Feminismos e a emancipação da América Latina

Maria Amoras, Solange Maria Gayoso da Costa, Natália Aguiar de Barros

Resumo


Este artigo é parte de uma pesquisa maior, realizada no norte da Amazônia e sul do Brasil. As análises se sustentam em uma Revisão Sistemática da Literatura (RSL) sobre os feminismos latino-americanos, a qual objetivou compreender o campo de luta das mulheres latinas. Os resultados apontaram que esse campo se filia à crítica ao projeto colonial e faz a defesa de que a libertação das mulheres emancipará a América Latina, rompendo com o sistema opressivo de base colonialista e imperialista que sustenta a estrutura racista, sexista e classista do capitalismo.


Palavras-chave


Feminismos. América Latina. Território. Colonialidade. Descolonialidade

Texto completo:

PDF

Referências


ALVARADO, Marina; FISCHETTI, Natalia. Feminismos del Sur. Alusiones/elusiones/ilusiones. Pléyade, Santiago, n. 22, p. 87-105, dic. 2018. Disponível em:. Acesso em: 02 set. 2020.

ALVAREZ, Sonia E. Feminismos e antirracismo: entraves e intersecções. Entrevista com Luiza Bairros, ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir). Estudos Feministas, Florianópolis, v. 20, n. 3, p. 833-850, set./dez. 2012. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2020.

ALVAREZ, Sonia E. Para além da sociedade civil: reflexões sobre o campo feminista. Cadernos Pagu, Campinas, n. 43, p. 13-56, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2020.

AMARAL, Eloísa de Souza. Mídias sociais como subaltern conter publics: um estudo de caso sobre o blogueiras negras e o blogueiras feministas. 2017. 81 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Programa Pós-Graduação em Ciências Sociais, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, 2017.

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8 n. 1, 2000. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2020.

BLAKE, Debbie; ÁBREGO, Carmen. Entrevista com Gloria Anzaldúa. Iowa Journal of Cultural Studies, [S.l.], vol. 1995, num. 14, p. 12-22, 1995. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2020.

BALLESTRIN, Luciana Maria de Aragão. Feminismos subalternos. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 25, n. 3, p. 1035-1054, dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 Set. 2020.

BATISTA, Paula Nogueira Pires. “Nós comemos e regurgitamos”: feminismos transnacionais e coalizões potenciais a partir da marcha das vadias de Goiânia/GO. 2017. 162 f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) – Programa de Pós-Graduação de Antropologia Social, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

BOLADOS GARCIA, Paola; SANCHEZ CUEVAS, Alejandra. Una ecología política feminista en construcción: el caso de las "mujeres de zonas de sacrificio en resistencia", Región de Valparaíso, Chile. Psicoperspectivas, Valparaíso, v. 16, n. 2, p. 33-42, jul. 2017. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2020.

CARDOSO, Cláudia Pons. Amefricanizando o feminismo: o pensamento de Lélia Gonzalez. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 965-986, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em 13 set. 2020.

CARNEIRO, Sueli. Enegrecer o feminismo: a situação da mulher negra na América Latina a partir de uma perspectiva de gênero. Portal Géledes, São Paulo, 06 mar. 2011. Mulher negra. Disponível em: . Acesso em 13 set. 2020.

COSTA, Claudia de Lima. Feminismos descoloniais para além do humano. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 3, p. 929-934, dez. 2014. Disponível em: . Acesso em: 10 set. 2020.

COSTA, Claudia de Lima; ALVAREZ, Sonia E. A circulação das teorias feministas e os desafios da tradução. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 579-586, ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2020.

COSTA, Claudia de Lima; ÁVILA, Eliana. Gloria Anzaldúa, a consciência mestiça e o "feminismo da diferença". Estudos Feministas, Florianópolis, v. 13, n. 3, p. 691-703, dez. 2005. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2020.

CRENSHAW, Kimberlé. A intersecionalidade na discriminação de raça e gênero. Unifem, Brasília, DF, 2004. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2020.

