Para a análise dos movimentos sociais urbanos: da concepção de comunidade à teoria do valor trabalho de Marx

Maria Helena Rauta Ramos

Resumo


Reflexões sobre movimentos sociais que ocorrem no espaço urbano, resultantes dos anos mais produtivos da trajetória intelectual da autora, tendo como ponto de partida o momento em que se integrou ao corpo docente da Escola de Serviço Social da UFRJ, em 1978, através de concurso público, ocupando a vaga de professor assistente. O título de Mestre em Serviço Social foi obtido no Programa de Pós-gradução da PUC/RJ, com uma dissertação sobre movimentos comunitários, concebidos como lutas desencadeadas por agentes locais por equipamentos coletivos e instalações de infraestrutura urbana, o que se denominava, à época, processo de ação comunitária.
Este artigo se referencia na teoria social marxiana e se propõe, num primeiro momento, a uma crítica do conceito de comunidade, subjacente nas formulações sobre Desenvolvimento de Comunidade baseadas em estudos da Escola de Chicago, hegemônica na sociologia urbana até 1950. Nas sequência são expostas as vertentes predominantes no debate brasileiro sobre movimentos sociais: a de base weberiana, considerada politicamente "neutra", expressa na obra de Alain Touraine, e adotada hoje por Manuel Castells (1999); a tendência reformista, extraída do marxismo estruturalista, característica de Manuel Castells das décadas de 1970 e 1980, que restringe a concepção de movimentos sociais urbanos às lutas de reprodução da força de trabalho no espaço residencial; e finalmente a de base marxiana, visto explicar o urbano a partir da teoria do valor trabalho, como espaço de formação, realização e distribuição da mais-valia, encontrada em Lefebvre (2001) e Lojkine (1997), concebendo os movimentos sociais como uma expressão da luta de classes que toma como referência, na totalidade social, as determinações materiais do espaço urbano, a partir da teoria do valor de Marx, que coloca como desafio a ultrapassagem do capitalismo e a construção de uma sociedade igualitária e democrática.


Palavras-chave


Movimentos sociais urbanos; Comunidade; Lutas de classe e Teoria do valor trabalho.

Texto completo:

PDF

Referências


BOCCARA, Paul. "Sur la révolution industrielle du XVIIIe. Siècle et ses prolongements jusqu'a l'automation". In: La Pensée, n° 115, junho de 1964, p. 36-64).

____. "Quelques indications sur la revolution informationnele". In: La Pensée. Paris: Editions Sociales, no 241, setembro de 1984.

CASTELLS, Manuel. Lutas urbanas e poder político. Porto: Gráfica Firmeza,1976.

____. Cidade, democracia e socialismo. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

____. A sociedade em rede. A era da informação: economia, sociedade e cultura. Vol. I. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

____. O poder da identidade. A era da informação: economia, sociedade e cultura. V.2. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

____. A questão urbana. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2000.

____. Redes de indignação e esperança. Movimentos sociais na era da internet. Rio de Janeiro: ZAHAR, 2012.

CHAPOULIE, Jean-Michel. La tradition sociologique de Chicago 1892-1961. Paris, Seuil, 2001.

COHN, Gabriel. “Alguns problemas conceituais e de tradução em Economia e Sociedade”, in: WEBER, Marx. Economia e Sociedade. Brasília: UnB, 2000, V. I. p. XIII-XV.

DURKHEIM, Émile. Da divisão do trabalho social. São Paulo, Martins Fontes, 1999.

GRAFMEYER e JOSEPH. “Présentation. La ville-laboratoire et milieu urbain”. In.: GRAFMEYER e JOSEPH (org.). L’ École de Chicago. Paris: Albier, 1990]

HEGEL, G. W. F. A ciência da lógica (Volume I de Enciclopédia das Ciências Filosóficas). São Paulo: Edições Loyola, 1995.

IASI, M. L. "A rebelião, a cidade e a consciência", in: VAINER, C. et al. Cidades rebeldes. Passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. São Paulo: Boitempo, 2013, p. 41-46.

LEFEBVRE, A cidade do capital. Rio de Janeiro: DP&A, 2001, 2ª edição.

LOJKINE, Jean. O Estado capitalista e a questão urbana. São Paulo: Martins Fontes, 1981 e 1997 (1ª e 2ª).

____. A classe operária em mutações. Belo Horizonte: 1990.

____. Revolução Informacional. São Paulo: Cortez, 1995.

MANDEL, Ernest. Traité d’économie marxiste. Vol. 1. Paris, Juliard, 1962a.

____. Traité d’économie marxiste. Vol. 2. Paris, Juliard, 1962b.

____. "O Capital". Cien años de controversias en torno a la obra de Karl Marx. México: Siglo ventiuno editores, 1985 e 1998 (1ª e 2ª edições).

MARCUSE, Herbert. Razão e revolução. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

MARX, K. “Introdução [à Crítica da Economia Política]”. In: ______. Para a Crítica da Economia Política; Salário, preço e lucro; O rendimento e suas fontes: a economia vulgar. São Paulo: Abril Cultural, 1982, p. 3-21 (Os Pensadores).

____. O Capital. Crítica da Economia Política. O processo de produção do capital. Livro I, vol. 1. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003a (tradução de Reginaldo Sant’Anna).

____. O Capital. Crítica da Economia Política. O processo de produção do capital. Livro I, vol. 2. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003b (tradução de Reginaldo Sant’Anna).

____. O Capital. Crítica da Economia Política. O processo de circulação do capital. Livro II, vol. 3. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008 (tradução de Reginaldo Sant’Anna).

____. O Capital. Crítica da economia política. O processo global de produção capitalista. Livro III, vol. 4. Rio de.Janeiro: Civilização Brasileira, 2013 (tradução de Reginaldo Sant’Anna).

____. O Capital. Crítica da economia política. O processo global de produção capitalista. Livro III, vol. 5. Rio de.Janeiro: Civilização Brasileira, 2008ª (tradução de Reginaldo Sant’Anna).

____. O Capital. Crítica da economia política. O processo global de produção capitalista. Livro III, vol. 6. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008b (tradução de Reginaldo Sant’Anna).]

PARK, Robert Ezra. “La ville. propositions de recherche sur le comportement humain en milieu urbain». In. GRAFMEYER e JOSEPH (org.). L´École de

POULANTZAS, N. L’Etat, le pouvoir et le socialisme. Paris, PUF, 1978.

RAUTA RAMOS, M. H. "Para a crítica dos Paradigmas dos Movimentos sociais urbanos". In: Serviço Social e Sociedade, v. 1, nº 43, p. 71-92, 1994.

-------. Teoria e política: Condições sócio-políticas do debate urbano na França. São Paulo: PUC/SP, 1994, tese de doutorado.

____ (org.). Metamorfoses sociais e políticas urbanas. Rio de Janeiro: DP&A, 2003.

RUBIN, I. I. A teoria marxista do valor. São Paulo: Livraria e Editora Polis Ltda., 1987.

TOPALOV, Christian. Le Profit, La Rent et La Ville: Elèments de théorie. Paris: Economica, 1984.

TOURAINE, Alain. Critique de la modernité. Paris: Fayard, 1992.

VELTZ, Pierre. Mondialisation, villes et territoires. Paris: PUF, 1997.

WEBER, Max. Economia e Sociedade: fundamentos da sociologia compreensiva. Brasília: Ed. UnB, 1999, vol . 2.

____. Economia e sociedade. Vol. 1, Brasília: Ed. UnB, 2000.




Direitos autorais 2018 Revista Praia Vermelha