Evolução de uma criança com sindrome de Down à luz do modelo lúdico: estudo de caso / Evolution of a child with Down's syndrome according to the ludic model: case study

Tatyane Soriano Gonçalves Diniz da Silva, Miryam Bonadiu Pelosi

Resumo


Introdução: O brincar é fundamental para o desenvolvimento da criança. Brincando ela desenvolve os sentidos, adquire habilidades, amplia suas experiências e descobertas, e potencializa a criatividade, a inteligência e a sociabilidade. Na clínica de Terapia Ocupacional, o brincar é visto como um recurso terapêutico e uma ocupação fundamental na vida da criança, podendo ser avaliado a partir do referencial teórico do Modelo Lúdico. Objetivo: Analisar a evolução do comportamento lúdico e a percepção da família sobre o desenvolvimento de uma criança de 2 anos e 5 meses, com síndrome de Down, que foi acompanhada pela Terapia Ocupacional, em uma brinquedoteca terapêutica por 18 meses. Método: Estudo com abordagem qualitativa e quantitativa, realizado com o auxílio da Avaliação do Comportamento Lúdico, Entrevista Inicial com os Pais, Ficha de Avaliação do Serviço de Terapia Ocupacional e evoluções dos atendimentos. Resultados: Os dados mostraram evolução do interesse geral e lúdico, capacidade lúdica e atitude lúdica, mas com menor evolução na habilidade de expressão. Conclusão: Com base no referencial teórico do Modelo Lúdico, foi possível compreender o comportamento lúdico da criança estudada, planejar os atendimentos terapêuticos ocupacionais e avaliar seu desenvolvimento e as contribuições do trabalho realizado na brinquedoteca.

Palavras-chave


Jogos e brinquedos; Ludoterapia; Síndrome de down; Terapia ocupacional.

Texto completo:

PDF

Referências


Ferland F. O modelo lúdico: o brincar, a criança com deficiência física e a Terapia Ocupacional. São Paulo. Roca; 2006.

Martini G. O brincar na clínica da Terapia Ocupacional com crianças com deficiência física: relato de um caso. Revista Ceto. São Paulo. 2010; 12(12): 27-31. Disponível em: http://www.ceto.pro.br/revistas/12/12-05.pdf. Acesso em 2 ago. 2017.

Figueiró JA. As bases neurofisiológicas do brincar. In: Affonso, RML (Org.) Ludodiagnóstico: investigação clínica através do brinquedo. São Paulo. Artmed; 2012, p. 26-37.

Takatori M. O brincar na Terapia Ocupacional: um enfoque na criança com lesões neurológicas. São Paulo. Zagodoni Editora; 2012.

Mitre RM de A; Gomes R. A promoção do brincar no contexto da hospitalização infantil como ação de saúde. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro. 2004; 9(1):147-54. DOI: 10.1590/S1413-81232004000100015.

Cruz DMC; Pfeifer LI. Revisão sobre o brincar de crianças com paralisia cerebral nas três últimas décadas. Arquivos Brasileiros de Paralisia Cerebral. São Paulo. 2006; 2(5):7-10.

Angeli AAC; Luvizaro NA; Galheigo SM. O cotidiano, o lúdico e as redes relacionais: a artesania do cuidar em Terapia Ocupacional no hospital. Interface: Comunicação, Saúde, Educação. Botucatu. mar. 2012; 16(40):261-72. DOI: 10.1590/S1414-32832012005000016.

Cunha NHS. Brinquedoteca um mergulho no brincar. 4a ed. São Paulo. Aquariana; 2010.

Schlee AR. Brinquedoteca: uma alternativa espacial. In: Santos, SMP, dos. Brinquedoteca: a criança, o adulto e o lúdico. Petrópolis. Vozes; 2000.

Kishimoto TM. Brinquedo e brincadeira: usos e significados dentro de contexto culturais. In: Santos, SMP, dos (Org.). Brinquedoteca: o lúdico em diferentes contextos. 13a ed. Petrópolis. Vozes; 2009, p. 23-43.

Santos CA; Marques EM; Pfeifer LI. A brinquedoteca sob a visão da Terapia Ocupacional: diferentes contextos. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. São Carlos. 2006; 14(2):91-102. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/158/114. Acesso em 10 jul. 2017.

Oliveira VB (Org.). O símbolo e o brinquedo: a representação da vida. 2a ed. Petrópolis. Vozes; 1998.

Azevedo ACP, de. Brinquedoteca no diagnóstico e intervenção em dificuldades escolares. 4a ed. Campinas. Alínea; 2014.

Knox SA. Avaliação lúdica de pré-escolares: a escala Knox. In Parham, LD; Fazio, LS. A recreação na Terapia Ocupacional Pediátrica. São Paulo. Santos; 2002, p. 2-22.

Tristão RM; Feitosa MAG. Percepção auditiva e implicações para o desenvolvimento global e de linguagem em crianças com síndrome de Down. Arquivos Brasileiros de Psicologia. Rio de Janeiro. 2000; 52 (2):118-42.