DELL’AGLIO, Daniela Dalbosco; MACHADO, Paula Sandrine. Trajetórias e experiências: a construção do sujeito político feminista desde uma perspectiva interseccional. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 27, n. 2, e48556, 2019. Disponível em: . Acesso em 10 set. 2020.

FONSECA, Inara; GUZZO, Morgani. Feminismos y herida colonial: una propuesta para el rescate de los cuerpos secuestrados en Brasil. Tabula Rasa, Bogotá, n. 29, p. 65-84, 2018.

GARGALLO, Francesca. Las ideas feministas latinoamericanas. Bogotá: Editorial Desde Abajo, 2004.

JULIANO, Dolores. Feminismo y sectores marginales. Logros y retrocesos de un diálogo difícil. Cadernos Pagu, Campinas, n. 47, e16474, 2016. Disponível em: . Acesso em: 19 ago. 2020.

LAMBERT, Hélène. Feminismo autônomo latino-americano: na Bolívia, as Mujeres Creando reivindicam a descolonização dos corpos. Cadernos de Gênero e Diversidade, Salvador, v. 3, n. 4, p. 59-83, dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2020.

LAMUS CANAVAE, Doris. Localización geohistórica de los feminismos latinoamericanos. Polis, Santiago, v. 8, n. 24, p. 95-109, 2009. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2020.

LARA DE LA ROSA, Juana María. El lugar de los cuerpos-territorios de las mujeres indígenas en procesos de desterritorialización y reterritorialización radicadas en Bogotá, Colombia. La Ventana, Guadalajara, v. 6, n. 50, p. 45-79, dic. 2019. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2020.

LUGONES, María. Colonialidad y género. Tabula Rasa, Bogotá, n. 9, p. 73-102, dic. 2008. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2020.

MALNIS, Cecilia Magdalena. Cartografía del pensamento lesbo-feminista. La aldea como forma de acceder al mundo: desde Mendoza hacia una genealogía teórica lesbo-feminista del Sur. La Ventana, Guadalajara, v. 6, n. 50, p. 260-281, dic. 2019. Disponível em: . Acesso em: 09 set. 2020.

MATOS, Marlise. Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul global? Revista de Sociologia Política, Curitiba, v. 18, n. 36, p. 67-92, jun. 2010. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2020.

MAYORGA, Claudia et al. As críticas ao gênero e à pluralização do feminismo: colonialismo, racismo e política heterossexual. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 21, n. 2, p. 463-484, maio/ago. 2013. Disponível em: . Acesso em: 17 ago. 2020.

MOORE TORRES, Catherine. Feminismos del Sur, abriendo horizontes de descolonización. Los feminismos indígenas y los feminismos comunitarios. Estudios Políticos, Medellín, n. 53, p. 237-259, dic. 2018. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2020.

NOBRE, Miriam. Igualdade para todas: estratégias para políticas públicas e ações do movimento. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 24, n. 2, p. 645-652, ago. 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2020.

PAREDES, Julieta. Hilando fino: desde el feminismo comunitario. La Paz: Cooperativa El Rebozo, 2010.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

SEBASTIAN-AGUILAR, Erika. Mujeresme’phaa, resistencia y sentido del lugar ante los despojos del extractivismo y el narcotráfico. Íconos, Quito, n. 64, p. 69-88, ago. 2019. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2020.

SEGATO, Rita Laura. La guerra contra las mujeres. Madrid: Traficantes de Sueños, 2016. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2020.

ULLOA, Astrid. Feminismos territoriales en América Latina: defensas de la vida frente a los extractivismos. Nómadas, Bogotá, n. 45, p. 123-139, dic. 2016. Disponível em: . Acesso em: 02 set. 2020.

WEINSTOCK, Ana Mariel. Aportes del feminismo a la lucha socioambiental. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 22, n. 2, p. 647-655, ago. 2014. Disponível em: . Acesso em: 01 set. 2020.




Direitos autorais 2021 Revista Praia Vermelha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.