Direitos sexuais e reprodutivos no campo das masculinidades: uma breve revisão

Daniel de Souza Campos

Resumo


Analisa artigos publicados entre 2010 e 2016 enfocando discussões sobre homens e masculinidades no campo da saúde e dos direitos sexuais e reprodutivos. Conjuga a revisão bibliográfica integrativa a uma análise de conteúdo. Os dados revelam o pouco investimento na organização do serviço numa perspectiva de gênero, reforçando o senso comum de que os homens não são usuários dos serviços de saúde. É necessário que os serviços adotem estratégias que se voltem tanto para a ampliação da oferta de ações como para a sensibilização dos homens para o autocuidado.


Palavras-chave


saúde sexual e reprodutiva; masculinidades; homem; relações de cuidado e relações de gênero.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, L. Analise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

BRASIL. Lei n. 9.263 de 12 de janeiro 1996 (BR). Regula o § 7º do art. 226 da Constituição Federal, que trata do planejamento familiar, estabelece penalidades e dá outras providências. Diário Oficial da União [periódico na internet]. 12 jan 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9 263.htm

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, 1988.

BRASIL. Ministério da Saúde. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde de Homens: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2009.

COELHO, et al., Saberes e práticas de homens perante o planejamento reprodutivo. Revista de Enfermagem do Centro Oeste Mineiro, 2016.

COELHO, et al., O cuidado em saúde na velhice: a visão do homem. Saúde e sociedade.[online]. 2016b.

Couto MT et al., O homem na Atenção Primária à saúde: discutindo a (in)visibilidade a partir da perspectiva de gênero. Interface comunicação e Saúde. 2003.

COUTO M. T.; GOMES R. Homens, saúde e políticas públicas: a equidade de gênero em questão. Ciência & Saúde Coletiva, v. 17, n. 10, pp. 2569-2578, 2012.

COSTA, R.G. Saúde e masculinidade: reflexões de uma perspectiva de gênero. Revista brasileira de Estudos de População, v.20, n.1, p.79-92, 2003.

CUNHA, R. B.; GOMES, R. Sentidos atribuídos aos cuidados de saúde e à prevenção de DST/Aids em específico por jovens gays. Revista de Saúde Coletiva, 2016.

FIGUERO-PEREA, J. G. La representacion social de los varones en estúdios sobre masculinidade y representacion: um muestrario de reflexiones. In I Seminário Internacional/II Seminário Norte-Nordeste sobre: Homens, Sexualidade e Reprodução: Tempos, Práticas e Vozes. Recife, 2003.

GOMES, R.; NASCIMENTO, E.F. A produção do conhecimento da saúde pública sobre a relação homem-saúde: uma revisão bibliográfica. Cadernos de Saúde Pública, 22(5): 901-911, 2006.

GOMES, R. A construção da masculinidade como fator impeditivo de cuidar se si. Projeto de Pesquisa vinculado a bolsa de produtividade em Pesquisa apoiado pelo CNPq. Rio de Janeiro: IFF-Fiocruz, 2004.

GOMES, R. Relatório final de pesquisa: Os cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a paternidade a partir da perspectiva relacional de gênero / Romeu Gomes; subcoordenadora, Lidianne Vianna Albernaz; colaborador, Daniel de Souza Campos. - Rio de Janeiro: Ministério da Saúde, 2016.

GOMES, R. et al., Linhas de cuidados masculinos voltados para a saúde sexual, a reprodução e a paternidade. Ciência &saúde coletiva, 2016.

HEILBORN, M. L. Articulando gênero, sexo e sexualidade: diferenças na saúde. In: GOLDENBERG, P.; MARSIGLIA, R. M. G.&GOMES, M. H. A. (Orgs.) O clássico e o novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sociais e saúde. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2003.

KEIJZER B. Hasta donde el cuerpo aguante: género, cuerpo y salud masculina. In: Cáceres C, Cueto M, Ramos M, Vallens S, organizadores. La salud como derecho ciudadano: perspectivas y propuestas desde América Latina. Lima: Facultad de Salud Pública y Administración, Universidad Peruana Cayetano Heredia; 2003. p. 137-52.

KNAUTH, D.R. et al., A. Staying awake: truck drivers' vulnerability in Rio Grande do Sul, Southern Brazil. Revista de Saúde Pública 2012.

KUROKAWA E SILVA, N. E. Imaginário social sobre o SUS e vulnerabilidade de homens ao acesso a diagnóstico e tratamento de infecções sexualmente transmissíveis. Revista Eletrônica de Comunicação, Informação & Inovação em Saúde, [S.l.], v. 10, n. 1, mar. 2016. ISSN 1981-6278. Disponível em: . Acesso em: 10 sep. 2017.

LAURENTI, R.; MELLO-JORGE M. H. P.; GOTLIEB, S. L. D. Perfil epidemiológico da morbi-mortalidade masculina. Ciência & saúde coletiva [online]. 2005 jan/mar; [citado2017set.17];10(1):[aprox.12telas].Disponívelem http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232005000100010.

MACHIN, R. et al. Concepções de gênero, masculinidade e cuidados em saúde: estudo com profissionais de saúde da atenção primária. Ciência & saúde coletiva. Rio de Janeiro, v. 16, n. 11, p. 4503-4512, 2011.

MINAYO. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo. Hucitec, 2010

LIMA, T. C. S.; MIOTO, R. C. T. Procedimentos metodológicos na construção do conhecimento científico: a pesquisa bibliográfica. Revista. katálysis, Florianópolis, v. 10, n. spe, 2007.

MINELLO, N. Los estudios de masculinidad. México. En: Estudios Sociológicos del Colegio de México, 2002.

MOREIRA, M. C. N.; GOMES, R. RIBEIRO, C. R. E agora o homem vem?! Estratégias de atenção à saúde dos homens. Cadernos de Saúde Pública. 2016.

MOURA, E. C. et al., Percepções sobre a saúde dos homens numa perspectiva relacional de gênero. Ciência & saúde coletiva, 2014.

NASCIMENTO, A. R. A. et al., Masculinidades e práticas de saúde na região metropolitana de Belo Horizonte - MG. Saúde e sociedade. 2011.

Organização das Nações Unidas. Conselho nacional de direitos da mulher. IV Conferência mundial sobre a mulher. Rio de Janeiro: FIOCRUZ; 1996.

PICCININI, C. A. et al., O envolvimento paterno durante a gestação. Psicol Reflex Crit. [Scielo-Scientific Electronic Library Online] 2004 [citado em 05 set 2017]. 17(3):303-14. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/%0D/prc/v17n3/a03v17n3.pdf.

SCHRAIBER, L. B. et al., (2010), “Necessidades de saúde e masculinidades: atenção primária no cuidado aos homens”, Caderno de Saúde Pública, 26(5). Consultado em 01.09.17 em http://www.scielosp.org/pdf/csp/v26n5/18.pdf.

SEPARAVICH, M. A.; CANESQUI, A. M. Saúde do homem e masculinidades na Política Nacional de Atenção Integral à Saúde do Homem: uma revisão bibliográfica. Saúde e sociedade. [online]. 2013, vol.22, n.2,

SCHRAIBER, L. B. et al., Homens, violência e saúde: uma contribuição para o campo de pesquisa e intervenção em gênero, violência doméstica e saúde. Relatório Final de Pesquisa à Fapesp. FM-USP, São Paulo.

VIEIRA, K. L. D. et al., Atendimento da população masculina em unidade básica saúde da família: motivos para a (não) procura. Escola Anna Nery. 2013.




Direitos autorais 2019 Revista Praia Vermelha

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt_BR