A vigência da luta de classes e a construção de um Serviço Social Crítico na América Latina

Juan Pablo S. Tapiro

Resumo


Neste artigo pretende-se demonstrar a necessidade e a importância de refletir sobre a relação entre a luta de classes e o Serviço Social na América Latina. Partindo do reconhecimento da vigência e centralidade da luta de classes nas lutas sociais em geral; propõe-se retomar a herança teórico-política e metodológica de Marx; base sobre a qual se propõe continuar na construção de um Serviço Social Crítico na América Latina, sendo preciso retomar debates e desafios históricos da profissão, colocados inclusive desde o Movimento de Reconceituação; em uma aposta por assumir a contribuição profissional aos processos de lutas de classes reconhecendo as suas possibilidades e limites.

Texto completo:

PDF

Referências


ALAYÓN, Norberto (2005). Trabajo Social Latinoamericano, a 40 años de la Reconceptualización. Espacio. Buenos Aires.

ANDERSON, Perry (2003, 2ed.). “Neoliberalismo: un balance provisorio” em: La trama del neoliberalismo. CLACSO. Buenos Aires.

ANTUNES, Ricardo (2001). ¿Adiós al trabajo?. ed. Cortez. São Paulo.

BORGIANNI, Elisabete, GUERRA, Yolanda y MONTAÑO, Carlos (2003): Servicio Social Crítico. Hacia la construcción del nuevo proyecto ético-político profesional. Biblioteca Latinoamericana de Servicio Social. Ed. Cortez. São Paulo.

BORON, Atilio (2009). “Hegemonía e imperialismo en el sistema internacional” em: Coyuntura actual, Latinoamericana y Mundial. Ed. Cortez. São Paulo.

CELATS (1982): Trabajo Social en América Latina. Balance y Perspectivas. Andromeda S.A. Lima.

IAMAMOTTO, Marilda e De CARVALHO Raúl (1988). Relações Sociais e Serviço Social. Ed. Cortez – CELATS. São Paulo.

IASI, Mauro (2011). Ensaios sobre consciência e emancipação. Ed. Expressão popular. São Paulo.

____ (2009). “Classes sociais e a reestruturação produtiva do capital” em :Novos Temas vol 1. N. 1. Revista do Instituto Caio Prado Jr. São Paulo.

LUKÁCS, György (2003). História e Consciência de Classe. Ed. Martins Fontes. São Paulo.

MANDEL, Ernest (1982). O capitalismo tardio. Ed. Abril Cultural. São Paulo.

MANRIQUE, Manuel (2011). História do Serviço Social na América Latina. Ed. Cortez. São Paulo.

MARX, Karl (2012). Trabalho assalariado e capital & Salário, preço e lucro. Ed. Expressão Popular. São Popular.

____ (2008). Ou Capital. Ed. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro.

____ (2007). Contribuição à Crítica dá Economia Política. Ed. Expressão popular. São Paulo.

____ (1977). Crítica al programa de Gotha . Ed. Progreso. Moscú.

____ ENGELS, Friedrich (1977). Manifesto do Partido Comunista. Edições Sociais. São Paulo.

MOLINA, Lorena (2009): Fundamentos teóricos- metodológicos en debate: de "la intención de ruptura" al Trabajo Social Crítico (Conferência em áudio). Em: http://www.ts.ucr.ac.cr/bv/recursos_m.php

MONTAÑO, Carlos (1998). La naturaleza del Servicio Social. ed. Cortez. São Paulo.

____ e DURIGUETTO, Maria (2011). Estado, Classe e Movimento Social. Ed. Cortez. São Paulo.

NETTO, José Paulo (1997). Capitalismo monopolista y Servicio Social. Ed. Cortez. São Paulo.

____ (1989) “O Serviço Social e a tradição marxista” em: Serviço Social e Sociedade # 30. Ed. Cortéz. São Paulo.

____ (1981). La crítica conservadora a la Reconceptualización en Acción Crítica Nº 9. Lima

PETRAS, James e VELTMEYER Henry (2009). “Entender el desarrollo mundial: Globalización o imperialismo”, em: Coyuntura actual, Latinoamericana y Mundial. Ed. Cortez. São Paulo.

QUIROJA, Consuelo (2000). Invasión positivista en el marxismo: el caso de la enseñanza de la metodología en el Servicio Social. Em: Metodología y servicio social. São Paulo Cortez.

SÁNCHEZ V. Adolfo (2007). Filosofia da práxis. Clacso-Ed Expressão popular. São Paulo.




Direitos autorais 2016 Revista Praia Vermelha