Chamada de trabalhos para dossiê temático e fluxo contínuo

PRORROGAÇÃO DO PRAZO PARA ENVIO DE TRABALHOS PARA O V. 34 N.1 (2021): 31 DE OUTUBRO DE 2021

 

Chamada de trabalhos – Dossiê temático

O Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ e o Conselho Editorial da Revista Brasileira de Música anunciam a chamada de trabalhos para o dossiê temático Educação Musical na Pós-Modernidade: Epistemologias, Práticas e Contextos de seu v. 34, n. 1 (2021), com curadoria dos editores convidados Sergio Álvares, docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ e líder do Grupo de Pesquisa Educação Musical, Musicalidade Abrangente e Diversidade Cultural na Pós-Modernidade, e Fábio Adour, docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ. A chamada para o dossiê temático é dirigida a pesquisadores, docentes e discentes de Pós-Graduação das áreas de música e afins.

 

Dossiê temático Educação Musical na Pós-Modernidade: Epistemologias, Práticas e Contextos

A ubiquidade da música em diferentes sociedades nos diversos períodos históricos da evolução humana parece instigar indivíduos a pensar e refletir sobre os processos, produtos e vivências referentes à criação, uso, funções, valorização, transmissão, ensino, aprendizagem e conceituação da música, seja como arte, linguagem ou expressão da natureza humana. Muitos de nós investem imensuráveis quantidades de tempo, esforço, dedicação, paixão, raciocínio, recursos financeiros e, por vezes, toda uma vida transformando sons em texturas musicais. Contudo, mais relevante do que a música que o ser humano faz, é a sua relação com ela.

Decorre daí a discussão sobre a educação musical, desde outrora, quando a educação precedia à escolaridade, até os tempos atuais, onde verifica-se uma evidente coexistência de ambientes formais, informais e não-formais, seja tradicionalmente, de forma presencial, ou, bem mais recentemente, de forma remota ou midiática. Mas o que, exatamente, é educação musical? Como educar difere de ensinar, treinar ou doutrinar? Quais os objetivos e valores almejados para uma educação musical abrangente? Habilidades específicas, entendimentos conceituais, apreciação e expressividade estética, disposições cívico-étnico-sociais, transversalidade etária e de gênero, diversidade de necessidades especiais, enriquecimento curricular ou pedagógico, aperfeiçoamento do talento? Como, quando e onde a música se insere no contexto e na avaliação da educação geral, nesta pós-modernidade galopante?

Mais do que respostas, o dossiê temático ora proposto pretende oferecer um amplo espaço dialógico para construtivismos epistemológicos, tirocínios pragmáticos, difusões estéticas e afetivas, além de questões não-proposicionais num campo de estudo que, relativamente jovem quando comparado a outros, traz possibilidades inestimáveis em prol da realização das potencialidades, das necessidades e da diversidade de manifestações do ser humano. Eis o campo da Educação Musical que, desta feita, sinaliza os seguintes tópicos preferenciais, mas não exclusivos:

–   A formação do educador musical: fundamentos e especificidades no trabalho com crianças, jovens, adultos e pessoas com deficiência;

–   Planejamento e avaliação no ensino, na aprendizagem e na prática interpretativa e criativa dentro da educação musical;

–   O estágio supervisionado na formação de professores de música: da observação à atuação em sala de aula;

–   Pesquisa em educação musical: epistemologias, metodologias e articulações com o ensino e extensão universitárias;

–   Legislação, bases curriculares e materiais didáticos em Educação Musical nas redes pública e privada e nas etapas da Educação Básica: Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio;

–   Representantes referenciais da pedagogia musical e a realidade educacional a partir do século XX;

–   Questões intergeracionais, de gênero, étnico-raciais, de interculturalidade e de interseccionalidade para atuação em diversos contextos socioculturais e possíveis inter-relações da educação musical com outras artes e áreas do conhecimento;

–   Práticas musicais coletivas: diversidade, repertórios, estratégias de ensino e aprendizagem e processos de inclusão;

–   A apreciação, a criação e a prática interpretativa como conceitos integrados e indissociáveis no ensino e aprendizagem da música;

–   Análise e produção de materiais didáticos para a educação musical: atualidades, tecnologias digitais e recursos multimidiáticos e multissemióticos.

As contribuições, na forma de artigos completos em português, inglês ou espanhol, devem ser originais e inéditas (não serão aceitas versões ou extrações de trabalhos publicados anteriormente, incluindo trechos de dissertações e teses), e adequar-se às diretrizes para autores e condições para submissão da Revista Brasileira de Música, com submissão através da plataforma OJS da revista. Para informações sobre a política editorial da seção, ver as políticas editoriais da revista. O prazo para submissão de trabalhos para este dossiê temático encerra-se em 20 de setembro de 2021.

 

Chamada de trabalhos – Fluxo contínuo

Além das contribuições recebidas no âmbito de seus dossiês temáticos semestrais, a Revista Brasileira de Música recebe e avalia trabalhos enviados para publicação no sistema de fluxo contínuo. Em consonância com o foco e escopo da revista, são aceitas submissões que contribuam para a sua missão de fomentar a produção e disseminação do conhecimento científico e artístico no âmbito da música, em diálogo com áreas afins, preferencialmente nos campos da musicologia histórica, etnomusicologia, educação musical e processos criativos (composição, análise musical e práticas interpretativas).

As contribuições, na forma de artigos completos em português, inglês ou espanhol, devem ser originais e inéditas (não serão aceitas versões ou extrações de trabalhos publicados anteriormente, incluindo trechos de dissertações e teses), e adequar-se às diretrizes para autores e condições para submissão da Revista Brasileira de Música, com submissão através da plataforma OJS da revista. Para informações sobre a política editorial da seção, ver as políticas editoriais da revista.

 

JOÃO VICENTE VIDAL

PAUXY GENTIL-NUNES

Editores-chefes da Revista Brasileira de Música