Violência Institucional e Transexualidade: desafios para o Serviço Social

Mably Trindade

Resumo


O presente artigo aborda questões relacionadas às sistemáticas violações de direitos das pessoas transexuais, tendo como contraponto o princípio da dignidade humana. A partir de uma análise crítica de alguns espaços onde sobejam tais violações, são expostas as principais causas do acirramento das situações de preconceito e estigma vivenciadas pela população transexual. Ademais, diante do quadro traçado, destaca-se o papel do Serviço Social no combate a todas as formas de discriminação, em consonância com os princípios éticos que norteiam o exercício profissional. Por fim, enfatiza-se a necessidade de aprofundamento do debate e de elaboração de novas pesquisas para a compreensão do universo da transexualidade, de forma a conferir maior visibilidade às demandas por direitos deste segmento populacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBY, J. M. Les fractures du transexualismo. In: Sur l'identité sexuelle: à propos du transsexualisme. Paris: Association freudienne internationale, 1996. p.245-267.

ALMEIDA, G. S. de. Reflexões iniciais sobre o Processo Transexualizador no SUS a partir de uma experiência de atendimento. In: ARILHA, M.; LAPA, T. de S.; PISANSESCHI, T. C. Transexualidade, travestilidade e direito à saúde. São Paulo: Comissão de Cidadania e Reprodução (CCR), 2010. p. 117-148.

ARÁN, M. A Transexualidade e a gramática normativa do sistema sexo-gênero. Revista Ágora - Estudos em Teoria Psicanalítica. Rio de Janeiro, v. 9, n. 1, 2006. p. 49-63.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo. Volume I. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1970. 504 p.

BENJAMIN, H. The transsexual phenomenon. New York: Julian Press, 1966. 286 p.

BENTO, B. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond, 2006. 251 p.

____. O que é transexualidade. Coleção Primeiros Passos. São Paulo: Brasiliense, 2008. 181 p.

____. Identidade de Gênero: entre a gambiarra e o direito pleno. Artigo publicado originalmente no jornal Correio Brasiliense. Disponível em: . 2012. Acesso em: 03 de fev. 2014.

BRASIL. Código de Ética do/a Assistente Social. Lei 8.662/1993 de regulamentação da profissão. 10ª. ed. rev. e atual. Brasília: Conselho Federal de Serviço Social, 2012.

BUTLER, J. Cuerpos que importan. Sobre los límites materials y discursivos del “sexo”. Buenos Aires: Paidós, 2002. 352 p.

CARVALHO, J. M. de. Cidadania no Brasil: o longo caminho. 5ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2004. 231 p.

COUTINHO, C. N. Notas sobre cidadania e modernidade. In Revista Ágora: Políticas Públicas e Serviço Social, ano 2, número 3, dezembro de 2005.

DIAS, M. B.; OPPERMANN, M.C: Transexualidade e Repercussões no Mundo Jurídico. In: Transexualidade: Princípios de Atenção Integral à Saúde. São Paulo: Santos, 2012. p. 29-38.

DINIZ, M. H. Curso de Direito Civil Brasileiro: Teoria Geral do direito civil. v. 1. São Paulo: Saraiva, 2011. 616 p.

HOGEMANN, E. R. Direitos humanos e cidadania em nome de quem? In: KLEVENHUSEN, R. B. (Org.). Temas sobre direitos humanos: em homenagem ao Professor Vicente de Paulo Barreto, Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2009.

____. Direitos Humanos e Diversidade Sexual: o reconhecimento da identidade de gênero através do nome social. In: Revista Seção Judiciária do Rio de Janeiro. v. 21, nº 39, Abril de 2014. p. 217-231.

IAMAMOTO, M. V.; CARVALHO, R. Relações Sociais e Serviço Social no Brasil. 23ª edição. São Paulo: Cortez, 2008.

IHERING, R. V. A luta pelo Direito. Rio de Janeiro: Editora Rio, 2002. 101 p.

JUNQUEIRA, R. D. Homofobia: limites e possibilidades de um conceito em meio a disputas. Bagoas. Estudos Gay, Gêneros e Sexualidade, vol. 1, 2007. p. 231-313.

LEITE JR., J. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias “travesti” e “transexual” no discurso cientifico. 1ª ed. São Paulo: Annablume, 2011. 263 p.

LOURO, G. L. Um Corpo Estranho: Ensaios sobre Sexualidade e Teoria Queer. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2004. 90 p.

MACHADO, P. S. O Sexo dos Anjos. Representações e práticas do gerenciamento sociomédico e cotidiano da intersexualidade. Tese de Doutorado, Porto Alegre, 2008. 266 p.

MATOS, M. C. de; MESQUITA, M. “O amor fala todas as línguas: assistente social na luta contra o preconceito” -- reflexões sobre a campanha do conjunto CFESS/CRESS. Em Pauta, Rio de Janeiro, v. 9, n.28, p.131-146, 2011.

NERY, J.W. Erro de Pessoa: Joana ou João? Rio de Janeiro: Record, 1984. 250 p.

RAGO, M. A sexualidade depois da festa. Revista Estudos Feministas, v. 11, nº 2. ISSN 0104-026X, 2003. p. 672-674.

SALVADOR, E da S. Fundo público e seguridade social no Brasil. São Paulo: Cortez, 2010.

SUESS, A. Análisis del panorama discursivo alredor de la despatologización trans: processos de transformación de los marcos interpretativos em diferentes campos sociales. In: MISSÉ, M. El género desordenado -- críticas em torno a la patologización de la transexualidade. Barcelona, Madrid: Egales, 2010. p. 158-171.

TENENBLAT, M. J. T. Financeirização do capital e questão social no contexto do novo-desenvolvimentismo. In: Revista SER Social, Brasília, v. 16, n. 35, p. 327-353, jul.-dez./2014.

ZAMBRANO, E. Trocando os documentos: um estudo antropológico sobre a cirurgia de troca de sexo. 2003. 126f. Dissertação (Mestrado em Antropologia Social) -- Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2003. 227 p.




Direitos autorais 2021 Revista Praia Vermelha

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.