Reestruturação do espaço urbano: o papel dos megaeventos e a luta pelo direito à cidade

Rafael Martins de Martins

Resumo


Este artigo objetiva, com base em pesquisa bibliográfica, defender que as reformas pelas quais passam nossas cidades não são motivadas pelos chamados megaeventos; pois estes se revelam serem apenas catalisadores de uma estratégia mais ampla de reestruturação urbana, como há mais de um século. Esta estratégia objetiva readequar as cidades ao novo processo de reprodução do capital, bem como fazer frente às suas dificuldades. O “preço a pagar” não é outro que o revelado há mais de uma centúria: a segregação socioespacial dos trabalhadores, principalmente dos mais pobres, seja por intervenção direta do Estado (remoção forçada), seja pela mediação do mercado (remoção “branca”). As situações concretas são muito diferentes, o que se revela semelhante é a forma, o método de reformar nossas cidades: aquele intitulado por Engels, o “método Haussmann”.

Texto completo:

PDF

Referências


ABREU, M. A. Reconstruindo uma história esquecida: origem e expansão inicial das favelas do Rio de Janeiro. In: Espaço & Debates: revista de estudos regionais e urbanos, n. 37. São Paulo: NERU: Cortez, 1994. p. 34-46.

______. Evolução Urbana do Rio de Janeiro. 4. ed. 3. reimp. Rio de Janeiro: IPP, 2011.

ARANTES, O. B. F. Uma estratégia fatal: a cultura nas novas gestões urbanas. In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 11-74.

______. Berlim e Barcelona: duas imagens estratégicas [2012]. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2013.

ASCHER, F. Projeto público e realizações privadas: o planejamento das cidades refloresce. Cadernos IPPUR. Rio de Janeiro: UFRJ, VIII, n. 1, p. 83-96, abr. 1994.

BENCHIMOL, J. L. Pereira Passos: um Haussmann Tropical -- A renovação urbana da cidade do Rio de Janeiro no início do século XX. Rio de Janeiro: B. Carioca, 1990.

CARDOSO, I. C. C. Das Reformas Urbanas da transição ao século XX à Operação Urbana Consorciada da Região do Porto do Rio: apontamentos para um debate. In: GOMES, M. F. C. M. et al (Orgs.). Renovação Urbana, Mercantilização da Cidade e Desigualdades Socioespaciais. Rio de Janeiro: Mauad X, 2013. p. 173-91.

CARLOS, A. F. A. A condição espacial. São Paulo: Contexto, 2011.

CARVALHO, L. A. Contribuição ao estudo das habitações populares: Rio de Janeiro (1886-1906). 2. ed. Rio de Janeiro: Sec. Munic. de Cultura, 1995.

CHADE, J. Custo dos estádios da Copa chegará a R$ 8,9 bilhões. O Estado de São Paulo, Genebra, 27. Jan. 2014. Disponível em:

esportes,custo-dos-estadios-da-copa-do-mundo-já-chega-a-r-8-9-bilhoes,1123266,0.htm>. Acesso em: 27 jan. 2014.

CHALHOUB, S. Cidade Febril: cortiços e epidemias na corte imperial [1996]. -- 4. reimp. São Paulo: Cia. das Letras, 2006.

CISCATI, R. As cidades que querem voar: uma nova teoria... Época. São Paulo: Globo, n. 771, p. 68-70, mar. 2013.

DUNLOP, C. J. Os meios de transporte do Rio Antigo. Rio de Janeiro: S. de Documentação, 1972.

ENGELS, F. Contribuição ao problema da Habitação. In: MARX, K; ENGELS, F. Textos. v. II. São Paulo: Sociais, 1976. p. 39-116.

HARVEY, D. A Produção Capitalista do Espaço [2001]. 2. ed. São Paulo: Annablume, 2006.

IPP. Cadernos do Rio: Favela x Não Favela. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: http://www.armazemdedados.rio.rj.gov.br/arquivos/3288_favelas_bairros_formais.PDF>. Acesso em: 17 jan. 2014.

LEFEBVRE, H. (Org.). A irrupção -- a revolta dos jovens na sociedade industrial: causas e efeitos [1968]. São Paulo: Documentos, 1968.

____. Lógica Formal/Lógica Dialética [1947]. 4. ed. Rio de Janeiro: C. Brasileira, 1987.

____. Espaço e Política [1972]. Belo Horizonte: UFMG, 2008a.

____. A revolução urbana [1970]. 3. reimp. Belo Horizonte: UFMG, 2008b.

LENIN, V. I. Imperialismo: estágio superior do capitalismo [1916]. São Paulo: E. Popular, 2012.

LUKÁCS, G. Introdução a uma Estética Marxista. Rio de Janeiro: C. Brasileira, 1968.

____. Socialismo e democratização: escritos políticos 1956-1971. 2. ed. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011.

MARTINS, R. M. “Entre o pensar e o viver”: um estudo sobre a cidade como espaço estratégico da luta de classes. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Serviço Social) -- Centro de Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014. 400 f.

MARX, K. O Capital: crítica da Economia Política. Livro III, v. VI [1894]. Rio de Janeiro: C. Brasileira, 2008.

MENDONÇA, M. Como o Rio voltou a influenciar e a inspirar o Brasil. Época. São Paulo: Globo, n. 771, p. 46-55, mar. 2013.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. São Paulo: E. Popular, 2011.

PAES, Eduardo. [‘Todo governante tem inveja de mim, até a Dilma', diz Eduardo Paes]. Rio de Janeiro, 2012. Entrevista concedida a Morris Kachani da TV Folha em 14 de outubro de 2012. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=KxPlHIqUfkc. Acesso em: 30 set. 2013.

ROLNIK, Raquel. [Especulação imobiliária impede direito à moradia]. Entrevista concedida a MENGARDO, B. et al. Caros Amigos. São Paulo: C. Amarela, n. 169, p. 12-7, abr. 2011.

VAINER, C. B. Pátria, empresa e mercadoria: Notas... In: ARANTES, O.; VAINER, C.; MARICATO, E. A cidade do pensamento único: desmanchando consensos. Petrópolis: Vozes, 2000. p.75-103.

SAES, A. M. Conflitos do capital: LIGHT versus CBEE na formação do capitalismo brasileiro (1898-1927). Bauru: EDUSC, 2010.

SÁNCHEZ, F. A reinvenção das cidades para um mercado mundial [2001]. 2. ed. Chapecó: ARGOS, 2010




Direitos autorais 2016 Revista Praia Vermelha

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt_BR