As Jornadas de Junho de 2013: balanço e perspectivas

Valério Arcary

Resumo


A partir do dia 17 de junho aconteceu uma inflexão importante da situação política no Brasil. Nas Jornadas de Junho centenas de milhares de jovens invadiram as ruas de São Paulo e do Rio de Janeiro. Na dimensão nacional, pelo menos algo próximo a dois milhões de pessoas saíram às ruas em quatrocentas cidades. Estavam votando com os pés. As dimensões deste processo remetem à ideia de que uma situação pré-revolucionária ficou mais próxima. Como sempre na história, esta dinâmica pode ser interrompida. Pode ser contida, desviada, abortada. Ou pode prevalecer. O que aconteceu em Junho de 2013 será chave para compreender os resultados da eleição de 2014.

Texto completo:

PDF

Referências


DEUTSCHER, Isaac, Trotsky, O Profeta Banido, Rio de janeiro, Civilização Brasileira, 1984.

DRAPER, Hal. Karl Marx’s theory of revolution: The theory of the state. New York and London, Monthly Review Press, 1978. (vol. I).

LENIN, Vladimir Ilitch Ulianov. A Falência da Segunda Internacional, São Paulo, Kairos, 1979.

LENIN, Vladimir Ilitch Ulianov. O que fazer? Problemas candentes do nosso movimento. São Paulo, Expressão Popular, 2003.

LENIN, Vladimir Ilitch Ulianov, La maladie infantile du communisme (Le Gauchisme), Pekin, Editions en langue etrangéres, 1970.

MANDEL, Ernest, Trotsky como alternativa. São Paulo, Xamã, 1995.

MORENO, Nahuel. As Revoluções do Século XX, Brasília, Edição da Câmara dos Deputados, 1989.

TROTSKY, Leon, Revolução e Contra-revolução na Alemanha, São Paulo, Livraria Editora Ciências Humanas, 1979, p.164

TROTSKY, Leon, “Que é uma situação revolucionária?” in Escritos, Tomo II, volume 2, p. 514 (de 14/11/1931), Bogotá, Pluma, 1976.




Direitos autorais 2016 Revista Praia Vermelha