Cenografias e cinegrafias do olhar e da memória

Carmen Lucia Tindó Ribeiro Secco

Resumo


É nossa intenção, com base em Campo de trânsito, do escritor moçambicano João Paulo Borges Coelho, e em Virgem Margarida, de Licínio Azevedo, cineasta brasileiro radicado há anos em Moçambique, discutir de que forma os referidos romance e filme representam a ação opressora dos campos de reeducação em Moçambique e não só. O estado de exceção e a teatralidade do absurdo.


Palavras-chave


João Paulo Borges Coelho, Licínio Azevedo, campos de reeducação, teatro do absurdo, Moçambique.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, Welington. “O Teatro e as Metamorfoses do Olhar”. Revista CULT, edição 189. SP, 2014. Disponível em: http://revistacult.uol.com.br/home/2014/05/o-teatro-e-as-metamorfoses-do-olhar/ Acesso em 10/01/2017.

ALVARENGA, Nilson Assunção e LIMA, Marília Xavier de. “O Afeto em Deleuze: o Regime Cristalino e o Processo Afetivo da Imagem-Tempo no Cinema”. Portal Revistas UCB. In: http://portalrevistas.ucb.br/index.php/esf/article/viewFile/2911/2158 Acesso em 15/02/2015.

ANZIEU, Didier. Le moi-peau. Paris: Dunod, 1985, p.31.

ARAÚJO, Joel Zito. “O que é o Cinema Africano?”. In: África, cinema: um olhar contemporâneo. Publicação da Mostra de Cinema da Caixa Cultural. Rio de Janeiro: Caixa Econômica Cultural, 30/6 a 12/7/2015.

ARENAS, Fernando. Retratos de Moçambique pós-Guerra Civil: a filmografia de Licínio de Azevedo. In: BAMBA, Mahomed; MELEIRO, Alessandra (orgs.). Filmes da África e da diáspora: objetos de discursos. Salvador: EDUFBA, 2012. p. 75-98.

AUMONT, Jacques; MARIE, Michel. Dicionário teórico e crítico de cinema. Tradução de Eloisa Araújo Ribeiro. Campinas, SP: Papirus, 2003.

AZEVEDO, Licínio (Dir.). Virgem Margarida. Maputo; Lisboa; Paris; Luanda: Ébano Produções; Ukbar Filmes; JBA Production; DREADLOOCKS, 2012. Filme de 90 min.

Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=DZlwSOXuyP8 Acesso em 25/01/2017.

BAMBA, Mahomed. O(s) cinema(s) africano(s): no singular e no plural. In: BAPTISTA, Mauro; MASCARELLO, Fernando. Cinema mundial contemporâneo. Campinas, SP: Papirus, 2012. p. 215-231.

BOUGHEDIR, Ferid. O cinema africano e a ideologia: tendências e evolução. In: MELEIRO, Alessandra (Org.). Cinema no mundo: indústria, política e mercado-África. São Paulo: Escrituras, 2007. p. 37-56.

CABAÇO, José Luís. Percurso do cinema moçambicano. In: ARAÚJO, Guido (org.). Trocas culturais afro-luso-brasileiras. Salvador: Contraste, 2005. p. 12-19.

CAMUS, Albert. O mito de Sísifo: ensaio sobre o absurdo. Trad. de Ari Roitmane PaulinaWatch. Rio de Janeiro: Editora Record, 2004.

CAN, Nazir Ahmed. “Para além da História: Campo de trânsito de João Paulo Borges Coelho”. In: Via Atlântica, n. 16, p. 105-117. São Paulo: USP, 2009. Disponível em:

http://www.revistas.usp.br/viaatlantica/article/view/50466 Acesso em 19/01/2017.

CAN, Nazir Ahmed. Discurso e poder nos romances de João Paulo Borges Coelho. Maputo: Alcance, 2014.

CARVALHO, Wellington Marçal. “Viagem e Exílio em Campo de Trânsito de João Paulo Borges Coelho”. In: Cadernos CESPUC. N. 18. Belo Horizonte: PUCMG, 2009. p.43-51. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/cadernoscespuc/article/view/2426 Acesso em 15/12/2016.

COELHO, João Paulo Borges. Campo de trânsito. Lisboa: Caminho, 2007.

DELEUZE, Gilles. Espinosa. Filosofia prática. Trad. Daniel Lins e Fabien Pascal Lins. São Paulo: Escuta, 2002.

DELEUZE, Gilles. Cinema 1: a imagem-movimento. Trad. Stella Senra. São Paulo: Brasiliense, 1985.

DELEUZE, Gilles. Cinema 2: a imagem-tempo. Trad. Eloisa de Araujo Ribeiro. São Paulo: Brasiliense, 2009.

