Nas tramas e linhas da textualidade oral em Niketche - uma história de poligamia

Soraya do Lago Albuquerque, Marinei Almeida

Resumo


O objetivo deste artigo é apresentar um estudo feito sobre a presença da oralidade no romance da moçambicana Paulina Chiziane, Niketche: uma história de poligamia (2002). Refletimos, também, sobre o modo como essa oralidade perpassa as histórias das personagens femininas nesse romance. Estas histórias estão atreladas aos moldes de uma sociedade patriarcal cujos valores são questionados por meio da inserção das crenças, músicas e magias que envolvem a cultura diversificada dessas mulheres e, logo, do espaço que elas ocupam. Tais elementos são apresentados no romance como aliados dessas mulheres que, por meio das múltiplas vozes que são expressas pela escrita literária, trazem um teor significativo de contestação e ao mesmo tempo de empoderamento do ser feminino, sobretudo no ato da busca da tão sonhada autonomia e significação enquanto sujeito histórico. Alguns dos apoios bibliográficos que nos auxiliam a reflexão são: Leite (1998), Chabal (1994), Candido (2002), Mata (2003), Bhabha (2007), Walter (2003), entre outros.

Palavras-chave


Literatura moçambicana, Paulina Chiziane, tradição oral, mulher.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.35520/mulemba.2016.v8n15a5336

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Revista Mulemba

Indexadores e bases bibliográfcias:
Periódicos Capes Latindex Diadorim EZB Google Acadêmico  DRJI  Livre Base  Sudoc Worldcat HNU  InfoGuide 


Licença Creative Commons
A Revista Mulemba utiliza uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.