Limongi SCO; Mendes AE; Carvalho AMA; Do Val DC; Andrade RV. A relação comunicação não verbal-verbal na síndrome de Down. Rev. Soc. Bras. Fonoaudiol. São Paulo. 2006; 11(3):135-41.

Cook AM; Polgar JM. Essentials of Assistive Technologies. St. Louis. Elsevier; 2012, 343p.

Pelosi MB. Tecnologia Assistiva. In: Nunes, LRP et al. (Orgs.). Comunicar é preciso: em busca das melhores práticas na educação do aluno com deficiência. Marília. ABPEE; 2011, p. 37-46.

Solai VQ; Pfeifer LI. Comportamento lúdico de crianças com síndrome de Down. In: Simpósio Internacional de Iniciação Científica da Universidade de São Paulo; 2006; São Paulo. Anais eletrônicos. São Paulo. USP; 2006.

Pazin AC; Martins MRI. Desempenho funcional de crianças com síndrome de Down e a qualidade de vida de seus cuidadores. Rev. Neurocienc. Santos. 2007; 15 (4):297-303. Disponível em: http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2007/RN%2015%2004/Pages%20from%20RN%2015%2004.pdf Acesso em 10 jul. 2017.

Rezende MB. O brincar e a intervenção da Terapia Ocupacional. In: Drummond, AF; Rezende, MB. Intervenções da Terapia Ocupacional. Belo Horizonte. Editora UFMG; 2008.

Zaguini CGS; Bianchin MA; Junior RVL; Chueire RHMF. Avaliação do comportamento lúdico da criança com paralisia cerebral e da percepção de seus cuidadores. Acta Fisiátr. São Paulo. 2011; 18(4):187-9. DOI: 10.5935/0104-7795.20110004 .

Figueiredo BA, de; Silva Souza, D, da; Silva ACD, da. O brincar de crianças com deficiência física: contribuição da Terapia Ocupacional. Revista de Terapia Ocupacional da Universidade de São Paulo. São Paulo. 2016; 27(1):29-35. DOI:10.11606/issn.2238-6149.v27i1p29-35.

Ferland F. O modelo lúdico: a utilização do potencial terapêutico do brincar. Temas sobre o desenvolvimento. São Paulo. 2005; 14(82):50-5.

Ramos RM; Bazilio S; Anthero TO. Aplicação dos protocolos de avaliação do Modelo Lúdico em crianças com deficiência física de dois a seis anos. [TCC]. Lins: Centro Universitário Católico Salesiano; 2008.

Sant'Anna MMM; Blascovi-Assos SM; Magalhães VLC. Adaptação transcultural dos protocolos de avaliação do modelo lúdico. Revista de Terapia Ocupacional da USP. São Paulo. Sup. 2008; 19(1):34-47. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/rto/article/view/14026 Acesso em 2 jul. 2017.

Zen CC; Omairi C. O modelo lúdico: uma nova visão do brincar para a Terapia Ocupacional. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar. São Carlos. Jan.-Jun. 2009; 17(1):43-51. Disponível em: http://www.cadernosdeterapiaocupacional.ufscar.br/index.php/cadernos/article/view/117/75. Acesso em 1 jul. 2017.

Santos TR; Pfeifer LI; Silva DBR; Panuncio-Pinto MP. Avaliação do comportamento lúdico de crianças com paralisia cerebral. Arquivos Brasileiros de Paralisia Cerebral. São Paulo. 2011; 5(11):18-25.

Sant'Anna MMM. Modelo Lúdico: Favorecendo o Brincar da Criança com Deficiência Física. Revista da Sobama. Marília. Jan./Jun., 2015; 16(1):15-18.. Disponível em: http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/sobama/article/view/4965/3549 . Acesso em 3 jul. 2017.

Diegues D. O modelo lúdico na análise do brincar de crianças com síndrome de Down; 2015. 88 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) -- Universidade Presbiteriana Mackenzie. São Paulo; 2015.

Oshiro M. O brincar na infância das crianças com deficiência: um estudo exploratório. [Tese]. São Paulo: Universidade de São Paulo; 2010.

Sant'Anna, MMM; Pfeiffer, LI; Tedesco, S; Costa, SC; Silva, CMA; Jimenez, L, et al. Instrumentos de Avaliação do Modelo Lúdico para Criança com Deficiência Física (EIP-- ACL) - Manual da Versão Brasileira Adaptada. Organização: Maria Madalena Moraes Sant'Anna. 1ª ed. São Carlos. Abpee; 2015. Disponível em: leptoi.fmrp.usp.br

Piaget J. Seis estudos de psicologia. Tradução: Maria Alice Magalhães D'Amorim e Paulo Sérgio Lima Silva. 24a ed. Rio de Janeiro. Forense Universitária; 1999.

Chan J.B; Iacono T. Gesture and word production in children with Down syndrome. Augmentative and Alternative Communication. Londres. 2001; 17(2):73-87.

Porto-Cunha E; Limongi SCO. Modo comunicativo utilizado por crianças com síndrome de Down. Pró-Fono Revista de Atualização Científica. Barueri. Out.-Dez. 2008; 20(4):243-8. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-56872008000400007 Acesso em 1 jul. 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB