Elementos introdutórios para pensar sobre o Exército Industrial de Reserva no Brasil

Hiago Trindade

Resumo


Neste artigo, a partir de revisão de literatura, pesquisa documental e utilização de dados secundários, buscamos oferecer algumas pistas capazes de nos permitir avançar no entendimento de como as camadas do Exército Industrial de Reserva (EIR) se expressam na realidade brasileira e os tipos de sujeitos e de formas de inserção laboral que a dinamizam. Concluímos indicando que a expansão do EIR vem se dando acompanhada pela generalização da precarização laboral e, conformando, no Brasil, uma nova morfologia da classe trabalhadora.


Palavras-chave


Exército Industrial de Reserva. Trabalho. Precarização. Brasil.

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Giovanni. A Tragédia de Prometeu. A degradação da pessoa humana que trabalha na era do capitalismo manipulatório. Bauru-SP: Canal 6 Editora, 2016.

BARROS, Albani de. (2018). Prekärer: análise dos fundamentos da precarização do trabalho a partir da crítica da economia política. Tese de Doutorado em Serviço Social. Universidade Federal de Pernambuco. CCSA, 245 folhas.

BEHRING, Elaine. Brasil em contra-reforma: desestruturação do Estado e perda de direitos. São Paulo: Cortez, 2003.

BEZERRA, Aline Crisnir Torres. (2017). Uber: a gestão do relacionamento em novos modelos de negócio. Monografia. Graduação em Relações Internacionais. UFPB, João Pessoa: Paraíba.

CHAN, Jenny; PUN, Ngai; SELDEN, Mark. A política da produção global: Apple, Foxconn e a nova classe trabalhadora chinesa. In: ANTUNES, Ricardo. (Org.). Riqueza e Miséria do Trabalho no Brasil IV. São Paulo: Boitempo, 2019.

CÔRTES, Tiago Rangel; SILVA, Carlos Freire da. Migrantes na costura em São Paulo: paraguaios, bolivianos e brasileiros na indústria de confecções. In: TRAVESSIA-Revista do Migrante, n.74, jan/jul, 2014.

DURÃES, Bruno José Rodrigues. (2006). Trabalhadores de rua de Salvador: precários nos cantos do século XIX para os encantos e desencantos do século XXI. Dissertação de Mestrado em Sociologia. Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP.

______. (2011). “Camelô de tecnologia” ou “Camelô Global”:novas formas de expansão do capital na rua. Tese de Doutorado em Ciências Sociais. Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP.

ENGELS, Frederich. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2010.

FÉLIX, Gil. Circulação e superexploração do trabalho: agenda de estudos da condição proletária contemporânea. In: Felix, Gil; Guanais, Juliana. (Org.). Superexploração do trabalho no século XXI:debates contemporâneos. 1ed. Bauru: Práxis, 2018, v. 1, p. 127-163.

FILGUEIRAS, Vitor Araújo. As promessas da Reforma Trabalhista: combate ao desemprego e redução da informalidade. In: KEIN, Dari; OLIVEIRA, Roberto Véras de; FILGUEIRAS, Vitor Araújo (Orgs.). Reforma trabalhista no Brasil:promessas e realidade. Campinas, SP: Curt Nimuendajú, 2019.

GRANATO NETO, Nelson Nei. (2013). Exército Industrial de Reserva: Conceito e mensuração. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Econômico. UFPR, Curitiba, Paraná.

HARVEY, David. O Enigma do Capital. São Paulo: Boitempo, 2012.

______. Os limites do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua/Divulgação Especial Medidas de Subutilização da Força de Trabalho no Brasil. 2019. Disponível em: ftp.ibge.gov.br › pnadc_201201_201603_trimestre_novos_indicadores. Acesso em: 10 ago. 2019.

KEIN, Dari; OLIVEIRA, Roberto Véras de. Para além do discurso: impactos efetivos da Reforma nas formas de contratação In: KEIN, Dari; OLIVEIRA, Roberto Véras de; FILGUEIRAS, Vitor Araújo (Orgs.). Reforma trabalhista no Brasil: promessas e realidade. Campinas, SP: Curt Nimuendajú, 2019.

LUXEMBURGO, Rosa. Introducción a la economía política. Ediciones Internacionales Sedov, s/a.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1989 (Livro 1, volume 1).

______. ENGELS, Friedrich. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MÉSZÁROS, István. Para além do capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo, 2011.

MODA, Felipe Bruner. O trabalho dos motoristas da Uber: uma descrição densa e algumas análises. 2019. Disponível em: http://www.niepmarx.blog.br/MM2019/Trabalhos%20aprovados/MC56/MC561.pdf. Acesso em: 20 ago. 2019.

OIT. Políticas de emprego para uma recuperação e desenvolvimento sustentáveis. Debate recorrente no quadro da Declaração da OIT sobre Justiça Social para uma Globalização Justa. Lisboa: Instituto do Emprego e Formação Profissional, 2014.

OLIVEIRA, Francisco de. Crítica à razão dualista: o ornitorrinco. São Paulo: Boitempo, 2003.

SILVA, Carlos Freire da. Viração: o comércio informal dos vendedores ambulantes. In: CABANES, Robert; GEORGES, Isabel et. al. (Orgs.). Saídas de emergência: ganhar/perder a vida na periferia de São Paulo. São Paulo: Boitempo, 2011.

SILVA, William Bezerra da. NÍVEL DE SATISFAÇÃO DOS MOTORISTAS DA UBER COM A EMPRESA: um estudo na cidade de São Luís -MA. Trabalho de Conclusão de Curso em Administração. Universidade Federal do Maranhão (UFMA), 2018.

TAVARES, Maria Augusta. Os fios (in)visíveis da produção capitalista: informalidade e precarização do trabalho. São Paulo: Cortez, 2004.

TELLES, Vera da Silva. Ilegalismos populares e relações de poder nas tramas da cidade. In: CABANES, Robert; GEORGES, Isabel et. al. (Orgs.). Saídas de emergência: ganhar/perder a vida na periferia de São Paulo. São Paulo: Boitempo, 2011.




Direitos autorais 2021 Revista Praia Vermelha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.