A política de Assistência Estudantil: entre êxitos e incompletudes

Simone Eliza do Carmo Lessa

Resumo


Apresentamos reflexão sobre a política de Assistência Estudantil no Brasil, sua história, expansão e configurações contemporâneas. Esta política tem se tornado um campo importante e crescente do trabalho do Assistente Social na Educação, devendo ser, portanto, objeto de análise e acompanhamento de seu desenvolvimento, em um contexto de crise capitalista e de seus inegáveis reflexos econômicos e sociais nas políticas públicas. Na presente reflexão objetivamos trazer contribuições para este importante campo de trabalho, no qual já estivemos atuando. Para tanto, partimos de análise do trabalho do Assistente Social na Educação, sua inserção e visível presença na construção da Assistência Estudantil, indicando potencialidades, aspectos incompletos e limitadores contidos nesta experiência.

Palavras-chave


Educação. Assistência Estudantil. Serviço Social.

Texto completo:

PDF

Referências


ALGEBAILE, Eveline. Escola pública e pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: FAPERJ/Lamparina, 2009.

ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. Serviço Social e política educacional: um breve balanço dos avanços e desafios desta relação, 2003. Disponível em www.cress-mg.org.br/textos/ acesso em 01/11/2004.

ANDRES, Aparecida. Aspectos da assistência estudantil nas Universidades brasileiras. Câmara dos Deputados, Brasilia, DF. Disponível em http://www2.camara.leg.br/documentos-e-pesquisa/publicacoes/estnottec/areas-da-conle/tema11/2011_4354.pdf, acesso em 02/02/2016.

BRASIL, Câmara dos Deputados. Decreto 19.851, de 11/04/1931. Decreta fins de Ensino Universitário. Estatuto das Universidades. Disponível em http://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/1930-1939/decreto-19851-11-abril-1931-505837-publicacaooriginal-1-pe.html, acesso em 12/05/2016.

BRASIL, Lei Estadual/ RJ 6434/2013. Disciplina sobre o sistema de cotas para a Universidade do Estado do Rio de Janeiro, em relação ao Instituto de Aplicação Fernando Rodrigues da Silveira, CAp/UERJ. Disponível em http://alerjln1.alerj.rj.gov.br/CONTLEI.NSF/f25571cac4a61011032564fe0052c89c/087bb8cd053320fc83257b4f0066f6f1?OpenDocument, acesso em 13/06/2014.

BRASIL, IBGE. PNAD 2015. Disponível em http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/pesquisas/pesquisa_resultados.php?id_pesquisa=149, acesso em 13/04/2016.

BRASIL, Lei 12.101, de 27 de novembro de 2009. Dispões sobre a certificação de entidades beneficentes de assistência social. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l12101.htm, acesso em 27/06/2012.

BRASIL, MEC. Censo Escolar 2015. Disponível em http://portal.inep.gov.br/basica-censo. Acesso em 01/03/2016.

BRASIL, MEC. Expansão da Rede Federal de Educação profissional e Tecnológica. Disponível em http://institutofederal.mec.gov.br/, acesso em 01/03/2016.

BRASIL. Plano Nacional de Educação. Lei 13.005/2014. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13005.htm, acesso em 28/03/2016.

CUNHA, Luiz Antonio. O ensino profissional na irradiação do industrialismo. São Paulo: EDUNESP, 2000.

____. Ensino Profissional. O grande fracasso da ditadura. In: Cadernos de Pesquisa. No. 154, out-dez 2014. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/cp/v44n154/1980-5314-cp-44-154-00912.pdf, acesso em 0204/2016.

CURY, Carlos Roberto Jamil, TAMBINI, Maria Ignez Saad Bredran e SALGADO. Maria Umbelina Caiafa. A profissionalização do ensino na Lei 5692/71. Brasília, INEP, 1982 Disponível em http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002257.pdf, acesso em 02/01/2016.

FERNANDES, Florestan. O desafio educacional. São Paulo: Cortez/Autores Associados, 1989.

FRIGOTTO, Gaudêncio. A produtividade da escola improdutiva. São Paulo: Cortez, 1993.

IAMAMOTO, Marilda Vilela. Serviço Social em tempo de capital fetiche; capital financeiro, trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

LEHER, Roberto. Reforma do Estado: O privado contra o público. Rev. Educação, Saúde e Trabalho, 1(2): 27-51, 2003.

LIMA, Katia. Expansão da educação superior brasileira na primeira década do novo século. In: PEREIRA, Larissa Dahmer e ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de. Serviço Social e Educação. Coletânea nova de Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2012.

NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social. Uma análise do Serviço Social no Brasil pós 1964. São Paulo: Cortez, 1991.

PASSETTI, Edson. Crianças Carentes e Políticas Públicas. In: PRIORE, Mary Del (Org.). História das Crianças no Brasil. Questões da nossa época. São Paulo: Contexto, 2000.

Revista FONAPRACE. Histórias, memórias e múltiplos olhares. Organizado pelo Fórum Nacional de Pró-reitores de Assuntos Comunitários e Estudantis, coordenação, ANDIFES. – UFU, PROEX : 2012.

ROMANELLI, Otaiza de Oliveira. História da Educação no Brasil. 25ª ed. São Paulo: Vozes, 2001.

SAMPAIO, Helena. O setor privado de Ensino Superior no Brasil: continuidades e transformações. In: Revista Ensino Superior, Unicamp, 2011. Disponível em https://www.revistaensinosuperior.gr.unicamp.br/edicoes/ed04_outubro2011/05_ARTIGO_PRINCIPAL.pdf, acesso em 24/04/2016, pág. 28-43.

SAVIANI, Demerval. Trabalho e Educação. Fundamentos Ontológicos e Históricos. Revista Brasileira de Educação. Vol. 12, no 34. 2007.

____. O legado educacional do regime militar. In: Cadernos Cedes, Campinas, vol. 28, n. 76, p. 291-312, set./dez. 2008.

SHIROMA, Eneida Oto, MORAES, Maria Célia de, EVANGELISTA, Olinda (orgs). Política Educacional. Rio de Janeiro, DP&A, 2000.

UNB, FONAPRACE. Documentos produzidos, 2001. Disponível em http://www.unb.br/administracao/decanatos/dac/fonaprace/documentos/pna.htm, acesso em 03/03/2016.




Direitos autorais 2017 Revista Praia Vermelha