A QUALIDADE AMBIENTAL DE NASCENTES DENTRO E FORA DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SUDESTE DO BRASIL

Luciana Falci Theza Rodrigues, Cézar Henrique Barra Rocha, Roberto da Gama Alves

Abstract


 

Nascentes são ecossistemas de grande importância econômica, social, cultural e ecológica. Apesar de legalmente protegidas, muitas nascentes têm sido degradadas ou desaparecem em decorrência do seu mau uso e pelo crescimento e expansão urbana mal planejados. Neste trabalho utilizamos um protocolo de avaliação rápida (PAR) para avaliar a qualidade ambiental de 71 nascentes, inseridas ou não, em Unidades de Conservação (UCs) em oito localidades no estado de Minas Gerais, Brasil. Nascentes localizadas em UCs foram mais bem pontuadas e classificadas como ótimas ou boas, com exceção de uma UC urbana, onde suas nascentes apresentaram classificação razoável. Nascentes não inseridas em UCs enquadraram-se nas categorias razoável e ruim. Os resultados mostram a importância das UCs na preservação das nascentes, mas também sua vulnerabilidade quando localizadas em ambientes urbanos. A retirada da vegetação ao redor, falta de proteção e livre acesso foram os principais problemas observados durante o estudo, principalmente nas nascentes localizadas em áreas não abrangidas por UCs. Os Protocolos de Avaliação Rápida têm se mostrado úteis no monitoramento de ambientes aquáticos e é uma ferramenta auxiliar importante nas tomadas de decisão sobre áreas prioritárias para conservação e medidas de recuperação de habitats.

 

 

 

ENVIROMENTAL QUALITY OF WATER SPRINGS INSIDE AND OUTSIDE CONSERVATION UNITS IN SOUTHEAST BRAZIL: Water springs are ecosystems of great economic, social, cultural and ecological importance. Although legally protected, many springs have been degraded or have disappeared due to its misuse and to badly planned urban growth and expansion. In this study we have applied a rapid assessment protocol (PAR) to evaluate the environmental quality of 71 water springs, located within Conservation Units (UCs) or not, in eight localities in the state of Minas Gerais, Brazil. Springs located in UCs were better scored and classified as great or good, with the exception of one urban UC, where its springs presented a moderate classification. Springs outside of UCs fit into the moderate and bad categories. Results show the importance of UCs in the preservation of springs, but also their vulnerability when located in urban sites. Removal of surrounding vegetation, lack of protection and open access were the main problems observed during the study, especially in springs located in areas not encompassed by UCs. Rapid Assessment Protocols have shown to be useful in the monitoring of aquatic environments and are important auxiliary tools when making decisions about prioritizing areas for conservation and habitat recovery measures.



Keywords


headwaters; conservation; water hole; rapid assessment protocol; environmental quality

References


Araújo, S. M. V. G. 2002. As áreas de preservação permanente e a questão urbana. Consultora Legislativa da Área XI Meio Ambiente e Direito Ambiental, Organização Territorial, Desenvolvimento Urbano e Regional. Brasília: p.12.

Barreto, S. R. 2010. Nascentes do Brasil: estratégias para a proteção de cabeceiras em Bacias Hidrográficas. WWF Brasil:Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. São Paulo: p.141.

Bascik, M., Chelmicki W., Urban. J. 2009. Geoconservation of Springs in Poland. Episodes 32 (3): 177-185.

Brasil. 2012. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Novo Código Florestal Brasileiro. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, Distrito Federal, Brasil.

Davide, A. C., Pinto, L. V. A., Monnerat, P. F., Botelho, S. A., Prado, N. J. S. 2004. Nascente: o verdadeiro tesouro da propriedade rural. CEMIG, 2ª ed. Belo Horizonte: p. 62.

Donadio, N. M. M. Galbiatti, J. A. Paula, R. C.2005. Qualidade da água de nascentes com diferentes usos do solo na bacia hidrográfica do Córrego Rico, São Paulo, Brasil. Engenharia Agrícola, 25 (1): 115-125. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0100-69162005000100013

Felippe, M. F. 2009. Caracterização e tipologia de nascentes em unidades de conservação de Belo Horizonte, MG com base em variáveis geomorfológicas, hidrológicas e ambientais. Dissertação de Mestrado. Departamento de Geografia da Universidade Federal de Minas Gerais. p. 277.

Glazier, D. S. 2009. Springs. In: G. E. Likens (Ed.), Encyclopedia of inland waters. pp. 734-755. Academic Press Elsevier: Oxford, UK.

Gomes, E. R. 2015. Diagnóstico e avaliação ambiental das nascentes da Serra dos Matões, município de Pedro II, Piauí. Tese de Doutorado. Instituto de Geociências e Ciências Exatas da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho. p.137.

Gomes, P. M., Melo, C., Vale, V. S. 2005. Avaliação dos impactos ambientais em nascentes na cidade de Uberlândia-MG: análise macroscópica. Sociedade & Natureza, 17 (32):103-120.DOI: http://www.redalyc.org/articulo.oa?id=321327186009

Janusz, S.; Pociask-Karteczka, J. 2017. Springs in South-Central Poland–changes and threats. Episodes, 40 (1): 38-46. DOI: 10.18814/epiiugs/2017/v40i1/017006

Lozinski, M. A., Balbinot, R., Venâncio, D., Oliveira Filho, P. C., & Schirmer, W. N. 2010. Diagnóstico das áreas de preservação permanente de nascentes na área urbana do município de Irati-PR. Floresta, 40: 63-70(1). DOI: http://dx.doi.org/10.5380/rf.v40i1.17099.

Machado, L. C., Selva, V. S. F., & Santos, S. M. 2018. Proposta metodológica interdisciplinar como ferramenta para o potencial de conservação de nascentes. Journal of Environmental Analysis and Progress, 3(1): 8-23. DOI: 10.24221/jeap.3.1.2018.1660.008-023

Ministério do Meio Ambiente (MMA). 2008. Unidades de Conservação: Conservando a vida, os bens e os serviços ambientais. Disponível em: http://www.mma.gov.br/estruturas/pda/_arquivos/prj_mc_061_pub_car_001_uc.pdf Acesso em 31 de julho de 2017.

Pieroni, J. P., Branco, K. G. R., Valle-Dias, G. R., & Ferreira, G. C. 2019. Avaliação do estado de conservação de nascentes em microbacias hidrográficas. Revista Geociências, 38(1), 185-193.

Pinto, L. V. A. 2003. Caracterização física da sub-bacia do Ribeirão Santa Cruz, Lavras, MG, e proposta de recuperação de suas nascentes. Dissertação de Mestrado. Departamento de Engenharia Florestal da Universidade Federal de Lavras. p. 165.

Rodrigues, A. S. D. L., & Castro, P. D. T. A. 2008. Protocolos de avaliação rápida: instrumentos complementares no monitoramento dos recursos hídricos. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 13 (1): 161-170. DOI: 10.21168/rbrh.v13n1.p161-170.

Souza, A. B. 2011. Avaliação da qualidade ambiental nas nascentes do Rio Monjolinho na porção à montante da Estação de Captação de Água do Espraiado, São Carlos-SP. Dissertação de Mestrado. Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal de São Carlos. p. 185.

Teixeira, S. 2017. Recuperação e conservação de nascentes. Disponível em: https://www.cpt.com.br/cursos-meioambiente/artigos/nascentes-importancia-processo-de-recuperacao-e-conservacao-da-agua. Acesso em: 29 de maio de 2017.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.