Conflitos envolvendo quilombolas no Rio Grande do Sul: entre raça, classe e território

Adriane Cristina Benedetti, José Carlos Gomes dos Anjos

Resumo


As discussões sobre questão agrária possuem uma longa trajetória no Brasil, ao longo da qual houve mudança nos termos do debate e formulação de políticas que incidem no acesso à terra. Partindo do referencial da Perspectiva Decolonial, o artigo tem por objetivo abordar uma dimensão que não tem sido contemplada nas discussões, a qual diz respeito à questão racial. A reflexão tem por base a revisão de dados secundários e a coleta e análise de dados de entrevistas realizadas junto a comunidades quilombolas no estado do Rio Grande do Sul em 2018. Segue-se a linha argumentativa de que, além de classe, raça interfere na distribuição da propriedade fundiária, tendo sido invisibilizada nas discussões sobre a questão da terra no país.


Palavras-chave


colonialidade; racialização; comunidades quilombolas; território

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVAY, R. Agricultura Familiar e Capitalismo no campo. In: STÉDILE, J.P. (Org.). A Questão Agrária Hoje. 2° ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1994, p. 94-104.

ALMEIDA, A. W. B. de. Os Quilombos e as Novas Etnias. In: O’DWYER, E. C. (Org.). Quilombos: identidade étnica e territorialidade. Rio de Janeiro: Editora da FGV, 2002, p. 43-81.

_____________________. Terras de preto, terras de santo, terras de índio: uso comum e conflito. In: DELGADO, N.G. (Org.). Brasil Rural em Debate: Coletânea de Artigos. Brasília: MDA/CONDRAF, 2010, p. 104-136.

ARRUTI, J. M. A. O quilombo entre dois governos. Tempo & Presença (online) , v.25, n.330, jul./ago. p. 10-15, 2003. Disponível em: . Acesso em: 20 de fev. 2017.

BAIOCCHI, M. de N. Os negros do Cedro: um estudo antropológico de um bairro rural de negros em Goiás. São Paulo: Ática, 1983.

BARCELLOS. D. M. ET AL. Comunidade Negra de Morro Alto. Historicidade, identidade e territorialidade. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2004.

BENEDETTI, A.C. e ANJOS, J.C. dos. As Comunidades Quilombolas e a Racialização da Terra: Notas de pesquisa no Rio Grande do Sul. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 19, 2019, Florianópolis, SC. Trabalhos apresentados [...]. Florianópolis, SBS, 2019.

BRASIL. Lei n° 601 de 18 de setembro de 1850. Dispõe sobre as terras devolutas do Império. Disponível em: . Acesso em: 24 de fev. 2018.

_______. Lei n° 4.504 de 30 de novembro de 1964. Dispõe sobre o Estatuto da Terra. Disponível em: . Acesso em: 02 de dez. 2016.

_______. Decreto n° 4.887, de 20 de novembro de 2003. Regulamenta o procedimento para identificação, reconhecimento, delimitação, demarcação e titulação das terras ocupadas por remanescentes das comunidades dos quilombos de que trata o art. 68 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias. Disponível em: . Acesso em: 12 de mai. 2012.

BRUSTOLIN, C. (2009). Reconhecimento e Desconsideração: a regularização fundiária dos territórios quilombolas sob suspeita. Tese de Doutorado. PPGS/Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

CANUTO, A.; LUZ, C.R. da S. & ANDRADE, T.V.P. (Coords.). Conflitos no Campo - Brasil 2017. Goiânia: CPT Nacional, 2018.

DELGADO, G. da C. Questão Agrária no Brasil, 1950-2003. In: JACCOUD, L. (Org.). Questão social e políticas sociais no Brasil contemporâneo. Brasília: IPEA, 2005, p. 51-90.

_________________. Do Capital Financeiro na Agricultura à Economia do Agronegócio. Mudanças cíclicas em meio século (1965-2012). Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2012.

DIANI, M. The concept of social movement, The Sociological Review, v. 40, n. 1, p. 1-25, 1992.

FONSECA, B. e PINA, R. O Agro é Branco. Agência Pública, 19 de nov. 2019. Disponível em: . Acesso em: 10 de jan. 2020.

FURTADO, C. Análise do “Modelo” Brasileiro. 3º ed. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira S.A., 1972.

GRAZIANO DA SILVA, J. O Desenvolvimento do capitalismo no campo brasileiro e a reforma agrária. In: STÉDILE, J.P. (Org.). A Questão Agrária Hoje. 2° ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1994, p. 137-143.

