Programas sociais de empreendedorismo para geração de renda em situação de desemprego.

Daniela Calderón Díaz

Resumo


Na atual crise estrutural do capital, o Estado, garantidor das condições gerais de produção e acumulação, age de formas inéditas. Uma delas, o gerenciamento do desemprego (superpopulação relativa) mediante políticas sociais de empreendedorismo, apresentando-o como forma sustentável de geração de renda, na função de criar condições mínimas para a reprodução da vida da classe trabalhadora. O artigo pretende aproximar-se aos fundamentos econômicos e ideológicos do empreendedorismo, a partir da forma concreta de um programa chileno, sublinhando certas distinções dos programas de transferência de renda tradicionais, inscrevendo-se dentro da tradição marxista.


Palavras-chave


empreendedorismo, políticas sociais, desemprego, pobreza.

Texto completo:

PDF

Referências


BEHRING, Elaine; BOSCHETTI, Ivanete. Política Social. Fundamentos e história. 9ª edição. São Paulo: Ed.Cortez, 2018.

CEPAL. Agenda 2030 y los Objetivos de Desarrollo Sostenible: una oportunidad para América Latina y el Caribe. Nações Unidas, jan.2018. Disponível em: https://www.cepal.org/pt-br/node/45513 Acesso em: 27/05/2018.

CHESNAIS, François. A Mundialização do Capital. São Paulo: Ed. Xamã, 1996.

DIPRES. Evaluación en profundidad programas de microemprendimiento. Santiago de Chile: Statcom consultores, 2009.

FORMICHELLA, María Marta. El concepto de emprendimiento y su relación con el empleo, la educación y el desarrollo local. VII Congreso Nacional e internacional de Administración, y XI CONAMerco. Chile, 2004. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/281465619_El_concepto_de_emprendimiento_y_su_relacion_con_el_empleo_la_educacion_y_el_desarrollo_local Acesso em: 15/8/17.

FOSIS. Bases de Licitación Pública Yo Emprendo Semilla. Santiago de Chile, 2017.

IASI, Mauro. Política, Estado e Ideologia na trama conjuntural. São Paulo: Ed. ICP, 2017.

MARX, K. O Capital. Livro III. Série Os Economistas. São Paulo: Ed. Nova Cultural, 1986.

________ O Capital. Livro I. São Paulo: Ed. Boitempo. [e-book], 2013.

MÉSZÁROS, Itsván. Para além do capital. Rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2002.

NARBONA, K. Antecedentes del Modelo de Relaciones Laborales Chileno. Santiago de Chile: Fundación Sol, 2015. Disponível em: http://www.fundacionsol.cl/wp-content/uploads/2014/11/Narbona-K.-Antecedentes-hist%C3%B3ricos-del-modelo-de-relaciones-laborales_2015.pdf Acesso em: 03/08/2017.

NETO, José Meneleu. Desemprego e luta de classes: as novas determinidades do conceito marxista de exército industrial de reserva. IN: TEIXEIRA, F.; ALVES, G.; NETO, M e OLIVEIRA, M. A. (orgs.) Neoliberalismo e reestruturação produtiva. São Paulo, Cortez, 1998.

NETTO, José Paulo; BRAZ, Marcelo. Economia Política: uma introdução crítica. São Paulo: Ed.Cortez, 2012.

OIT. Perspectivas sociales y del empleo en el mundo. Tendências 2018. Resumo executivo. Disponível em: http://www.ilo.org/global/research/global-reports/weso/2018/ WCMS_615674/ lang--es/index.htm Acesso em: 30/05/2018.

PIÑERA, J. La revolución laboral en Chile. Santiago de Chile: Zig-Zag, 1990. [e-book] Disponível em: www.josepinera.com Acesso em: 03/08/2017.

RIESCO, Manuel. Desarrollo del capitalismo en Chile bajo Pinochet. Tese doutoral. Santiago: Ed.ICAL Disponível em: http://www.cendachile.cl/Home/publicaciones/autores/manuel-riesco/manuel-riesco-libros/desarrollo-del-capitalismo-en-chile-bajo-pinochet-indice/desarrollo-del-capitalismo-en-chile-bajo-pinochet-2 Acesso em: 04/04/2018

TEIXEIRA, Francisco. Modernidade e crise: reestruturação capitalista ou fim do capitalismo? IN: TEIXEIRA, F.; ALVES, G.; NETO, M e OLIVEIRA, M. A. (orgs.) Neoliberalismo e reestruturação produtiva. São Paulo, Cortez, 1998.




Direitos autorais 2019 Revista Praia Vermelha

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt_BR