Diálogos Interepistêmicos: por uma terapia ocupacional de base alargada / Interepistemic dialogue: a expansive base for occupational therapy

Samira Lima da Costa, Heliana Castro Alves

Resumo


Atualmente a instituição Universidade se vê diante da necessidade e da possibilidade de elaborar novas perguntas, novos caminhos, novos referenciais. Este é um excelente momento para a Terapia Ocupacional brasileira também interrogar sobre seus saberes e suas práticas, rever sua relação com as terapias ocupacionais do mundo e definir novos horizontes, pautados em nosso lugar de fala. Mas... De que lugar falamos, mesmo?


Palavras-chave


Ecologia social; Interepistemologia; Terapia ocupacional

Texto completo:

PDF

Referências


Correia, RL Akemi, BA. “Terra a vista! Estamos desviando as rotas!”. Rev. Interinst. Bras. Ter. Ocup. Rio de Janeiro, 2017. V.1(2): 120-122.

Carvalho, JJAC. Encontro de saberes: um desafio teórico, político e epistemológico. In: Santos, Boaventura de Sousa e Cunha, Teresa (orgs). Acta de Colóquio Internacional Epistemologias do Sul: aprendizagens globais Sul-Sul, Sul-Norte e Norte-Sul. V. 1. Jun, p. 1017-1027. 2015.

INCTI/UnB/CNPq. Instituto de Inclusão no ensino Superior e na Pesquisa; Universidade de Brasília/CNPq. Encontro de Saberes: bases para um diálogo interepistêmico. Documento Institucional. Brasília: CNPq. 2015.

Santos, AB. Colonização, Quilombos: modos e significações. INCTI/CNPq: Brasília, 2015. 150p.

Quijano, A. Colonialidad del poder, Eurocentrismo, America Latina. In: Lander, E (ed). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciências sociales. Perspectivas latino-americanas. Caracas. Clacso, 2000, pp. 201-245.

Cruz, VC. Geografia e pensamento descolonial: notas sobre um diálogo necessário para a renovação do pensamento crítico. In: Cruz, VC e Oliveira, DA de. Geografia e Giro Descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. 1ª. Edição. Rio de Janeiro. Letra Capital; 2017. pp. 15-36.

Walsh, C. Son posibles unas ciências sociales/ culturales otras? Reflexiones em torno a las epistemologias decoloniales. In: Nomadas, n. 26; 2007.

Castro-Gómez, S. e Grosfoguel, R. (orgs). El giro decolonial: reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá. Siglo del Hombre Editores; Universidad Central, Instituto de Estudios Sociales Contemporáneos y Pontificia Universidad Javeriana, Instituto Pensar: Bogotá; 2007.

Spivak, GC. Pode o subalterno falar? Tradução: Sandra R. G. Almeida, Marcos P. Feitosa. Belo Horizonte. Ed. UFMG; 2010.

Pereira, CF. Racismo, espaço e colonialidade do poder, do saber e do ser: diálogos, trajetórias e horizontes de transformação. In: Cruz, VC e Oliveira, DA de. Geografia e Giro Descolonial: experiências, ideias e horizontes de renovação do pensamento crítico. 1ª. Edição. Rio de Janeiro. Letra Capital; 2017. pp. 132-142.

Sarlo, B. Tempos passados: cultura da memória e guinada subjetiva. Belo Horizonte. Cia das Letras, UFMG; 2007.

Freire, P. Pedagogia do Oprimido. 5ª ed .São Paulo. Ed Paz e terra; 1987.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2017 Revista Interinstitucional Brasileira de Terapia Ocupacional - REVISBRATO



Indexado em:

      

       

    Resultado de imagem para REDIB