Improvisações com ob.jetos-arquivo:

dançamos-armengue & vestimos parangolés ancestrais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.58786/rbed.v1i2.55370

Palavras-chave:

danças negras, armengue, parangolé, improvisação com objetos, anticolonial, intercorporeidade.

Resumo

Neste artigo, a noção de improvisação em dança é abordada a partir de processos criativos com base nas cosmogonias afro-brasileiras. Denominamos nossas experienciAções de Dança Armengue. São criações cênicas anticoregráficas e contradramatúrgicas nas quais fazemos uso de objetos (ob.jetos-arquivo) em suas composições corp.orais. Essas criações foram feitas durante oficinas e aulas as quais foram usados princípios da Elinga, sistematizados e desenvolvidos, incialmente, em um estágio de pós-doutorado em dança no PPGDANÇA/UFBA. Um de nossos objetivos é desmantelar a visão preconceituosa, apresentada nos dicionários brasileiros, sobre o termo regional, baiano, armengue.  Apresentamos provocAções desde outros pontos de vista sobre o conceito de improvisação. Argumentamos desde epistemologias da periferia, práticas criativas “rueiras” brasileiras. Neste sentido o conceito de improvisação-armengue é considerado em nossos estudos como uma arma-criativa e anticolonial do povo brasileiro

Biografia do Autor

Laudemir Pereira Santos, Universidade Federal da Bahia

Artista da cena, Professor/pesquisador, Macumbeiro e Capoeirista. Fez Pós-doutorado em Dança no PPGDANÇA/UFBA. Doutor e Mestre em Teatro com titulação na UDESC. Ministrou aulas em Escolas de Teatro, Circo e Dança no Brasil, Barcelona, Paris e Amsterdam. É um dos coautores do livro Gramáticas das Corporeidades Afrodiaspóricas: perspectivas etnográficas, lançado em 2020, Orgs. Julio Tavares.  Autor de vários artigos, livros e audiovisuais que tem como tema: Corporalidades Afro-brasileiras, Danças Negras, Contra colonialidade e Contra dramaturgia. Professor convidado e cofundador do componente Dança e Africanidades: perspectivas educacionais, poéticas e políticas (Doutorado-PPGDANÇA-UFBA). Dirigiu e atuou em experiências cênicas (performativas e audiovisuais) no Brasil e na Europa. Atua como Pesquisador-Associado nos seguintes grupos de pesquisa: Laboratório de Etnografia e Estudos em Comunicação, Cultura e Cognição (LEECCC), no Programa de Pós-Graduação em Antropologia da UFF, no Grupo de Pesquisa em Dança GIRA, no PPGDANÇA/UFBA e no grupo REDE AFRICANIDADES na FACED/UFBA.

 

Publicado

2022-12-30 — Atualizado em 2023-11-30

Versões