Dez anos de governo do Partido dos Trabalhadores: pós-neoliberalismo, neodesenvolvimentismo, transferência de renda e hegemonia

Marcelo Sitcovsky

Resumo


O presente artigo apresenta uma análise sobre os dez anos do PT à frente do governo federal, considerando alguns aspectos econômicos, sociais e políticos. Para tanto, analisamos as teses do pós-neoliberalismo e do neodesenvolvimentismo, no que se refere à política econômica e aos programas sociais de transferência de renda, desvelando o papel ideológico que elas vêm cumprindo, no sentido de ocultar a realidade e contribuir com a hegemonia dominante.

Texto completo:

PDF

Referências


BANCO MUNDIAL. Uma revolução silenciosa muda a vida de milhões no Brasil e no mundo. On line. Press Release, 2007. Disponível em Acessado em: 28/02/2010.

____. Un nuevo enfoque frente a la asistencia social: la experiencia de América Latina con los Programas de Transferencias en Efectivo Condicionadas. Nota sobre redes de protección social, n. 15. Washington: Banco Mundial, 2006.

____. La focalización en el Programa de Desarrollo Humano Oportunidades de Mexico. Serie de Documentos de Discusión sobre la Protección Social, n. 531, Washington: Banco Mundial, 2005.

BELLUZZO, L. G. Os anos do povo. In: SADER, E. (org). Dez anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO, 2013, p. 103-110.

BOSCHETTI, I. Seguridade social na América Latina. In: BOSCHETTI, I. et al. Política social no capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2008, p. 174-195.

CARDOSO, M. L. Ideologia do desenvolvimento no Brasil: JQ-JK. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

CASTELO, R. O social-liberalismo brasileiro e a miséria ideológica da economia do bem-estar. In: MOTA, A. E. (org). Desenvolvimentismo e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2013, p.46-77.

CEPAL. La protección social de cara al futuro: acesso, financiamiento y solidaridad. CEPAL, Santiago de Chile, LC/G.2294 (SES.31/3), feb. 2006.

DIAS, E. F. Hegemonia: racionalidade que se faz história. In: DIAS, E. F. (org). O outro Gramsci. São Paulo: Xamã, 1996, p. 9-80.

FERNANDES, F. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. 4. Ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

GONÇALVES, R. Desenvolvimento às avessas: verdade, má-fé e ilusão no atual modelo brasileiro de desenvolvimento. Rio de Janeiro: LTC, 2013.

GRAMSCI, Antonio. Cadernos do cárcere, vol. 03. São Paulo: Civilização Brasileira, 2ª edição, 2002.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios -- PNAD 2011. Síntese dos indicadores. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

____. Pesquisa Nacional de Amostra de Domicílios -- PNAD 2008. Síntese dos indicadores. Rio de Janeiro: IBGE, 2009.

Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA). A década inclusiva (2001-2011): desigualdade, pobreza e políticas de renda. Comunicado IPEA, nº 155, Brasília: IPEA, 2012.

____. Políticas sociais: acompanhamento e análises. Vinte anos da Constituição Federal. n. 17, Brasília: IPEA, 2009.

LEHER, R. Ideologia do desenvolvimento, pobreza e hegemonia. In: MOTA, A. E. (org). Desenvolvimentismo e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2013, p.7-19.

MARANHÃO, C. H. Acumulação, trabalho e superpopulação: crítica ao conceito de exclusão social. In: MOTA, A. E. (org). O mito da assistência social: ensaios sobre Estado, política e sociedade. Recife: Ed. Universitária da UFPE, 2006, p. 15-46.

MATTOSO, J. Dez anos depois. In: SADER, E. (org). Dez anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO, 2013, p. 111-122.

MOTA, A. E. Seguridade Social Brasileira: O sentido político da expansão da assistência social no governo Lula. In: SILVA, J. F. S. da et al. Sociabilidade burguesa e Serviço Social. Rio de Janeiro: Lumen Juris, 2013, p. 161-173.

____. A centralidade da assistência social na seguridade social brasileira nos anos 2000. In: MOTA, A. E. O mito da assistência social: ensaios sobre Estado, política e sociedade. São Paulo: Cortez, 2009, p. 133-146.

____. Cultura da crise e seguridade social: um estudo sobre as tendências da previdência e da assistência social brasileira nos anos 80 e 90. São Paulo: Cortez, 1995.

OLIVEIRA, Francisco. A economia brasileira: crítica à razão dualista. Petrópolis: Vozes, 4ª edição, 1981.

____.A economia da dependência imperfeita. Rio de Janeiro: Graal, 3ª edição, 1980.

POCHMANN, M. Políticas públicas e situação social na primeira década do Século XXI. In: SADER, E. (org). Dez anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO, 2013, p. 145-156.

SADER, E. A construção da hegemonia pós-neoliberal. In: SADER, E. (org). Dez anos de governos pós-neoliberais no Brasil: Lula e Dilma. São Paulo: Boitempo; Rio de Janeiro: FLACSO, 2013, p. 135-144.

STEIN, R. H. Configuração recente dos programas de transferência de renda na América Latina: focalização e condicionalidade. In: BOSCHETTI, I et al. Política social no capitalismo: tendências contemporâneas. São Paulo: Cortez, 2008, p. 196-219.

SITCOVSKY, M. Reconciliação entre assistência social e trabalho: o impacto do Bolsa Família. In: MOTA, A. E. (org). Desenvolvimentismo e construção de hegemonia: crescimento econômico e reprodução da desigualdade. São Paulo: Cortez, 2013, p.225-248.

VILLATORO, P. Programas de reducción de la pobreza en América Latina. Un análisis de cinco experiencias. Santiago de Chile: CEPAL, 2004.




Direitos autorais 2017 Revista Praia Vermelha

URL da licença: http://creativecommons.org/licenses/by-nc-nd/4.0/deed.pt_BR