EPIDEMIOLOGIA DO TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO NO BRASIL

Ana Luisa Gonçalves Magalhães, Leonardo Cruz de Souza, Rodrigo Moreira Faleiro, Antônio Lúcio Teixeira, Aline Silva de Miranda

Resumo


O traumatismo cranioencefálico (TCE) é considerado a maior causa de morte e incapacidade em todo mundo, principalmente entre adultos jovens. No Brasil, estima-se que mais de um milhão de pessoas vivam com sequelas neurológicas decorrentes do TCE. Apesar da sua alta prevalência e taxas de incidência em constante elevação, estudos epidemiológicos permanecem escassos. Objetivo: Discutir as evidências disponíveis em relação ao perfil epidemiológico da população brasileira  acometida  por  TCE.  Métodos:  Realizou- se uma revisão de literatura nas bases de dados SciELO, LILACS e PubMed. Os termos utilizados na busca foram traumatismo cranioencefálico, e/ou epidemiologia, e/ou Brasil. Para a busca no PubMed foram utilizados os termos em inglês traumatic brain injury, e/ou epidemiology, e/ou Brazil. Foram incluídos artigos originais, descritivos e de revisão que não restringiram a causa, a gravidade do TCE e a faixa etária estudada. Resultados: Foram encontrados oito estudos de 1993 a 2015, todos retrospectivos, sendo cinco deles realizados em hospitais de emergência e três baseados em bancos de dados. Indivíduos com menos de 40 anos, do sexo masculino foram os mais acometidos e as causas principais foram quedas e os acidentes de trânsito, destacando-se os motociclísticos. Conclusão: Estudos epidemiológicos robustos sobre o TCE no Brasil ainda sao escassos. Todos os estudos foram retrospectivos e apenas dois apresentaram dados nacionais. Nesse contexto, estudos epidemiológicos de caráter prospectivo que investiguem de forma sistemática os fatores associados ao TCE, são urgentemente recomendados

Palavras-chave


Neurologia

Texto completo:

PDF

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.