Reflexões contemporâneas sobre pesquisa e produção do conhecimento em Serviço Social no Brasil

Sandra de Faria

Resumo


Esta análise concerne às intersecções e conexões entre a produção do conhecimento e a agenda socioprofissional do Serviço Social no Brasil com o objetivo de compreender como operam, em uma direção social estratégica, e como fomentam o processo de busca, consolidação e legitimação de conhecimento, conduzindo a mudanças no estatuto profissional. Os estudos do contexto, da produção acadêmica e do papel protagonista desempenhado pelas entidades representativas da categoria sintetizam os processos e os elementos significantes da trajetória recente da profissão e as suas particularidades no Brasil. Estas reflexões são ancoradas na análise da produção acadêmica, que enfatizam o exame dos fundamentos sociais, históricos, econômicos, políticos e culturais do capitalismo monopolista, no contexto da crise de acumulação.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMIDES, Maria Beatriz Costa, CABRAL, M. do Socorro R.. O novo sindicalismo e o Serviço Social. Trajetória e processos de luta de uma categoria: 1978 - 1988. São Paulo: Cortez, 1995.

ANTUNES, Ricardo. Os sentidos do trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. São Paulo: Boitempo, 1999.

Associação Brasileira de Ensino e Pesquisa em Serviço Social -- ABEPSS. Relatório da Oficina Nacional de Formação Profissional, 1995.

BEHRING, Elaine Rossetti. Notas sobre a organização política e sindical dos assistentes sociais. Rio de Janeiro: Revista Praia Vermelha, Rio de Janeiro, v. 21, n. 2, p. 97-107, jan-jul. 2012.

BRASIL. Ministério da Educação (MEC). Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) − Plano Nacional de Pós-Graduação - PNPG 2011/2020. Disponível em: http //: www.capes.gov.br .

____. Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação. Plano de Ação de Ciência, Tecnologia e Inovação para o Desenvolvimento Nacional (PACT&I 2011-2014). Disponível em: http//: www.mcti.gov.br.

CRESS. 7ª. R. Coletânea de Leis e Resoluções. Assistente Social: ética e direitos. Rio de Janeiro: Lidador, 2001.

COUTINHO, Carlos Nelson. O estruturalismo e a miséria da razão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1972.

FARIA, Sandra de. Serviço Social e o Mundo do Trabalho. Balanço da Produção dos Cursos de Mestrado --1990/1995. 1997. Dissertação de Mestrado − Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo PUC/SP, São Paulo.

____. Produção de conhecimento e agenda socioprofissional no serviço social brasileiro. 2003. Tese de doutorado − Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, São Paulo.

GUERRA, Yolanda. A instrumentalidade do Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1995.

____. Sobre a possibilidade histórica do projeto ético-política profissional: a apreciação crítica que se faz necessária. Coletânea Nova de Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumen Jurís, p. 39-70, 2015.

IAMAMOTO, Marilda. A renovação conservadora no Serviço Social. Ensaios Críticos. São Paulo: Cortez, 1992.

____. Ensino e Pesquisa no Serviço Social: desafios na construção de um projeto profissional. Cadernos Abess. Produção científica e formação profissional. São Paulo: Cortez, 1998, n. 6.

____. O Serviço Social na contemporaneidade: trabalho e formação profissional. São Paulo: Cortez, 1998.

____. Serviço Social em tempo de capital fetiche -- capital financeiro trabalho e questão social. São Paulo: Cortez, 2007.

KAMEYAMA, Nobuco. A trajetória da produção de conhecimentos em Serviço Social: avanços e tendências (1975-1997). Cadernos Abess. Diretrizes Curriculares e Pesquisa em Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1998, n. 8.

LUKACS, Gyorg. Ontologia do ser social. Os princípios ontológicos fundamentais de Marx. São Paulo: Ciências Sociais, 1979.

MARX, Karl. Manuscritos filosóficos de 1844. Tradução Maria Antonia Pacheco. Lisboa: Avante, 1994. (Biblioteca do Marxismo-Leninismo).

____. Para a crítica da economia política. Tradução Edgard Malagodi. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Os Economistas).

MENDES. Jussara Rosa Maria e ALMEIDA Bernadete de Lourdes F.. As recentes tendências de pesquisa em Serviço Social. Serviço Social e Sociedade. São Paulo: Cortez, n. 120, p. 640-661, 2014.

MÉSZAROS, Istvan. O Poder da Ideologia. Tradução Magda Lopes. São Paulo: Ensaio, 1996.

MOTA, Ana Elizabete. Serviço Social brasileiro: profissão e área de conhecimento. Revista Katályses. Florianópolis, vol. 16, n. esp., p. 17-27, 2013.

NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social. Uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. São Paulo: Cortez, 1991.

____. Transformações Societárias e Serviço Social. Notas para uma análise prospectiva da profissão no Brasil. São Paulo: Cortez, 1996. (Serviço Social e Sociedade, n. 50).

SANTOS, Cleusa dos. Reforma/Revolução -- polos de tensão na constituição do movimento socialista. 1998. Tese de doutorado − Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, São Paulo.

SILVA, Lídia Maria Monteiro Rodrigues. Aproximação do Serviço Social à tradição marxista: caminhos e descaminhos. 1991. Tese de doutorado − Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, PUC/SP, São Paulo.

VIEIRA, Evaldo. As políticas sociais e os direitos sociais no Brasil: avanços e retrocessos. Revista Serviço Social e Sociedade nº. 53. São Paulo: Cortez, 1997.




Direitos autorais 2016 Revista Praia Vermelha

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt_BR