DOS EPIGRAMAS DE CATULO AOS ALTARES E ESTELAS FUNERÁRIOS: AS IMAGENS AFETIVAS DA MORS NA GÁLIA CISALPINA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.26770/phoinix.v27n2a4

Palavras-chave:

epigrama, morte, luto, afeto, dor

Resumo

As imagens mortuárias e sua natureza iconográfica são imprescindíveis para se compreender a experiência social da morte nas sociedades mediterrânicas. O cuidado com o culto aos mortos se revela em narrativas textuais, como, por exemplo, em epigramas e em vestígios materiais presentes em museus e necrópoles. A historiografia documenta a estreita relação entre os vestígios textuais e materiais associada não apenas à forma, mas, segundo se supõe, também à dimensão emocional. Nesse contexto, este artigo se debruça sobre as imagens afetivas da morte em dois epigramas de Catulo – 68 e 101 – e em altares e estelas de Mediolanum. Especificamente, este estudo analisa a expressão pública da dor e a inserção de dimensões emocionais no modo como os mortos eram lembrados nas regiões da Gália Cisalpina.

Métricas

Carregando Métricas ...

Downloads

Publicado

2021-12-28

Como Citar

OMENA, Luciane Munhoz de. DOS EPIGRAMAS DE CATULO AOS ALTARES E ESTELAS FUNERÁRIOS: AS IMAGENS AFETIVAS DA MORS NA GÁLIA CISALPINA. PHOÎNIX, [S. l.], v. 27, n. 2, p. 74–96, 2021. DOI: 10.26770/phoinix.v27n2a4. Disponível em: https://revistas.ufrj.br/index.php/phoinix/article/view/49098. Acesso em: 15 abr. 2024.

Edição

Seção

DOSSIÊ