Ecologização do capital agrário: novas fronteiras para a expansão capitalista

Julio Cesar Pereira Monerat

Resumo


Análise da ecologização do capital agrário fundamentada na crítica da dinâmica expansiva do valor. Ecologização do capitalismo no campo são as formas capitalistas de contornar os obstáculos da crise ambiental decorrentes movimento expansivo do valor na agricultura. A crítica destaca a insustentabilidade do modo de produção capitalista e considera que a ecologização desenvolve-se como mercadorização da natureza, constituindo-se em em modalidade de expansão do capital. Contraditoriamente combinada, a ecologização do campo revela a insustentabilidade do capital, apontando para a necessidade de sua superação para o estabelecimento de relações sustentáveis.  

Palavras-chave


capital agrário; ecologização; crise ambiental, sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


BUAINAIN, Antônio Márcio; PEDROSO, Maria Thereza Macedo; VIEIRA JÚNIOR, Pedro Abel; SILVEIRA, Rodrigo Lanna Franco da; NAVARRO, Zander. Quais os riscos mais relevantes nas atividades agropecuárias? In: BUAINAIN, Antônio Márcio; ALVES, Eliseu; SILVEIRA, José Maria da; NAVARRO, Zander. O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília, DF: Embrapa, 2014.

CHEMNITZ, Christine. Manobras digitais: quando tratores funcionam online. In: Altas do agronegócio: fatos e números sobre as corporações que controlam o que comemos. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2018.

CONWAY, Gordon. Produção de alimentos no século XXI: biotecnologia e meio ambiente. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

DELGADO, Guilherme. Do capital financeiro na agricultura à economia do agronegócio: mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: Editora de UFRGS, 2012.

GORENDER, Jacob. Gênese e desenvolvimento do capitalismo no campo brasileiro. In: STEDILE, João Pedro (Org.). A questão agrária no Brasil: o debate na década de 1990 (Questão Agrária, vol. 6). São Paulo: Expressão Popular, 2013.

HARVEY, David. 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo, 2016.

LEITE, Sérgio; MEDEIROS, Leonilde. Agronegócio. In: CALDART, Roseli; PEREIRA, Isabel; ALENTEJANO, Paulo; FRIGOTTO, Gaudêncio (Orgs.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro/ São Paulo: EPSJV / Expressão Popular. 2012.

LIMA, Sandra Kitakawa; GALIZA, Marcelo; VALADARES, ALEXANDRE; ALVES, Fabio. Texto para discussão: Produção e consumo de produtos orgânicos no Brasil e no Mundo – Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Brasília; Rio de Janeiro: Ipea, 2019.

MARTINS, José Vitor Bomtempo; PEREIRA, Felipe dos Santos; OLIVEIRA E SILVA, Martim Francisco de. A Bioeconomia brasileira em números. Bioeconomia: BNDES Setorial 47; Março de 2018. Disponível em: https://web.bndes.gov.br/bib/jspui/bitstream/1408/15383/1/BS47__Bioeconomia__FECHADO.pdf. Acesso: 20 abr. 2020.

MARX, Karl. O Capital: Crítica da economia política, Livro I – O processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

__________. O Capital: Crítica da economia política, Livro III – O processo global da produção capitalista. São Paulo: Boitempo, 2017.

O’CONNOR, James. ? Es posible el capitalismo sostenible? In: ALIMONDA, H. Ecologia Politica: naturaleza, sociedade y utopia. Buenos Aires: CLACSO, 2002.

PERES, João. Indústria escancara tensão entre aposta na comida de verdade e fidelidade à comida-porcaria. O Joio e o Trigo: 05/09/2019. Disponível em: https://outraspalavras.net/ojoioeotrigo/2019/09/industria-escancara-tensao-entre-aposta-na-comida-de-verdade-e-fidelidade-a-comida-porcaria/. Acesso: 02 mai. 2020.

ROMEIRO, Ademar Ribeiro. O agronegócio será ecológico. In: BUAINAIN, Antônio Márcio; ALVES, Eliseu; SILVEIRA, José Maria da; NAVARRO, Zander. O mundo rural no Brasil do século 21: a formação de um novo padrão agrário e agrícola. Brasília, DF: Embrapa, 2014.

SANTOS, Maureen. Do fake saudável à gourmetização. In: Altas do agronegócio: fatos e números sobre as corporações que controlam o que comemos. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2018.

SUDRÉ, Lu. Agrotóxicos: 44% dos princípios ativos liberados no Brasil são proibidos na Europa. Brasil de Fato: 06/08/2019. Disponível em: https://www.brasildefato.com.br/2019/08/06/agrotoxicos-44-dos-principios-ativos-liberados-no-brasil-sao-proibidos-na-europa. Acesso: 02 mai. 2020.




Direitos autorais 2021 Revista Praia Vermelha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.