GUIMARÃES, A.P. Quatro Séculos de Latifúndio. São Paulo: Editora Paz & Terra, 1989.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA - IBGE. Censo Demográfico 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: . Acesso em: 01 de ago. de 2016.

_____________. Censo Agropecuário 2017. Resultados Definitivos. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em: . Acesso em: 02 de jan. de 2020.

MARTINS, J. de S. O Cativeiro da Terra. 8° Ed. São Paulo: Editora Hucitec, 2004.

MEDEIROS, L. S. de. (1982). A Questão da Reforma Agrária no Brasil – 1955-1964. Dissertação de Mestrado. FFLCH/Universidade de São Paulo.

__________________. Movimentos Sociais, Disputas Políticas e Reforma Agrária de Mercado no Brasil. Rio de Janeiro: CPDA/UFRRJ/UNRISD, 2002.

__________________. Luta por reforma agrária no Brasil contemporâneo: entre continuidades e novas questões. In: GRISA, C. & SCHNEIDER, S. (Orgs.). Políticas Públicas de Desenvolvimento Rural no Brasil. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 2015, p. 339-360.

MIGNOLO, W. Geopolitics of knowledge and colonial difference. The South Atlantic Quarterly , v.101, n. 2, p. 57-96, 2002.

MÜLLER, C.B. dos. ET AL. História, Cotidiano e Territorialidade Comunidade remanescente Quilombo da Mormaça: história, cotidiano e territorialidade. Relatório antropológico de caracterização histórica, econômica e sócio-cultural de territórios quilombolas à luz da instrução normativa 20/2005/INCRA. Porto Alegre: UFRGS, 2006.

NABUCO, J. O abolicionismo [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2011. Disponível em: . Acesso em: 8 de fev. 2020.

NAVARRO, Z.; MORAES, M. S. e MENEZES, R. Pequena história dos assentamentos rurais no Rio Grande do Sul: formação e desenvolvimento. In: MEDEIROS, L. & LEITE, S. P. A Formação dos assentamentos rurais no Brasil: processos sociais e políticas públicas. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 1999. p. 19-68.

PRADO JÚNIOR, C. A Questão Agrária no Brasil. São Paulo: Editora Brasiliense, 1979.

_________________. A Revolução Brasileira. 7° Edição. São Paulo: Editora Brasiliense, 1987.

QUIJANO, A. Colonialidad del poder y clasificación social. Journal of World-System Research. n. 2, p. 342-386, 2000.

RANGEL, I. A Questão Agrária Brasileira. Recife: Comissão de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, 1962.

REBOUÇAS, A. Agricultura nacional: estudos econômicos. Propaganda Abolicionista e Democrática, setembro de 1874 a setembro de 1883. Recife: Fundação Joaquim Nabuco/Editora Massangana, 1988.

ROMEIRO, A. R. Reforma Agrária e Distribuição de Renda. In: STÉDILE, J.P. (Org.). A Questão Agrária Hoje. 2° ed. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 1994, p. 105-136.

RUBERT, R. Comunidades Negras Rurais do Rio Grande do Sul: um levantamento socioantropológico preliminar. Porto Alegre/Brasília: RS Rural/IICA, 2005.

SANTOS, J. dos; LIMA, S.H.S e COELHO-DE-SOUZA, G. Políticas territoriais voltadas aos remanescentes de quilombos em Territórios Rurais no Rio Grande do Sul: o caso do Quilombo Chácara da Cruz no município de Tapes. Revista NERA, ano 20, n. 37, p. 216-233, 2017.

SEGATO, R. L. Los Cauces Profundos de la Raza Latinoamericana: Una relectura del mestizaje. Revista Crítica y Emancipación. v. 2, n. 3, p. 11-44, 2010.

SIGAUD, L. A nação dos homens: uma análise regional de ideologia. Rio de Janeiro: Editora da UFRJ, 1971.

TEDESCO, J. C. e KUJAWA, H. Mediações em conflito na demarcação de áreas indígenas em região de colonização no norte do Rio Grande do Sul: dilemas e configurações. História: Debates e Tendências. v. 16, n. 1, jan./jun. p. 135-151, 2016. Disponível em: . Acesso em: 17 de fev. 2017.

VEIGA, J. E. da. Fundamentos do agrorreformismo. In: STÉDILE, J.P. (Org.). A Questão Agrária Hoje. 2° Ed. Porto Alegre: Ed. da UFRGS, 1994, p. 68-93.

ZARTH, P. A. História Agrária do Planalto Gaúcho (1850-1920). Ijuí: Editora da UNIJUÍ, 1997.




Direitos autorais 2021 Revista Praia Vermelha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.