O debate sobre o trabalho em Marx

Rogério Castro

Resumo


O pensamento social vem argumentando há algum tempo que as transformações na esfera produtiva vêm pondo fim ao trabalho humano -- ou a centralidade dele no “mundo dos homens”. Analistas sociais passaram a denominar as sociedades dessas épocas de “sociedades pós-industriais”; no campo marxista, críticos da assim chamada “sociedade do trabalho”, definiram-no como “um cadáver insepulto”, lançando um Manifesto correspondente. O objetivo deste artigo, portanto, é analisar, à luz de escritos marxianos, a licitude (ou não) dessas ideias.

Texto completo:

PDF

Referências


ANTUNES, R. Qual crise da sociedade do trabalho? In: ANTUNES, R. Adeus ao trabalho? Ensaios sobre as Metamorfoses e a Centralidade do Mundo do Trabalho. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1995.

____. Os sentidos do trabalho. Ensaio sobre a afirmação e a negação do trabalho. 2ª ed. 10. reimpr. São Paulo: Boitempo, 2009.

____. O caracol e sua concha: ensaios sobre a nova morfologia do trabalho. São Paulo, Boitempo, 2005.

CARMO, Paulo Sérgio do. Sociologia e sociedade pós-industrial: Uma introdução. São Paulo: Paulus, 2007.

DUAYER, M. Mercadoria e trabalho estranhado: Marx e a crítica do trabalho no capitalismo. In: Revista Margem Esquerda: ensaios marxistas. Número 17. Boitempo Editora, 2011.

ENGELS, F. Sobre o papel do trabalho na transformação do macaco em homem. In: ANTUNES, R. (org.) A dialética do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2004.

JAPPE, A. As aventuras da mercadoria. Para uma nova crítica do valor. Lisboa: Antígona, 2006.

KONDER, L. O que é dialética. São Paulo: Brasiliense, 1983. 7ª ed.

KURZ, R. Lógica e ethos da sociedade do trabalho. In: KURZ, R. O colapso da modernização. Da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

LESSA, S. Abaixo a família monogâmica! São Paulo, Instituto Lukács, 2012.

____. Cadê os operários? São Paulo, Instituto Lukács, 2014.

LESSA, S.; TONET, I. Proletariado e sujeito revolucionário. São Paulo: Instituto Lukács, 2012.

MANIFESTO CONTRA O TRABALHO. Lisboa: Antígona, 2003. Disponível em: http://o-beco.planetaclix.pt/mctp.htm (Acesso em 15 de janeiro de 2013).

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Livro 1. Tomos I e II. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

____. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: Ed. UFRJ, 2011.

____. Crítica da Filosofia do Direito de Hegel -- Introdução. In: MARX, K. Crítica da Filosofia do Direito de Hegel. São Paulo: Boitempo, 2005.

____. Proudhon. In: MARX, K.; ENGELS, F. A sagrada família ou a crítica da crítica crítica. São Paulo: Boitempo, 2007, pp. 34-67.

____. Elementos fundantes de uma concepção materialista da história. In: NETTO, J. P. (org.) O leitor de Marx. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

____. Sobre a Filosofia da miséria -- uma carta a P. V. Annenkov. In: NETTO, J. P. (org.) O leitor de Marx. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto Comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MENEGAT, M. Utopias do ócio para depois do fim do mundo, agora. In: MENEGAT, M. O olho da barbárie. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

NETTO, J. P.; BRAZ, M. Economia política: uma introdução crítica. 7ª ed. São Paulo: Cortez, 2011.

SCHWARZ, R. Um livro audacioso (Apresentação). In: KURZ, R. O colapso da modernização. Da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.




Direitos autorais 2016 Revista Praia Vermelha

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt_BR