenvolvimento do pensamento e das estruturas político-sociais no Ocidente. Para tanto, recorremos à tríade história – colonialismo – epistemologia para mapear as intrínsecas relações entre o conhecimento e o poder e como tais relações forjaram uma epistemologia que foi utilizada para impor a violência e justificar os abusos cometidos em solo colonial. Partimos, para tanto, da experiência e do pensamento de Aimé Césaire e Frantz Fanon.  Ambos expuseram os problemas derivados da relação entre colonos, colonizados e mundo colonial chegando ao ponto de expor uma realidade apartada dos desenvolvimentos históricos do Ocidente.  Desse modo, não foram poucas as chamadas de ambos os autores para a total reintegração do sujeito colonial. Nessa busca por reintegração descortina-se a epistemologia ocidentalizada dominante e as críticas iniciadas por ambos os autores a um fazer histórico e filosófico mais descolonizado e, portanto, mais próximo à realidade vivida no sul global.

Biografia do Autor

Thiago David Stadler, Universidade Estadual do Paraná (UEPR)

Professor adjunto do colegiado de Filosofia da Universidade Estadual do Paraná. Professor permanente do Programa de Pós-Graduação Profissional em Filosofia (PROF-FILO). Professor colaborador do Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Paraná (PPGHIS-UFPR).

Naiara Krachenski, Universidade Estadual do Paraná

Mestre em História pela Universidade Federal do Paraná. Professora Colaboradora do Colegiado de História da Universidade Estadual do Paraná campus União da Vitória

Referências

BERNARDINO-COSTA, Joazer. “A prece de Frantz Fanon: Oh, meu corpo, faça sempre de mim um homem que questiona!” In Civitas, Porto Alegre, v.16, n.3, 2016.

CÉSAIRE, Aimé. Discurso sobre el colonialismo. Madrid: Ediciones Akal, 2006.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Lisboa: Editora Ulisseia Ltda, 1965.

GROSFOGUEL, Ramón & BERNARDINO-COSTA, Joaze. “Decolonialidade e perspectiva negra” In Revista Sociedade e Estado, v.31, n.1, 2016.

GROSFOGUEL, Ramón. “A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI” In Revista Sociedade e Estado, v.31, n.1, 2016.

GROSFOGUEL, Ramón. “La descolonización del conocimiento: diálogo crítico entre la visión descolonial de Frantz Fanon y la sociologia descolonial de Boaventura de Sousa Santos”, 2012, http://www.iepala.es/IMG/pdf/Analisis-Ramon_Grosfoguel_ sobre_Boaventura_y_Fanon.pdf, acesso em 02/08/18.

KAFKA, Franz. Na colônia penal. Porto Alegre, RS: L&PM, 2013.

MALDONADO-TORRES, Nelson. “Aimé Césaire y la crisis del hombre europeo” In Discurso sobre el colonialismo. Madrid: Ediciones Akal, 2006.

MIGNOLO, Walter. “El giro gnosiológico decolonial: la contribuición de Aimé Césaire a la geopolítica y la corpo-política del conocimiento” In Discurso sobre el colonialismo. Madrid: Ediciones Akal, 2006.

QUIJANO VALENCIA, Olver. “Césaire y la formación de pensamientos decoloniales” In Convergencia, n.43, UAEM, México, 2007.

WALLERSTEIN, Immanuel. “Aimé Césaire: colonialismo, comunismo y negritud” In Discurso sobre el colonialismo. Madrid: Ediciones Akal, 2006.

Downloads

Publicado

2019-05-24

Edição

Seção

Artigos