Cinema de bolso: as imagens da escuta portátil

Rômulo Moraes

Resumo


Este artigo visa descrever de maneira fenomenológica a experiência de escuta musical com dispositivos portáteis, tendo como referência principalmente os estudos de Michel Chion e os conceitos filosóficos de Gilles Deleuze. A capacidade que esses aparelhos têm de proporcionar uma escuta em movimento faz com que eles sejam potenciais fontes de um efeito cinematográfico de suspensão ou de fabulação, em que a própria realidade torna-se tela panorâmica de uma obra processual e assubjetiva. O corpo ganha funções de mediação na medida em que o modo de auralidade dos dispositivos de escuta portátil, completamente autônomo, insere na percepção visual eflúvios sonoros, os quais, anexados ao ritmo do movimento imagético, elevam-no à posição de movimento cinemático, ou seja, de realidade que dura, de mais-que-realidade.


Palavras-chave


Cinema expandido. Dispositivos de escuta. Fenomenologia estética. Trilha sonora.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.47146/rbm.v33i1.33473

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

REVISTA BRASILEIRA DE MÚSICA ©2020 ISSN 0103-7595
Revista do Programa de Pós-Graduação em Música da UFRJ (PPGM-UFRJ)
Av. República do Chile, 330, Torre Leste, 21° Andar
Rio de Janeiro, RJ, Brasil – CEP 20031-370
E-mail: revista@musica.ufrj.br
Powered by: OJS