Um “Pós-Colonial” perdido nos limites do colonialismo: Henrique Galvão e Os Bichos do Mato

Sandra Sousa

Resumo


Este artigo tem como intenção analisar como o romance Kurika (1944) de Henrique Galvão poderá ser entendido como uma das primeiras obras de literatura colonial sobre Angola precursoras de um pensamento pós-colonial, materializado posteriormente no campo dos Estudos Animais (EA). Enfatizo o termo literatura colonial, pois na literatura portuguesa outros antes de Galvão já tinham incursado na proposta de “novas maneiras de pensar as complexas e controversas relações entre homens e animais não humanos” (Silva 187), como é o caso de Vitorino Nemésio em O Bicho Harmonioso e em Cavalo Encantado. Na literatura lusófona, em geral, outros nomes podem ser mencionados como produtores dos seus bestiários literários, tais como Miguel Torga, Herberto Helder, Clarice Lispector, Guimarães Rosa, Aquilino Ribeiro e Mia Couto. O Kurika revela-se, no entanto, como obra literária relativamente negligenciada pela crítica, embora tivesse sido leitura obrigatória no ensino preparatório português depois da queda do regime ditatorial. É, deste modo, aqui intuito resgatar este “romance dos bichos do mato” dada a relevância que ele proporciona à compreensão de um campo de investigação quando este ainda não se tinha sequer formado, o dos EA, e para o entendimento de uma vertente da literatura colonial portuguesa ainda não explorada e da complexa relação que esta pode ter com os estudos pós-coloniais e a sua vertente dos Estudos Animais.


Palavras-chave


Estudos Animais, Literatura Colonial, Henrique Galvão.

Texto completo:

PDF

Referências


AHUJA, Neel. Postcolonial Critique in a Multispecies World. PMLA, vol. 124, n. 2 March 2009: p. 556–563.

ANTÃO, Nelson Moreira e Célia Gonçalves Tavares. Henrique Galvão e o Assalto ao Santa Maria. Percurso de uma Dissidência do Estado Novo e Suas Repercussões Interacionais. Revista Sapiens, n. 0, 2008: p. 84-110.

BARRETO, José. Henrique Galvão (1895-1970). Dicionário de História de Portugal—Suplemento. A. Barreto e F. Mónica (eds.). vol III. Porto: Figueirinhas, 1999, p. 81-88.

CHAGANI, Fayaz. Can the Postcolonial Animal Speak? Society & Animals. n. 24, 2016: p. 619-637.

CLAVARON, Yves. Writing the Postcolonial Animal: Patrice Nganang’s Temps de Chien. Contemporary French and Francophone Studies. vol. 16, n. 4, 2012: p. 553-561.

CORDEIRO-RODRIGUES and Les Mitchell (eds.). Animals, Race, And Multiculturalism. London: Palgrave Mcmillan, 2017.

CROSBY, Alfred W. Ecological Imperialism: The Biological Expansion of Europe 900-1900. Cambridge: Cambridge University Press, 1992.

GALVÃO, Henrique. Kurika. Romance dos Bichos do Mato. Lisboa: Livraria Popular Francisco Franco, 1984.

KALOF, Linda and Georgina M. Montgomery (eds.). Making Animal Meaning. Michigan: Michigan State University, 2011.

LEITÃO, Leonoreta. A Escola e a Literatura para Crianças. No Branco do Sul as Cores dos Livros. Encontros sobre Literatura para Crianças e Jovens. Actas 2001-2002. Lisboa: Caminho, 2005, p. 219-250.

MANGIN, Jean-Pierre. O Leão e a Sua Simbólica. Revista Filatélica. vol. 111, n. 11, 2002: p. 24-30.

PINA-CABRAL, João de. Galvão among the Cannibals: The Emotional Constitution of Colonial Power. Identities. vol. 8, n. 4, 2001: p. 483-515.

SILVA, Anna. O Bestiário de Nemésio ou como escrever uma Zoopoética açoriana. Scriptorium. vol. 4, n. 2, 2018: p. 186-203.

TAYLOR, Nick and Richard Twine (eds.). The Rise of Critical Animal Studies. From the margins to the centre. London and NY: Routledge, 2014.

WOODWARD, Wendy. Postcolonial Ecologies and the Gaze of Animals: Reading Some Contemporary Southern African Narratives. JLS/TLW, vol. 19, n. 3-4, 2003: p. 290-315.




DOI: https://doi.org/10.35520/mulemba.2020.v12n23a32190

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2021 Revista Mulemba

Indexadores e bases bibliográfcias:
Periódicos Capes Latindex Diadorim EZB Google Acadêmico  DRJI  Livre Base  Sudoc Worldcat HNU  InfoGuide 


Licença Creative Commons
A Revista Mulemba utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.