DELEUZE, Gilles. Cinema 2: a imagem-tempo. São Paulo: Brasiliense, 2009.

ESSLIN, Martin. O teatro do absurdo. Trad. de Bárbara Heliodora. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1968.

ESSLIN, Martin. “A Violência no Teatro”. Cadernos de Teatro. N. 47. Rio de Janeiro: publicação d´O Tablado, out.- nov.-dez. de 1970. p. 5-9. Disponível em:

http://otablado.com.br/wp-content/uploads/notebooks-theater/457e4792f62ae8de0d198671af4e436b.PDF Acesso: 18/01/2017.

FANON, Frantz. Os condenados da terra. Trad. de Enilce Alberfaria Rocha, Lucy Magalhães. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2005.

FANON, Franz. Em defesa da revolução africana. Trad. Isabel Pascoal. Lisboa: Sá da Costa, 1980.

FERRO, Marc. Cinema e história. Trad. Flavia Nascimento. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Trad.: Raquel Ramalhete. Petrópolis: Vozes, 1987.

HINOJOSA, Fedra R.. “Pas de Deux: a questão dos pares no teatro do absurdo”. In: Palimpsesto. Programa Pós-Graduação em Letras UERJ. N.10. Ano 9. RJ: UERJ, 2010. p. 1-11. Em: http://www.pgletras.uerj.br/palimpsesto/num10/dossie/palimpsesto10_dossie08.pdf Acesso em 28 de dezembro de 2016.

IONESCO, Eugène. O rinoceronte. Trad. Luís de Lima. São Paulo: Abril Cultural, 1976.

IONESCO, Eugène. A cantora careca. Trad. de Maria Lúcia Pereira. Campinas: Papirus, 1993.

IONESCO, Eugène. “La tragédie du langage”. In: Notes et contre-notes. Paris: Gallimard, 2006.

IONESCO, Eugène. Notas y contra-notas: estudios sobre el teatro. Trad. de Jaime Melendres. Buenos Aires: Losada: 1965.

MBEMBE, Achille. Crítica da razão negra. Trad. Marta Lança. Lisboa: Antígona, 2014.

MBEMBE, Achille. Sair da grande noite: ensaios sobre a África descolonizada. Trad. Narrativa Traçada. Revisão de Sílvia Neto. Lisboa; Luanda: Edições Pedagogo; Edições Mulemba, 2014.

MEDEIROS, Paulo. “Spectral postcoloniality: lusophone postcolonial film and the imaginary of the nation”. In: Postcolonial Cinema Studies. PONZANESI, Sandra e WALLER, Margueritte. London; New York: Routledge, 2012. pp. 129-142.

MIGNOLO, Walter. “Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política”. Cadernos de Letras da UFF. Dossiê Literatura, língua e identidade, nº 34, p. 287-324. Niterói: UFF, 2008.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Trad. de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MINOIS, Georges. História do riso e do escárnio. Trad. de Maria Elena O. Ortiz Assumpção. São Paulo: UNESP, 2003.

MIRZOEFF, Nicholas. “O Direito de Olhar”. Critical Inquiry. Publicação de University of Chicago Press. Vol. 37, n. 3. Primavera de 2011. pp. 473-496.

MOGRABI, Gabriel José Corrêa e REIS, Célia Maria Domingues da Rocha (Org.). Cinema, literatura e filosofia: interfaces semióticas. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2013.

NOVAES, Adauto et alii (Org.). O olhar. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SOUSA, Glória. As Feridas Abertas pelo Processo de Reeducação em Moçambique. In: DW. Notícias. Publicação na internet em 31/08/2013. Disponível em: http://www.dw.com/pt-002/as-feridas-abertas-pelo-processo-de reeduca%C3%A7%C3%A3o-em-mo%C3%A7ambique/a-16948901 Acesso em 30/10/2016.

SPINOZA, Benedictus. Ética. Trad. e notas de Tomaz Tadeu. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

THIONG'O, Ngugi Wa. A descolonização da mente é um pré-requisito para a prática criativa do cinema africano? In: MELEIRO, Alessandra (org.). Cinema no mundo: indústria, política e mercado-África. São Paulo: Escrituras, 2007. p. 25-32.

THOMAZ, Omar Ribeiro. “‘Escravos sem dono': a experiência social dos campos de trabalho em Moçambique no período socialista”. In: Revista de Antropologia. Vol. 51, nº 1. São Paulo, USP, 2008, p.177-214.




DOI: https://doi.org/10.35520/mulemba.2018.v10n18a14920

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Mulemba

Indexadores e bases bibliográfcias:
Periódicos Capes Latindex Diadorim EZB Google Acadêmico  DRJI  Livre Base  Sudoc Worldcat HNU  InfoGuide 


Licença Creative Commons
A Revista Mulemba utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.